Fides News Portuguêshttp://www.fides.org/As notícias da Agência Fidesen-usÁSIA/JAPÃO – Renúncia do Arcebispo de Osaca e nomeação do sucessorhttp://www.fides.org/pt/news/38200-ASIA_JAPAO_Renuncia_do_Arcebispo_de_Osaca_e_nomeacao_do_sucessorhttp://www.fides.org/pt/news/38200-ASIA_JAPAO_Renuncia_do_Arcebispo_de_Osaca_e_nomeacao_do_sucessorCidade do Vaticano – Em 20 de agosto de 2014, o Santo Padre Francisco aceitou a renúncia ao governo pastoral da Arquidiocese de Osaca, no Japão, apresentada por Dom Leo Jun Ikenaga, S.I., em conformidade com o can. 401 § 1 do Código de Direito Canônico. O Santo Padre nomeou como Arcebispo de Osaca Dom Thomas Aquino Manyo Maeda, até agora Bispo de Hiroshima. Mon, 01 Sep 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/ÍNDIA – Renúncia do Bispo Auxiliar de Bombaimhttp://www.fides.org/pt/news/38199-ASIA_INDIA_Renuncia_do_Bispo_Auxiliar_de_Bombaimhttp://www.fides.org/pt/news/38199-ASIA_INDIA_Renuncia_do_Bispo_Auxiliar_de_BombaimCidade do Vaticano – Em 30 de julho de 2014, o Santo Padre Francisco aceitou a renúncia do Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Bombaim, na Índia, apresentada por Dom Agnelo Rufino Gracias, em conformidade com os can. 411 e 401 § 1 do Código de Direito Canônico. Mon, 01 Sep 2014 00:00:00 +0200ÁFRICA/MOÇAMBIQUE- Nomeado Bispo Auxiliar de Nampulahttp://www.fides.org/pt/news/38198-AFRICA_MOCAMBIQUE_Nomeado_Bispo_Auxiliar_de_Nampulahttp://www.fides.org/pt/news/38198-AFRICA_MOCAMBIQUE_Nomeado_Bispo_Auxiliar_de_NampulaCidade do Vaticano – Em 6 de agosto de 2014, o Santo Padre Francisco nomeou como Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Nampula, em Moçambique, Dom Ernesto Maguengue, ex Bispo de Pemba. Foi-lhe atribuída a sede titular episcopal de Fornos Minore. Mon, 01 Sep 2014 00:00:00 +0200AMÉRICA/MÉXICO - “Migrantes: rumo a um mundo melhor”, encontro nacional de pastoral da mobilidade humanahttp://www.fides.org/pt/news/38197-AMERICA_MEXICO_Migrantes_rumo_a_um_mundo_melhor_encontro_nacional_de_pastoral_da_mobilidade_humanahttp://www.fides.org/pt/news/38197-AMERICA_MEXICO_Migrantes_rumo_a_um_mundo_melhor_encontro_nacional_de_pastoral_da_mobilidade_humanaMerida – A cidade de Mérida vai hospedar de 16 a 19 de setembro o XV encontro nacional de Pastoral dos Migrantes, que terá como tema “Migrantes: rumo a um mundo melhor”. Segundo informações recebidas pela Agência Fides, o convite se dirige aos Bispos, animadores diocesanos da pastoral da mobilidade humana e a todos os que são engajados na Igreja neste delicado campo pastoral. O encontro será a ocasião oportuna para “criar um ambiente de estudo, diálogo e oração em que tentaremos juntos reforçar o nosso compromisso pastoral diante das realidades migratórias que julgamos mais urgentes”, como escreve, na convocação, Dom Emilio Carlos Berlic, Arcebispo de Yucatan. As relações principais se concentrarão na identidade do agente pastoral delineada pelos documentos do Magistério, na construção do perfil do agente pastoral da mobilidade humana, na análise da realidade migratória no México e na “alegria da missão”. Estão previstos também momentos de oração e trabalhos de aprofundamento em grupos. Mon, 01 Sep 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/NEPAL - Vigário Apostólico aos religiosos: a missão começa pela auto-evangelizaçãohttp://www.fides.org/pt/news/38196-ASIA_NEPAL_Vigario_Apostolico_aos_religiosos_a_missao_comeca_pela_auto_evangelizacaohttp://www.fides.org/pt/news/38196-ASIA_NEPAL_Vigario_Apostolico_aos_religiosos_a_missao_comeca_pela_auto_evangelizacaoCatmandu – A missão começa pela auto-evangelização: é o que reiterou o novo Vigário Apostólico do Nepal, Dom Paul Simick, encontrando os religiosos nepaleses. Come referido à Fides, o Vigário está visitando as realidades eclesiais e territórios, e em duas reuniões separadas, encontrou-se com os religiosos do Nepal oriental e ocidental. <br />Os religiosos do Nepal oriental contaram ao Vigário seus sucessos e expressaram suas preocupações. O Bispo compartilhou sua visão, convocando todos os presentes à “auto-evangelização”: antes de tudo, é preciso demonstrar-se “pessoas de oração”, conhecer os documentos da Igreja e viver com coerência a fé. Depois, exortou a examinar com cuidado as necessidades pastorais da população, a organizar os leigos e dar-lhes uma adequada formação, encorajando a desenvolver novas metodologias de serviço pastoral. Segundo Dom Simick, são importantes a formação permanente, através de uma catequese regular, os programas de serviço social, a obra de sensibilização e os cuidados pastorais junto a famílias e estudantes. Parece, realmente, que existe “falta de qualidade da liderança em nosso laicato: a formação começa com os estudantes nas escolas”, frisou. <br />Na visita ao território do Nepal ocidental, definida “um evento de graça e encorajamento para todos”, o Bispo convidou os religiosos e as religiosas a “viver a vida radical na fé e a crescer na nossa fé cotidiana”. Aqui também, o Vigário Apostólico reafirmou a urgência da auto-evangelização, focalizando-se “no testemunho da vida que manifesta a luz da fé”. O Vigário compartilhou a sua visão de um Vicariato centrado na Palavra de Deus, que promova a formação na fé e nos cuidados pastorais. Enfim, convidou a promover pequenas comunidades cristãs de base, a organizar comissões para os diversos campos da pastoral e a chegar às pessoas nas comunidades marginalizadas através da instrução, da assistência de saúde e programas de desenvolvimento. Mon, 01 Sep 2014 00:00:00 +0200ÁFRICA/SENEGAL - Ebola: “Estar vigilante e não ceder ao pânico” recomenda a Igrejahttp://www.fides.org/pt/news/38195-AFRICA_SENEGAL_Ebola_Estar_vigilante_e_nao_ceder_ao_panico_recomenda_a_Igrejahttp://www.fides.org/pt/news/38195-AFRICA_SENEGAL_Ebola_Estar_vigilante_e_nao_ceder_ao_panico_recomenda_a_IgrejaDacar – A Igreja Católica no Senegal se mobiliza para contribuir na prevenção da difusão do vírus ebola depois de que em 29 de agosto as autoridades anunciaram ter encontrado o primeiro caso de infecção no país.<br />Numa nota enviada à Agência Fides o Vigário Geral da Arquidiocese de Dacar, Dom Alphonse Seck, convida os fiéis a “estarem vigilantes e a não cederem ao pânico”. Dom Seck se encontrou com os responsáveis pelo Ministério da Saúde do Senegal com os quais foram concordadas as medidas a serem adotadas para evitar a difusão da infecção. <br />“Convidamos os nossos confrades sacerdotes”, escreve Dom Seck, “a escolherem um momento da Assembleia Eucarística para lembrar as recomendações de prevenção elaboradas pelo Ministério da Saúde e Ação Social e difundí-las com todos os meios”. As recomendações podem ser baixadas do site da Arquidiocese de Dacar . Sublinha-se também que “as informações deverão ser difundidas nas línguas nacionais e locais para garantir uma comunicação melhor e reduzir a difusão de pânico e crenças falsas ligadas à superstição”. Até agora a epidemia de ebola matou nos países da África Ocidental atingidos pela epidemia mais de 1.500 pessoas, das quais 120 médicos e enfermeiros. Mon, 01 Sep 2014 00:00:00 +0200ÁFRICA/LÍBIA - “Não ouvimos mais explosões, a situação está aparentemente um pouco mais calma”, disse Dom Martinellihttp://www.fides.org/pt/news/38194-AFRICA_LIBIA_Nao_ouvimos_mais_explosoes_a_situacao_esta_aparentemente_um_pouco_mais_calma_disse_Dom_Martinellihttp://www.fides.org/pt/news/38194-AFRICA_LIBIA_Nao_ouvimos_mais_explosoes_a_situacao_esta_aparentemente_um_pouco_mais_calma_disse_Dom_MartinelliTrípoli - “A situação está um pouco sob controle, há mais serenidade e mais calma em relação a alguns dias atrás. Não se ouvem mais as explosões dos bombardeios. Esperamos que se Deus quiser continue assim”, disse à Agência Fides Dom Giovanni Innocenzo Martinelli, Vigário Apostólico de Trípoli. A capital líbica caiu sob o controle das milícias islâmicas “Aurora da Líbia” depois de dias de bombardeios contra uma coalizão adversária de milícias. Dom Martinelli acrescentou: “Até agora não tivemos dificuladde como comunidade cristã. As pessoas, mesmo se poucas, vão à igreja. Há a alegria de se reunir. Na sexta-feira próxima celebraremos a festa de Madre Teresa de Calcutá e esperamos uma presença grande de fiéis”. “Continuem rezando pela Líbia para que possa reencontrar a paz”, concluiu Dom Martinelli. Mon, 01 Sep 2014 00:00:00 +0200EUROPA/HOLANDA - Alarme Caritas: o verão dos “desastres humanitários” está enxugando os recursos dos organismos de ajudahttp://www.fides.org/pt/news/38193-EUROPA_HOLANDA_Alarme_Caritas_o_verao_dos_desastres_humanitarios_esta_enxugando_os_recursos_dos_organismos_de_ajudahttp://www.fides.org/pt/news/38193-EUROPA_HOLANDA_Alarme_Caritas_o_verao_dos_desastres_humanitarios_esta_enxugando_os_recursos_dos_organismos_de_ajudaAmsterdã – “O verão dos desastres humanitários” está enxugando os fundos dos organismos assistenciais internacionais que logo não poderão mais se ocupar das populações atingidas no mundo inteiro pelas consequências dos conflitos sangrentos. O alarme, lançado pela Cordaid e depois pela Caritas Internacional, faz referência a “milhões de pessoas que na Síria, em Gaza, no Sudão do Sul e outras áreas de conflito estão esperando por socorro”, num momento em que também as grandes redes de intevenção humanitária como a Cruz Vermelha, Médicos Sem Fronteira e outras agências assistenciais da ONU não conseguem mais enfrentar os pedidos de ajuda.<br />“Junto com as crises na Síria, Gaza e Iraque”, lê-se no apelo, “existem guerras civis esquecidas na África Central e no Sudão do Sul”. A mesma seção holandesa da Caritas nos últimos tempos foi obrigada a modificar a destinação dos fundos para se ocupar de novas emergências, direcionando para os campos de refugiados espalhados na Síria e Líbano os recursos que antes eram destinados para a República Centro-Africana. O responsável pela Caritas Internacional para as emergências humanitárias, Albert de Haan, confirma as dificuldades crescentes encontradas nas coletas de fundos, sobretudo as destinadas a situações de conflitos esquecidos pela mídia global: “Estamos recebendo menos recursos”, explica de Haan em seu breve relatório consultado pela Agência Fides, “para fornecer ajuda ao Mali, Níger e outros países africanos marcados por conflitos. Estamos também ativos diante dos desastres ‘esquecidos’ que os meios de comunicação perderam o interesse, como os de Mianmar e da seca no Sahel. Também nestas regiões, os recursos disponíveis são insuficientes para cobrir o que queremos fazer”. Segundo o responsável da Caritas Internacional, “os cortes drásticos feitos pelos Governos nos últimos anos nos recursos destinados ao desenvolvimento e emergências estão agora provocando uma situação de grande dificuldade”. .Mon, 01 Sep 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/TERRA SANTA - As escolas católicas revogam a greve, mas o governo israelense quer “absorvê-las”http://www.fides.org/pt/news/38192-ASIA_TERRA_SANTA_As_escolas_catolicas_revogam_a_greve_mas_o_governo_israelense_quer_absorve_lashttp://www.fides.org/pt/news/38192-ASIA_TERRA_SANTA_As_escolas_catolicas_revogam_a_greve_mas_o_governo_israelense_quer_absorve_lasJerusalém – Os últimos dois anos foram difíceis para as escolas católicas em Israel, principalmente do ponto de vista econômico: o Ministério da educação reduziu ainda mais as subvenções, limitando a ajuda às famílias. Isto gerou, no ano passado, um alto déficit em várias escolas. Segundo as autoridades israelenses, as escolas católicas devem se tornar “públicas”: assim, certamente poderiam sobreviver, mas perderiam a sua especificidade e identidade. Tal proposta é considerada discriminatória e inaceitável pela Igreja católica na Terra Santa. Como comunica à Fides o Patriarcado Latino de Jerusalém, o Escritório das escolas católicas tentou organizar uma série de encontros em vários níveis, para encontrar soluções. A assembleia dos Bispos católicos da Terra Santa enviou diversas cartas ao Ministro israelense da educação para pedir um encontro, mas nos últimos dois anos não recebeu resposta. Consequentemente, foi anunciada a greve, no dia 1o de setembro, primeiro dia de escola. A decisão foi tomada por unanimidade pelo colégio de reitores das escolas, denominado “G14”, presidido pelo diretor, pe. Abdelmassih Fahim, diante do bispo Boulos Marcuzzo. Os católicos queriam estigmatizar o silêncio do governo israelense, indiferente a todas as solicitações para enfrentar a situação de dificuldade em que se encontram os institutos católicos da Terra Santa. Após o anúncio da greve, o Ministério da educação respondeu imediatamente, marcando uma data para um encontro no qual examinar os problemas e propor novas soluções. Vista a mudança positiva de atitude, o G14 mostrou a sua disponibilidade de escuta e revogou a greve. A situação dos institutos católicos permanece muito precária e muitos correm risco de fechar. Sat, 30 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/ÍNDIA - Presos 11 militantes devido à conversão de uma igreja em templo hinduhttp://www.fides.org/pt/news/38191-ASIA_INDIA_Presos_11_militantes_devido_a_conversao_de_uma_igreja_em_templo_hinduhttp://www.fides.org/pt/news/38191-ASIA_INDIA_Presos_11_militantes_devido_a_conversao_de_uma_igreja_em_templo_hinduAligarh – Depois dos protestos e denúncias às autoridades civis, 11 militantes pertencentes a grupos extremistas hindus violentos foram presos em Uttar Pradesh pela ocupação de uma igreja cristã, sua profanação e conversão em templo hinduísta. Segundo informa à Fides o Evangelical Fellowship of India , os militantes são membros de formações extremistas conhecidas como “Rashtriya Swayamsevak Sangh”, “Bajrang Dal” e “Vishwa Hindu Parishad”. 
Como comunicado à Fides, a igreja pertence aos cristãos Adventistas do Sétimo Dia e se situa em Asroi, próximo de Aligarh, em Uttar Pradesh . No edifício sacro foi realizado um rito hindu de purificação com fogo, as cruzes foram removidas e os adornos sagrados destruídos, substituídos por imagens do deus Shiva. A igreja agora foi restituída aos cristãos, que anunciaram que a manterão fechada por algum tempo. 
O EFI condenou a evidente violação da liberdade religiosa e lançou um apelo ao governo federal para que detenha o plano dos extremistas hindus de polarizar a sociedade indiana com base na religião, terrorizando as minorias. Os cristãos em Uttar Pradesh sofreram recentemente uma onda de violência com agressões físicas e ataques às igrejas. “Pedimos ações fortes e exemplares, que assegurem os criminosos à justiça e restituam segurança e confiança às minorias”, aponta o EFI. Segundo a organização, “esta conversão ao hinduísmo parece ser parte de uma estratégia mais ampla, de conspiração religiosa contra as minorias”. Sat, 30 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/FILIPINAS - Bispos filipinos: “Daremos a nossa contribuição para contrastar o ISIS”http://www.fides.org/pt/news/38190-ASIA_FILIPINAS_Bispos_filipinos_Daremos_a_nossa_contribuicao_para_contrastar_o_ISIShttp://www.fides.org/pt/news/38190-ASIA_FILIPINAS_Bispos_filipinos_Daremos_a_nossa_contribuicao_para_contrastar_o_ISISManila – A Igreja católica nas Filipinas fará a sua parte para contrastar as ações brutais do ISIS, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante que está terrorizando o Norte do Iraque: é o que promete o Arcebispo Socrates Villegas, Presidente da Conferência Episcopal das Filipinas, assegurando a contribuição da Igreja local no país e no exterior. <br />Como referido à Fides, de um lado a Igreja nas Filipinas se preocupa em ajudar, através de campanhas de doações e solidariedade, os cristãos e outras populações deslocadas por causa da violência dos militantes islâmicos no Iraque. Por outro lado, quer desencorajar a população filipina de religião islâmica a abraçar as teorias do Califado e nutrir as tentações de se unir à violência. <br />O arcebispo recordou com pesar os “abusos, decapitações e violências de todo tipo, que mostram o extravio completo da religião”. “Massacrar, matar e destruir em nome de Deus é uma mensagem terrível enviada ao mundo. Dessa maneira se diz que a religião é instrumento de morte e que a fé pode criar muita maldade”, explicou. <br />A Igreja filipina manifesta preocupação também porque alguns militantes de grupos extremistas islâmicos filipinos como “Abu Sayyaf” expressaram seu apoio ao ISIS, enquanto outros grupos islâmicos oficiais como o MILF , que assinou recentemente um acordo com o Governo de Manila, renegou teses e ações. <br />Segundo alguns relatórios, os guerrilheiros filipinos teriam chegado ao Iraque e Síria para lutar ao lado dos terroristas. As autoridades filipinas estão levando em consideração a criação de um banco de dados especial para monitorar o movimento dos cidadãos filipinos rumo ao Oriente Médio. Fri, 29 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁFRICA/GUINÉ BISSAU - Traduzido em crioulo o catecismo para o Crismahttp://www.fides.org/pt/news/38189-AFRICA_GUINE_BISSAU_Traduzido_em_crioulo_o_catecismo_para_o_Crismahttp://www.fides.org/pt/news/38189-AFRICA_GUINE_BISSAU_Traduzido_em_crioulo_o_catecismo_para_o_CrismaBissau – "Bo risibi Spiritu Santu" é o título do novo catecismo para a Confirmação, que acaba de ser realizado na Guiné-Bissau em crioulo. No país africano, mais de 90% falam línguas étnicas e a mais comum é o crioulo , o crioulo português. Segundo informações enviadas à Agência Fides pela diocese de Bissau, o texto original é o catecismo "Recevez l'Esprit-Saint", publicado pela Secretaria nacional da Catequese do Senegal, e a tradução em crioulo foi realizada por uma equipe composta por um sacerdote, uma religiosa e dois leigos, orientados pelo Bispo de Bafatá, Dom Pedro Zilli. O catecismo prevê 27 encontros e se divide em três partes, das quais a primeira é já utilizada nas paróquias e nos grupos de catecismo. Foi enviada uma cópia do texto completo às várias comunidades missionárias. Depois de eventuais revisões e sugestões, poderá ser feita a edição definitiva. Na apresentação do catecismo, Dom Zilli escreve: “que o Senhor nos abençoe a todos, derramando a todos nós e aos crismandos o seu Santo Espírito. Que este catecismo possa ser fonte de inspiração para uma catequese mais sistemática, que não seja fruto de uma espontaneidade improvisada”.<br /> Fri, 29 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁFRICA/ÁFRICA DO SUL - A TV estatal cancela a Missa de Natal do Papa Francisco; “ato hostil contra os católicos”http://www.fides.org/pt/news/38188-AFRICA_AFRICA_DO_SUL_A_TV_estatal_cancela_a_Missa_de_Natal_do_Papa_Francisco_ato_hostil_contra_os_catolicoshttp://www.fides.org/pt/news/38188-AFRICA_AFRICA_DO_SUL_A_TV_estatal_cancela_a_Missa_de_Natal_do_Papa_Francisco_ato_hostil_contra_os_catolicosJohannesburg – O cancelamento da transmissão ao vivo da Missa de Natal do Papa Francisco pela TV pública sul-africana “demonstra uma inaceitável hostilidade contra a Igreja católica da parte de um órgão do Estado financiado com dinheiro público”: é o que afirma um editorial do “The Southern Cross”, órgão de informação da Southern African Catholic Bishops’ Conference que critica a decisão da SABC de cancelar de sua programação a transmissão da Missa de Natal da Basílica de São Pedro.<br />“Embora este não seja o problema mais urgente que a Igreja na África do Sul enfrente”, aponta o editorial, esta decisão indica um clima “de hostilidade em relação à nossa Igreja”. Recorda-se que o cancelamento da Missa do Papa da programação da emissora “contradiz a sua própria política de transmissão, que visa assegurar a justa e igual representação das comunidades religiosas sul-africanas”.<br />Segundo “The Southern Cross”, o episódio deve ser inserido no contexto de uma “forte marginalização” da Igreja católica, cuja voz é excluída da rede televisiva a pagamento DStv, que se recusa em incluir em sua grade a TV católica EWTN, “com o banal pretexto de que seu leque de canais evangélicos cobre adequadamente as exigências dos cristãos”. Neste caso, afirma o editorial, os católicos podem expressar o seu protesto cancelando suas assinaturas na emissora, o que não é possível na TV pública, cujo pagamento é obrigatório para todos os que possuem uma televisão. “Em troca, a SABC tem a obrigação de oferecer um serviço a todos os cidadãos da África do Sul, incluindo os 7% da população que professa a fé católica”, afirma o editorial, que conclui ameaçando boicotar os produtos difundidos pela TV de Estado. Fri, 29 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁFRICA/RD CONGO - Centenas de ex-reféns da guerrilha abandonados sem assistência na florestahttp://www.fides.org/pt/news/38187-AFRICA_RD_CONGO_Centenas_de_ex_refens_da_guerrilha_abandonados_sem_assistencia_na_florestahttp://www.fides.org/pt/news/38187-AFRICA_RD_CONGO_Centenas_de_ex_refens_da_guerrilha_abandonados_sem_assistencia_na_florestaKinshasa – Há vários dias, no território de Beni, a cerca de 350 km ao norte de Goma , pelo menos 160 ex-reféns da Aliança das Forças Democráticas , um grupo armado de origem ugandesa, vivem uma terrível situação humanitária. É o que afirma uma nota enviada à Agência Fides pela Rede “Paz para o Congo”. A sociedade civil de Beni revela que, desde seu retorno, estas pessoas não dispõem de nenhuma assistência das autoridades e das organizações humanitárias. <br />O administrador do território de Beni, Kalonda Amisi, disse não ter algum meio para ajuda-los. Muitos dos ex-reféns estão doentes, aparentam sinais de grave desnutrição e têm traumas psicológicos devidos às atrocidades sofridas, afirma a Ong Convenção pelo respeito dos direitos humanos , acrescentando que as mulheres e jovens que fugiram dos rebeldes ugandenses foram utilizadas como escravas sexuais e a maior parte delas está internada no hospital de Oicha. “Acolhemos quatro mulheres que chegaram grávidas. A maior parte das mulheres e meninas foram violentadas. Na floresta viveram situações terríveis. Os ex-reféns afirmaram que alguns membros de suas famílias foram mortos em sua presença e que seus corpos foram usados como alimento, assim como carne de cabra. Foram, portanto, obrigados a comer carne humana” declarou Jean-Paul Paluku Ngongonde, presidente da CRDH. <br />Os ex-reféns conseguiram fugir durante a destruição das bases da ADF pelas Forças Armadas congolesas, na operação "Sokola" , atuada em colaboração com as forças da Missão ONU na RDC . Centenas, entretanto, permanecem reféns . Por sua vez, a MONUSCO já se mobilizou para procurar estas pessoas abandonadas pela ADF na floresta de Beni, que vagueiam sem nenhuma assistência. Fri, 29 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/ÍNDIA - Proibição de alcoólicos em Kerala: e o vinho da Missa?http://www.fides.org/pt/news/38186-ASIA_INDIA_Proibicao_de_alcoolicos_em_Kerala_e_o_vinho_da_Missahttp://www.fides.org/pt/news/38186-ASIA_INDIA_Proibicao_de_alcoolicos_em_Kerala_e_o_vinho_da_MissaKochi – A utilização do vinho na missa católica está se tornando parte do debate político público em Kerala: Oommen Chandy, Primeiro-ministro do estado do sul da Índia – onde a presença cristã é de quase 20% da população – anunciou a decisão do governo local de proibir a venda e o consumo de alcoólicos no estado. Será atuada em algumas fases e dentro de alguns anos, a proibição será total. <br />Como informado à Fides, grupos hindus ameaçaram impor a proibição também nas celebrações cristãs. V.M. Sudheeran, líder do partido do Congresso em Kerlala, nota que “o pedido de proibir o vinho nas igrejas não é correto, e recorda que o uso do vinho faz parte de um ritual e de uma tradição em uso há séculos”. “Seria uma grave interferência no culto”, afirma.<br />A proibição quer limitar o uso e o abuso de álcool no estado, reduzindo progressivamente a concessão de licenças de venda e utilizo. A partir de 1o de abril de 2015, por exemplo, apenas os hotéis com cinco estrelas poderão servir alcoólicos. Com 8,3 litros pró-capita por ano, Kerala registra o mais elevado consumo de alcoólicos na Índia, onde o consumo médio por pessoa é de 4 litros por ano.<br />Com o fim de tutelar a saúde pública e limitar a chaga do alcoolismo, a Igreja católica e as organizações muçulmanas presentes no estado disseram que irão apoiar a iniciativa lançada pelo governo com medidas voltadas à proibição. Thu, 28 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/PAQUISTÃO - Crise política e social: para os cristãos, “o único caminho é o diálogo”http://www.fides.org/pt/news/38185-ASIA_PAQUISTAO_Crise_politica_e_social_para_os_cristaos_o_unico_caminho_e_o_dialogohttp://www.fides.org/pt/news/38185-ASIA_PAQUISTAO_Crise_politica_e_social_para_os_cristaos_o_unico_caminho_e_o_dialogoIslamabad – “O único caminho para enfrentar e resolver a atual crise política e social é o diálogo, no respeito do estado de direito e da Constituição, sem medidas populistas”: é o que afirma à Agência Fides pe. Yousaf Emmanuel, Diretor nacional da Comissão “Justiça e Paz” dos Bispos paquistaneses, comentando o delicado momento político que a nação está vivendo.<br />A capital Islamabad está paralisada com mais de 20 mil manifestantes de dois partidos políticos da oposição, o Pakistan Tehrik-i-Insaaf , liderado pelo ex-campeão de críquete, Imran Khan, e o Pakistan Awami Tehreek , liderado pelo pregador islâmico Tahir ul-Qadri. Os dois pedem a renúncia do Premiê Nawaz Sharif, que rejeita esta hipótese, e a dissolução do Parlamento. Nawaz Sharif também é acusado formalmente por um tribunal de homicídio, depois do ataque da polícia que matou 14 pessoas e deixou 100 feridos entre os membros do movimento de Qadri, no dia 17 de junho passado, em Lahore.<br />Pe. Emmanuel explica à Fides: “Alguns líderes políticos propuseram uma solução, até o momento sem sucesso. É preciso defender o caminho do diálogo sem populismos e abandonar posições radicais. A renúncia do Primeiro-Ministro, segundo a nossa Constituição, pode ocorrer somente se o Parlamento o decidir, e não por que a Praça o invoca”. Por enquanto, o protesto é pacífico, mas, como nota o Diretor da Comissão, “manifestos como ‘o dia da revolução’, anunciado por Qadri, são perigosos. Podem gerar violência e consequências graves, até um golpe militar. O Paquistão optou há alguns anos pela democracia, que ainda é frágil. É necessário tutelá-la. O exército já tomou o poder quatro vezes na história de nossa nação, e não queremos que isto ocorra pela quinta vez”.<br />O sacerdote de Lahore conclui: “É verdade que algumas exigências do protesto são justas, como a luta à pobreza e à corrupção, ou a urgência de fornecer energia elétrica a toda a população. Fazem parte das legítimas exigências de justiça que o governo deve enfrentar, mas a justiça não pode ser distinguida da paz: o caminho a se percorrer é sempre a reivindicação pacífica, no respeito dos direitos de todos e da democracia”. Thu, 28 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/LÍBANO - “Os cristãos e as outras minorias em perigo: deter os violentos”; apelo dos Patriarcas das Igrejas Orientaishttp://www.fides.org/pt/news/38184-ASIA_LIBANO_Os_cristaos_e_as_outras_minorias_em_perigo_deter_os_violentos_apelo_dos_Patriarcas_das_Igrejas_Orientaishttp://www.fides.org/pt/news/38184-ASIA_LIBANO_Os_cristaos_e_as_outras_minorias_em_perigo_deter_os_violentos_apelo_dos_Patriarcas_das_Igrejas_OrientaisBeirute – Numa declaração publicada no final de sua reunião realizada em Bkerké , os Patriarcas e os Chefes das Igrejas Orientais denunciam “os crimens contra a humanidade”, perpetrados pelo Estado Islâmico do Iraque “contra os cristãos, os yazides e outras minoriais”.<br />Os Patriarcas sublinham que a presença cristã está ameaçada em vários países, em particular no Egito, Síria e Iraque. “Os cristãos destes países são vítimas de agressões e crimes terríveis que os obrigam a sair de seus países, onde vivem há mais de mil anos. As sociedades islâmicas e árabes são desta maneira privadas de sua riqueza humana, cultural, científica, econômica e nacional importante”, afirma o documento enviado à Agência Fides.<br />Os patriarcas recordam a “catástrofe agora contra os cristãos no Iraque, contra os de Mossul e dos 13 povoados da Planície de Nínive, assim como contra os yazides e outras minorias”. Depois de ter obrigado ao êxodo 120 mil pessoas, o Daech violou igrejas, mesquitas e santuários, e demoliu moradias abandonadas das pessoas que foram obrigadas a se refugiar nas áreas curdas de Erbil e de Dohouk . Os patriarcas agradecem aos que oferecem ajuda humanitária aos deslocados e pediram uma intervenção decisiva para deter “as ações criminosas” do Daech. Eles pedem às instituições islâmicas para se pronunciarem contra o Daech e grupos parecidos, que com suas ações “danificam muito a imagem do Islã no mundo”. <br />No final da reunião os Patriarcas e Chefes das Igrejas Orientais se encontraram com Dom Gabriele Caccia, Núncio Apostólico em Beirute, e com os Embaixadores dos Estados Unidos, Rússia e Grã-Bretanha, além do representante do Secretário-Geral da ONU no Líbano, e os primeiros Conselheiros das Embaixadas da França e China. Thu, 28 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁFRICA/CAMARÕES - Por trás das eleições de Boko Haram nos Camarões se esconde uma guerrilha local?http://www.fides.org/pt/news/38183-AFRICA_CAMAROES_Por_tras_das_eleicoes_de_Boko_Haram_nos_Camaroes_se_esconde_uma_guerrilha_localhttp://www.fides.org/pt/news/38183-AFRICA_CAMAROES_Por_tras_das_eleicoes_de_Boko_Haram_nos_Camaroes_se_esconde_uma_guerrilha_localIaundê – O Exército dos Camarões afirmou ter rejeitado o ataque da seita islâmica Boko Haram ao longo do confim com a Nigéria, na região de Fotokol . Durante os combates pelo menos 27 membros de Boko Haram morreram.<br />As autoridades de Iaundê declararam ter prestado assistência para a repatriação de mil soldados nigerianos que tinham entrado no território camaronês diante da ofensiva de Boko Haram no lado nigeriano da fronteira.<br />Ao mesmo tempo na imprensa camaronesa, consultada pela Agência Fides, aumenta a hipótese de que no extremo norte dos Camarões, área que confina com a Nigéria, esteja sendo criada uma guerrilha local que usa como fachada o grupo nigeriano para mascarar suas ações. Dentre essas ações estão os sequestros de vários cidadãos estrangeiros ocorridos nos últimos 18 meses, incluindo o de Pe. Georges Vandenbeusch, sacerdote Fidei Donum francês sequestrado em outubro de 2013 e libertado em 31 de dezembro, e o sequestro de dois sacerdotes Fidei Donum italianos e uma religiosa canadense, libertados em 31 de maio. Os sequestros e assaltos atribuídos a Boko Haram nos Camarões foram reivindicados pela seita islâmica.<br />Foram encontrados no local do sequestro de Pe. Vandenbeusch munições de fabricação israelense em vista de criar um grupo guerrilheiro, financiado em parte com os sequestros de cidadãos estrangeiros. Boko Haram teria se encarregado somente de cuidar dos reféns no território nigeriano a mando de seus cúmplices camaroneses. Thu, 28 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/PAQUISTÃO - Mulheres de várias religiões: deter a morte de cristãos e muçulmanos no Iraquehttp://www.fides.org/pt/news/38181-ASIA_PAQUISTAO_Mulheres_de_varias_religioes_deter_a_morte_de_cristaos_e_muculmanos_no_Iraquehttp://www.fides.org/pt/news/38181-ASIA_PAQUISTAO_Mulheres_de_varias_religioes_deter_a_morte_de_cristaos_e_muculmanos_no_IraqueLahore – Uma oração solene e um forte apelo contra a morte de muçulmanos e cristãos inocentes em andamento no Iraque: é o que pede o Conselho para o Diálogo Inter-religioso no Paquistão, fórum iniciado pelo frei capuchinho Pe. Francis Nadeem, em Lahore. Como referido a Fides por Pe. Nadeem, o Conselho organizou nos dias passados um encontro de oraçao ecumênico e inter-religioso, convocando especialmente as mulheres. Mulheres cristãs e muçulmanas rezaram juntas pelas vítimas cristãs e muçulmanas no Iraque e em Gaza, elevando um grito de paz para o Oriente Médio. <br />Segundo Pe. Nadeem, que coordenou o encontro, mulheres representando várias confissões e pertencentes a vários percursos de vida e classes sociais, e mulheres de organizações da sociedade civil participaram em grande número do encontro.<br />Da assembleia ergueu-se um forte apelo às Nações Unidas, aos líderes políticos de vários países, e à comunidade internacional: é preciso tomar medidas urgentes para deter a morte de cristãos e muçulmanos inocentes no Iraque e em Gaza, dentre eles crianças, mulheres, jovens e idosos.<br />A oração abraçou todas essas situações em outras partes do mundo onde está sendo derramado sangue de vítimas inocentes, na certeza de que a vida humana é o dom mais precioso a ser tutelado com todos os meios. Wed, 27 Aug 2014 00:00:00 +0200ÁSIA/IRAQUE - Bispos australianos: condenação do terrorismo, solidariedade e oração pelos perseguidoshttp://www.fides.org/pt/news/38180-ASIA_IRAQUE_Bispos_australianos_condenacao_do_terrorismo_solidariedade_e_oracao_pelos_perseguidoshttp://www.fides.org/pt/news/38180-ASIA_IRAQUE_Bispos_australianos_condenacao_do_terrorismo_solidariedade_e_oracao_pelos_perseguidosSydney – Grande preocupação pela crise humanitária que continua piorando no norte do Iraque. Condenação aberta ao uso do terrorismo em nome da religião: é o que expressam num comunicado os bispos autralianos sobre a crise no Oriente Médio.<br />“Milhares de cristãos foram obrigados a fugir de Mossul, Qaraqosh e outras áres do norte do Iraque pois os militantes do Estado Islâmico os intimam a se converterem ao Islã, caso contrário a morte”, recorda o texto, observando as graves condições de yazidi, muçulmanos xiitas, as minorias étnicas e religiosas no Iraque. Constatando a brutalidade do IS o texto nota que “o Governo iraquiano se demonstrou incapaz de defender seus cidadãos destes ataques”.<br />“Diante desse horror”, prosseguem os bispos, “os nossos corações estão com os que são perseguidos e estão sofrendo por causa de suas convicções. Nós estamos junto de nossos irmãos cristãos do Oriente Médio e convidamos a comunidade internacional a garantir a segurança das populações do norte do Iraque, detendo a limpeza étnica”.<br />Os bispos agradecem ao Governo australiano pela decisão de oferecer ajuda humanitária ao Iraque e afirmam que “a Austrália tem um papel importante a desempenhar como membro do Conselho de Segurança das Nações Unidas para garantir o futuro do povo iraquiano”.<br />“Solidários ao povo iraquiano”, conclui o apelo dos bispos, “pedimos aos fiéis católicos de toda a Austrália a fazerem a Deus uma oração especial pelo povo iraquiano neste fim de semana, agradecendo pela grande fé que demonstra e pedindo ao Senhor para proteger e velar todos os deslocados e os que sofrem”. Wed, 27 Aug 2014 00:00:00 +0200