ÁFRICA/TUNÍSIA - “Vamos parar de falar de guerra de religião, as vítimas de ontem são todas muçulmanas”, destaca o Diretor das POM

Quarta, 25 Novembro 2015 terrorismo  

Túnis (Agência Fides) - “Túnis se despertou com muita tristeza e desiludida” diz à Agência Fides pe. Jawad Alamat, Diretor nacional das Pontifícias Obras Missionárias (POM) da Tunísia, depois do atentado suicida de ontem, 24 de novembro, em Túnis, contra um ônibus que transportava agentes da segurança presidencial. Pe. Jawad diz que com este atentado, “se quis mandar novamente uma mensagem de desestabilização. Após atingir o turismo em Souse (veja Fides 30/6/2015), atingindo gravemente a economia, e depois de atentar contra o Museu do Bardo (veja Fides 20/3/2015), que significa não só atingir o turismo mas também uma área de forte valor político pela proximidade do Parlamento, agora atingem as forças da segurança presidencial”. O Diretor das POM da Tunísia destaca que: “estamos diante de pessoas dispostas a morrer para matar. Não podemos falar de um confronto de religiões. As vítimas de Túnis são todas muçulmanas. Estamos todos nos confrontando com um terrorismo desumano. O que acontece em Paris acontece na Tunísia, o que acontece em Beirute acontece em Mali. Fazemos parte de um mundo globalizado no mal, e não no bem”. “Espero – conclui – que depois deste novo atentado, a política tenha uma atitude e reaja. Os tunisianos olham desiludidos e surpresos os jogos entre os partidos, enquanto o país se encontra em graves dificuldades. Tem-se a sensação de perder tempo precioso para reerguer a economia. Espero que este atentado leve os políticos a parar de ‘brincar’; é hora de ser adultos e pensar no bem do país, que está ameaçado por um inimigo determinado. É um convite à unidade nacional, apesar das diferenças políticas, para garantir a segurança da população local e de todos os que vivem neste amado país”.
(L.M.) (Agência Fides 25/11/2015)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network