Fides News - Portuguese (Portugal)http://www.fides.org/As notícias da Agência Fidespt ÁFRICA/BENIN - Renúncia do Arcebispo de Cotonou e nomeaçãohttp://www.fides.org/pt/news/60323-AFRICA_BENIN_Renuncia_do_Arcebispo_de_Cotonou_e_nomeacaohttp://www.fides.org/pt/news/60323-AFRICA_BENIN_Renuncia_do_Arcebispo_de_Cotonou_e_nomeacaoCidade do Vaticano – O Santo Padre Francisco, em 25 de junho de 2016, acolheu a renúncia ao governo pastoral da Arquidiocese de Cotonou , apresentada por Dom Antoine Ganyé, em conformidade ao can. 401 § 1 do Código de Direito Canônico. O Santo Padre nomeou Arcebispo de Cotonou o Pe. Roger Houngbédji, O.P., Docente na Universidade Católica da África do Oeste e no Instituto dominicano Sto. Tomás de Aquino em Yamoussoukro .<br />O Pe. Roger Houngbédji, O.P., originário de Porto-Novo, nasceu em 14 de maio de 1963. Entrou para a Ordem dos Padres Dominicanos em 1984. Emitiu a profissão perpétua em 1989 e foi enviado a Lyon para o primeiro ciclo de estudos teológicos. Prosseguiu o segundo ciclo no ICAO , obtendo a Licenciatura. Depois se formou em Teologia bíblica na Universidade de Friburgo . Foi ordenado sacerdote em 8 de agosto de 1992.<br />Depois da ordenação sacerdotal, desempenhou os seguintes cargos: Mestre dos Estudantes em Abidjã, Costa do Marfim ; Mestre dos Estudantes em Iaundé, Camarões ; Responsável pelos Estudos e Assistente do Prior regional ; Assistente do Mestre Geral para África ; Prior Regional do Vicariato Regional da África do Oeste ; Vice-Provincial da nova Vice-Província da África do Oeste por dois mandatos . É docente na Universidade Católica da África do Oeste em Abidjã, e no Instituto dominicano S. Tomás de Aquino em Yamoussoukro . Além disso, foi reeleito para um segundo mandato para o cargo de Presidente da Conferência dos Superiores Maiores da Costa do Marfim. <br />Sat, 25 Jun 2016 19:36:10 +0200ÁSIA/ÍNDIA - Demissão do Bispo de Guntur e nomeação do sucessorhttp://www.fides.org/pt/news/60324-ASIA_INDIA_Demissao_do_Bispo_de_Guntur_e_nomeacao_do_sucessorhttp://www.fides.org/pt/news/60324-ASIA_INDIA_Demissao_do_Bispo_de_Guntur_e_nomeacao_do_sucessorCidade do Vaticano – O Santo Padre Francisco, em 25 de junho de 2016, acolheu a renúncia ao governo pastoral da diocese de Guntur apresentada por Dom Gali Bali, em conformidade ao can. 401 § 1 do Código de Direito Canônico. O Santo Padre nomeou Bispo da Diocese de Guntur o Rev. Bhagyaiah Chinnabathini, até então Pároco do Infant Jesus Shrine di Miryalaguda, Nalgonda.<br />O novo Bispo nasceu em 19 de setembro de 1956, em Motakondur-Yadagirigutta Mandal, na diocese de Nalgonda. Frequentou o Seminário menor de Warangal e estudou Filosofia e Teologia no St. John’s Regional Seminary de Hyderabad. Obteve o Bacharelado em Letras na Osmania University, Hyderabad; um Bacharelado em Educação no St. Alphonsus College of Education, Hyderabad; um Master em Letras na Osmania University, Hyderabad; um Master em Educação na Annamalai University, Chennai. Foi ordenado sacerdote em 3 de maio de 1983.<br />Depois da ordenação sacerdotal desempenhou os seguintes cargos: Assistente paroquial de St. Mary’s Church, Lingampally ; Pároco de Annunciation Church, Silveru, e Christ the King Church, Jedcherla ; Pároco de Sacred Heart Church, Bhirmaram ; Pároco de Holy Rosary Church, Kethepally ; Capelão em Herford, Alemanha ; Diretor do Kolping Centre e Responsável Diocesano do Diocesan Youth Centre de Nalgonda ; Pároco de St. Joseph’s Church, Kodad ; Assistente paroquial na Inglaterra ; Vigário paroquial na Alemanha ; Pároco de St. Mary’s Church, Hannover, Alemanha ; desde 2011: Pároco do Infant Jesus Shrine de Miryalaguda, diocese de Nalgonda. Sat, 25 Jun 2016 18:23:38 +0200ÁSIA/VIETNÃ - Nomeação do Auxiliar de Thanh-Pho Ho Chi Minhhttp://www.fides.org/pt/news/60325-ASIA_VIETNA_Nomeacao_do_Auxiliar_de_Thanh_Pho_Ho_Chi_Minhhttp://www.fides.org/pt/news/60325-ASIA_VIETNA_Nomeacao_do_Auxiliar_de_Thanh_Pho_Ho_Chi_MinhCidade do Vaticano – O Santo Padre Francisco, em 25 de junho de 2016, nomeou Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Thanh-Pho Ho Chi Minh o Rev. Joseph Do Manh Hung, até então Chanceler e Secretário do Arcebispo da mesma sede, conferindo-lhe a sede titular de Liberalia.<br />O Rev. Joseph Do Manh Hung nascem em 15 de setembro de 1957, na cidade de Saigon . De 1968 a 1976 estudou no Seminário Menor de São José, na Arquidiocese de Saigon e, de 1976 a 1982 fez formação eclesiástica no Seminário maior de S. José, Arquidiocese de Ho Chi Minh City. De 1993 a 1998, realizou estudos acadêmicos de Teologia em Paris, na França, no Institut Catholique, obtendo o doutorado.<br />Depois da sua ordenação presbiteral ocorrida em 30 de agosto de 1990, desempenhou os seguintes cargos: Vigário paroquial e docente no Seminário maior ; Diretor Espiritual e docente no Seminário maior ; Vice-Reitor do Seminário maior ; desde 2001: Responsável pela Associação sacerdotal do Prado; desde 2005: Secretário da Comissão Episcopal para o Clero e os Seminaristas; desde 2014: Chanceler da Arquidiocese e Secretário do Arcebispo. Sat, 25 Jun 2016 18:22:32 +0200ÁFRICA/QUÊNIA - Os Bispos aprovam o acordo entre maioria e oposição para reformar a comissão eleitoralhttp://www.fides.org/pt/news/60322-AFRICA_QUENIA_Os_Bispos_aprovam_o_acordo_entre_maioria_e_oposicao_para_reformar_a_comissao_eleitoralhttp://www.fides.org/pt/news/60322-AFRICA_QUENIA_Os_Bispos_aprovam_o_acordo_entre_maioria_e_oposicao_para_reformar_a_comissao_eleitoralNairóbi - “É uma medida que demonstra maturidade política e respeito da Constituição, das instituições e das leis”, afirmam os Bispos do Quênia, numa declaração assinada pelo Secretário-Geral da Kenya Conference of Catholic Bishops , pe. Daniel Kimutai Rono, que saúda a decisão do governo e da coalizão dos partidos de oposição, Coalition for Reforms and Democracy , de trabalhar juntos no Parlamento para reformar a comissão eleitoral e garantir a realização pacífica das eleições presidenciais e política em 2017.<br />Em 22 de junho, a maioria presidencial e a CORD aprovaram uma moção para a formação de um Comitê parlamentar conjunto, formado por 14 membros, para resolver as disputas sobre a Independent Electoral and Boundaries Commission , a Comissão eleitoral independente, recentemente no centro de polêmicas por parte da CORD, que acusa alguns de seus membros de serem favoráveis ao partido do Presidente Uhuru Kenyatta e de corrupção.<br />O Comitê deverá apresentar em até 30 dias uma proposta de revisão da IEBC, que deverá ser discutida pela Câmera e pelo Senado.<br />Os Bispos garantem sua oração “para que a voz da razão prevaleça, enquanto o Comitê inicia os seus trabalhos. Ao mesmo tempo, convidamos todos os cidadãos e as pessoas de boa vontade a apoiar os esforços dos membros do Comitê”, conclui o comunicado dos Bispos. Sat, 25 Jun 2016 18:16:43 +0200ÁFRICA/RD CONGO - União Europeia e EUA aumentam as pressões sobre Kabila para que deixe o poder até o final do anohttp://www.fides.org/pt/news/60321-AFRICA_RD_CONGO_Uniao_Europeia_e_EUA_aumentam_as_pressoes_sobre_Kabila_para_que_deixe_o_poder_ate_o_final_do_anohttp://www.fides.org/pt/news/60321-AFRICA_RD_CONGO_Uniao_Europeia_e_EUA_aumentam_as_pressoes_sobre_Kabila_para_que_deixe_o_poder_ate_o_final_do_anoKinshasa – Aumentam as pressões por parte dos Estados Unidos e da União Europeia para que se realizem até o final do ano as eleições presidenciais e políticas na República Democrática do Congo. Um comunicado publicado em 23 de junho, enviado a Fides, refere que no decorrer da 31a sessão da Assembleia Parlamentar paritária União Europeia- ACP realizada de 13 a 15 de junho, os deputados europeus e seus homólogos de África, Caribe e Pacífico aprovaram por unanimidade uma resolução que condena todos os atos de violência política e pede “a realização regular e nos tempos oportunos das eleições, que são cruciais para a estabilidade e o desenvolvimento a longo prazo do país e de toda a região”. <br />Os deputados destacaram que o Presidente Joseph Kabila, no poder desde 2001, deve se demitir até 20 de dezembro de 2016, já que o mandato do Presidente da RDC é limitado a dois mandatos segundo a Constituição. “Não tendo ainda declarado que se demitirá, o Presidente Kabila contribui a aumentar as tensões políticas no país”, afirma o comunicado.<br />A administração estadunidense anunciou em 23 de junho que impôs sanções financeiras contra o chefe de polícia de Kinshasa por suas responsabilidades nas violências e nos desaparecimentos de pessoas que se verificaram na capital da RDC. <br />O general Célestin Kanyama é acusado “de ser responsável ou cúmplice de atos violentos e de sequestros que tiveram como alvo civis, mulheres e crianças”, afirma John Smith, responsável pelo escritório do Departamento do Tesouro estadunidense, encarregado de supervisionar as sanções financeiras contra as pessoas estrangeiras decretadas pelo governo de Washington.<br />O general Kanyama dirigia a polícia de Kinshasa quando, em janeiro de 2015, pelo menos 40 pessoas foram assassinadas em confrontos com as forças de ordem durante manifestações convocadas pela oposição.<br />Um porta-voz do governo congolês definiu as sanções americanas “um atentado à nossa soberania e uma tentativa de se substituir a ela”. <br />Também na União Europeia se discute a adoção de sanções contra personalidades próximas ao Presidente Kabila para obrigá-lo a deixar o poder. Os mais favoráveis são Grã-Bretanha e Bélgica, enquanto França e Itália preferem impor sanções somente para punir os responsáveis de repressões violentas nas manifestações, ou somente quando acabar o mandato de Kabila se este não renunciar. A posição de Londres, depois do êxito do referendo de 23 de junho que sanciona a saída da Grã-Bretanha da UE, aparece porém enfraquecida. Sat, 25 Jun 2016 18:15:43 +0200AMÉRICA/COLÔMBIA - A Universidade: local privilegiado para a construção da pazhttp://www.fides.org/pt/news/60320-AMERICA_COLOMBIA_A_Universidade_local_privilegiado_para_a_construcao_da_pazhttp://www.fides.org/pt/news/60320-AMERICA_COLOMBIA_A_Universidade_local_privilegiado_para_a_construcao_da_pazBogotá – A paz requer que as pessoas sejam formadas e informadas, para que não esperem por frutos que jamais poderão chegar e o processo seja colocado em risco. A universidade, portanto, tem um lugar prioritário na construção da paz, e as universidades católicas na Colômbia representam uma força importante não somente para a Igreja, mas para toda a sociedade. Foi o que reiterou o Secretário-Geral da Federação Internacional das Universidades Católicas, padre Guy-Réal Thivierge, durante um encontro com os Reitores das Universidades Católicas da Colômbia, que se realizou na sede da Conferência Episcopal Colombiana em 23 de junho.<br />Segundo as informações divulgadas pela CEC, enviadas a Fides, durante o encontro o pe. Thivierge e a prof. Rosa Aparicio apresentaram um estudo sobre a cultura juvenil nas universidades católicas, realizado em 60 universidades de 35 países de quatro continentes. No que diz respeito à cultura juvenil e à construção da paz, pe. Thivierge destacou que este objetivo será alcançado com uma formação de qualidade, que permita aos jovens “irem além de suas exigências e se empenhar em realidades diferentes de suas sociedades" .<br />A prof. Rosa Aparicio destacou ainda que um dos resultados da pesquisa mostra que os jovens têm pouca propensão em assumir uma atitude de transformação da sociedade, enquanto suas prioridades são mais pessoais do que sociais. Um problema sem dúvida a levar em consideração para a construção da paz. <br /><br />Sat, 25 Jun 2016 18:14:17 +0200AMÉRICA/ARGENTINA - Droga e narcotráfico: urgência pastoral, um dos problemas mais graves do nosso tempohttp://www.fides.org/pt/news/60319-AMERICA_ARGENTINA_Droga_e_narcotrafico_urgencia_pastoral_um_dos_problemas_mais_graves_do_nosso_tempohttp://www.fides.org/pt/news/60319-AMERICA_ARGENTINA_Droga_e_narcotrafico_urgencia_pastoral_um_dos_problemas_mais_graves_do_nosso_tempoSantiago del Estero – “O fenômeno da droga é uma urgência pastoral porque atinge todos aqueles que fazem parte desta grande família humana . Os pais, mas também sacerdotes, religiosos e leigos, são as testemunhas e os primeiros protagonistas que tentam entender, intervir e propor estruturas comunitárias a fim de promover a dignidade da pessoa humana”.<br />É um trecho da mensagem que Dom Vicente Bokalic CM, Bispo de Santiago del Estero, e Dom Melitón Chávez, Bispo de Añatuya, publicaram por ocasião do Dia Mundial de Luta à Droga e ao Narcotráfico, convocado pelas Nações Unidas, que se celebra em 26 de junho. <br />A mensagem, enviada à Agência Fides, destaca que “a droga é o fruto e, ao mesmo tempo, a causa de um grande declínio ético e de uma crescente corrupção da vida social, que corrói o próprio tecido da moralidade, das relações interpessoais e da convivência civil”. Este fenômeno “requer uma resposta forte e firme para deter a degradação que deriva”, destaca o texto, recordando que “não é absurdo dizer que em qualquer momento ele pode bater à porta de nossas casas e atingir um membro da nossa família”. <br />O consumo de droga, no entanto, não se reduz somente a “um comportamento individual”, mas se desenvolveram “na total impunidade, uma economia clandestina e uma criminalidade que têm como finalidade produzir e comercializar a droga em larga escala”. Os jovens são os potenciais destinatários, que “com frequência a nossa sociedade idolatra e, ao mesmo tempo, despreza”, enquanto não os ajuda a crescer, a encontrar seu lugar, a descobrir o sentido da vida e a ter esperança no futuro.<br />Os Bispos prosseguem: “Os nossos filhos, irmãos e amigos nos pedem gritando ‘por favor… façam alguma coisa!!!’ Na maioria das vezes, são gritos silenciosos… O problema da droga é um dos mais graves do nosso tempo”.<br />Por fim, Dom Vicente Bokalic e Dom Melitón Chávez recordam que “a Igreja, como uma mãe amorosa, cuida da vida dos seus filhos. Essas pessoas destruídas devem ser consideradas não um problema, mas pessoas; não um caso a analisar, mas um homem a amar; não um indivíduo que deve ser endoutrinado e condicionado, mas ajudado a descobrir as próprias riquezas”. E lançam então um apelo: “Precisamos nos reunir para realizar este empenho. Trabalharmos todos: Igreja, Estado, organizações sociais, adultos e jovens, escolas…. famílias!!! Vamos recuperar juntos o significado autêntico da nossa vida”. Sat, 25 Jun 2016 18:13:18 +0200VATICANO - Declaração do Diretor da Sala Imprensa da Santa Séhttp://www.fides.org/pt/news/60318-VATICANO_Declaracao_do_Diretor_da_Sala_Imprensa_da_Santa_Sehttp://www.fides.org/pt/news/60318-VATICANO_Declaracao_do_Diretor_da_Sala_Imprensa_da_Santa_SeCidade do Vaticano - O Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, pe. Federico Lombardi, SJ, em 23 de junho fez a seguinte declaração aos jornalistas:<br />“Em resposta aos pedidos de notícias de vários jornalistas, posso dizer o seguinte:<br />1) Quanto às recentes declarações atribuídas a Dom Taddeo Ma Daqin, Bispo Auxiliar de Xangai, a Santa Sé soube delas através do seu blog e das agências de notícias. A propósito, não se há informações diretas.<br />2) Qualquer especulação em mérito a um suposto papel da Santa Sé é fora de lugar.<br />3) A questão pessoal e eclesial de Dom Ma Daqin, assim como a de todos os católicos chineses, é acompanhada com particular atenção e solicitude pelo Santo Padre, que os inclui cotidianamente na oração.” <br />Sat, 25 Jun 2016 18:09:14 +0200ÁSIA/TURQUIA - Armênios protestam para pedir a eleição de um novo Patriarcahttp://www.fides.org/pt/news/60317-ASIA_TURQUIA_Armenios_protestam_para_pedir_a_eleicao_de_um_novo_Patriarcahttp://www.fides.org/pt/news/60317-ASIA_TURQUIA_Armenios_protestam_para_pedir_a_eleicao_de_um_novo_PatriarcaIstambul – Com uma iniciativa sem precedentes, um grupo de cristãos turcos da Igreja armênia apostólica organizou um protesto na quinta-feira, 23 de junho, em Istambul, diante da sede de seu Patriarcado, para pedir a eleição de um novo Patriarca. O episódio revela o grau de tensão vivido dentro da comunidade armênica presente na Turquia no que diz respeito à guia do Patriarcado. <br />Desde 2008, o Patriarca armênio de Constantinopla, Mesrob II, foi acometido pelo mal de Alzheimer num grau que o reduziu rapidamente ao estado vegetativo. Segundo as leis turcas, o cargo de Patriarca é vitalício, e um novo Patriarca armênio não pode ser eleito até que seu predecessor ainda esteja vivo. Desde 2008, para a administração ordinária do Patriarcado o Arcebispo Aram Atesyan exercita as funções patriarcais em qualidade de Vigário patriarcal. Mas nos últimos tempos as críticas e o mal-estar em relação a ele se acentuaram, sobretudo depois da carta enviada por ele ao Presidente turco Tayyip Erdogan, em que o Vigário patriarcal expressava o “seu pesar e o dos armênios” pela resolução votada pelo Parlamento alemão sobre o reconhecimento do Genocídio armênio, definido por ele como uma tentativa de instrumentalizar as tragédias do povo armênio para interesses de “política internacional” . <br />Segundo um comunicado, enviado à Agência Fides, o grupo de manifestantes depositou um coroa preta diante do Patriarcado armênio, com a escrita: "Queremos eleger nós mesmos o nosso Patriarca". As leis canônicas em vigor dispõem que a eleição de um novo Patriarca possa ocorrer somente em caso de morte ou de renúncia voluntária do seu predecessor. . <br />Fri, 24 Jun 2016 21:29:04 +0200ÁSIA/PAQUISTÃO - Assassinado um cantor sufi: dor e condenação dos Bisposhttp://www.fides.org/pt/news/60316-ASIA_PAQUISTAO_Assassinado_um_cantor_sufi_dor_e_condenacao_dos_Bisposhttp://www.fides.org/pt/news/60316-ASIA_PAQUISTAO_Assassinado_um_cantor_sufi_dor_e_condenacao_dos_BisposKarachi – “Profunda dor e condenação pelo enésimo assassinato que abala a nação”: num comunicado enviado a Fides, a Comissão "Justiça e Paz" da Conferência Episcopal do Paquistão se diz "profundamente entristecida” pelo assassinado ocorrido em 22 de junho. Foi assassinado em Karachi Amjad Sabri, famoso cantor muçulmano, expoente do qawwali, estilo musical que deriva da escola islâmica do sufismo. O homem foi atingido por tiros disparados contra o seu carro por dois meliantes, enquanto se dirigia para um estúdio televisivo para gravar um programa. O assassinato foi reivindicado pelos talibãs paquistaneses, que acusaram o músico de ser blasfemo. Sabri era muito conhecido inclusive fora do país, por sua voz e pela mensagem de paz dos seus textos. <br />O presidente da Comissão "Justiça e Paz", Pe. Emmanuel Yousaf Mani, e o diretor executivo, Cecil Chaudhry, numa declaração conjunta expressam solidariedade e recordam “a extraordinária contribuição de Sabri para a arte do qawwali e do sufismo”. A Comissão evidencia que "a música pode superar barreiras, criando paz na sociedade” e elogia “os esforços de Sabri em promover a paz através da sua música”. <br />"Precisamos permanecer unidos contra as forças que pretendem prejudicar a nação", afirma a nota da Comissão, convidando o governo do Paquistão "a adotar medidas concretas para levar os responsáveis à Justiça". Também o Bispo Joseph Arshad "reza pela família, pedindo a Deus que conceda a força para superar esta perda irreparável". <br />Fri, 24 Jun 2016 21:28:23 +0200OCEANIA/ILHAS MARIANAS - Nomeação do Bispo de Chalan Kanoahttp://www.fides.org/pt/news/60314-OCEANIA_ILHAS_MARIANAS_Nomeacao_do_Bispo_de_Chalan_Kanoahttp://www.fides.org/pt/news/60314-OCEANIA_ILHAS_MARIANAS_Nomeacao_do_Bispo_de_Chalan_KanoaCidade do Vaticano – O Papa Francisco, em 24 de junho de 2016, nomeou Bispo da Diocese de Chalan Kanoa , nas Ilhas Marianas Setentrionais, o Sacerdote Ryan Jimenez, até então Administrador Apostólico da mesma sede.<br /> O novo Bispo nasceu em 18 de dezembro de 1971 em Dumaguete City, nas Filipinas, entrou no San Jose Seminary em Quezon e estudou filosofia na Manila University. Como seminarista maior para a diocese de Saipan prosseguiu os estudos nos Estados Unidos, no St. Patrick’s Seminary and University a Menlo Park, na Califórnia, obtendo um Master em 2003. Em 8 de dezembro de 2003 foi ordenado sacerdote para a diocese de Chalan Kanoa.<br />Depois da ordenação desempenhou os seguintes cargos: 2003-2007: Vigário paroquial na Kristo Rai Parish em Garapan, Saipan; 2003-2010: Secretário particular do Bispo; 2005-2007: Diretor espiritual do movimento Cursillo; desde 2007: Reitor da Our Lady of Mount Carmel Cathedral; desde 2008: Presidente da Comissão diocesana para a herança cultural da Igreja; desde 2009: Superintendente das Escolas católicas e Diretor do Diocesan Publications Office; 2009-2010: Chanceler diocesano; desde 2010: Administrador Apostólico da mesma diocese. Fri, 24 Jun 2016 21:27:45 +0200ÁSIA/MIANMAR - Nomeação do Arcebispo de Taunggyihttp://www.fides.org/pt/news/60313-ASIA_MIANMAR_Nomeacao_do_Arcebispo_de_Taunggyihttp://www.fides.org/pt/news/60313-ASIA_MIANMAR_Nomeacao_do_Arcebispo_de_TaunggyiCidade do Vaticano – O Papa Francisco, em 24 de junho de 2016, nomeou Arcebispo da Arquidiocese de Taunggyi Dom Basilio Athai, transferindo-o do cargo de Auxiliar da mesma circunscrição e conferindo-lhe a sede titular de Tasaccora.<br /> O novo Arcebispo nasceu em 22 de julho de 1956 em Kyekadaw , diocese de Loikaw . Depois de estudar nas escolas locais, obteve a Licenciatura em Geografia na Universidade estatal de Taunggyi. Depois da primeira formação eclesiástica recebida no Seminário menor Sta. Teresa em Taunggyi, completou Filosofia e Teologia no Seminário maior de Yangon. Foi ordenado sacerdote em 1° de abril de 1984 e incardinado na diocese de Loikaw.<br /> Depois da ordenação sacerdotal desempenhou os seguintes cargos: 1984-1986: Vigário paroquial de Hwary ; 1986-1989: Vigário paroquial da Catedral de Taunggyi; 1989-1991: Professor de Filosofia no Seminário maior da Arquidiocese de Mandalay; 1991-1993: Pároco de Dorokohu ; 1993-1996: Licenciatura em Teologia Bíblica na Pontifícia Universidade Urbaniana em Roma; 1996-2005: Pároco de Nanattaw ; 2005-2008: Reitor do Seminário maior propedêutico St. Michael di Taunggyi.<br />Em 21 de junho de 2008 foi nomeado Bispo titular de Tasaccora e Auxiliar de Taunggyi. Desde 12 de abril de 2015 é Administrador Apostólico da mesma Arquidiocese. <br /><br /><br />Fri, 24 Jun 2016 21:27:12 +0200AMÉRICA/MÉXICO - Diálogo público e projeto educativo compartilhado: é o que pedem os Bispos para resolver o conflito com os professoreshttp://www.fides.org/pt/news/60311-AMERICA_MEXICO_Dialogo_publico_e_projeto_educativo_compartilhado_e_o_que_pedem_os_Bispos_para_resolver_o_conflito_com_os_professoreshttp://www.fides.org/pt/news/60311-AMERICA_MEXICO_Dialogo_publico_e_projeto_educativo_compartilhado_e_o_que_pedem_os_Bispos_para_resolver_o_conflito_com_os_professoresOaxaca – A Comissão Episcopal nacional para a Pastoral Social considera que o diálogo para enfrentar e resolver o conflito com os professores de Oaxaca deve ser público, e além disso é preciso definir um projeto educativo com a participação de todos. Passadas cinco semanas de protestos na região de Oaxaca, com vários mortos e feridos e muitas detenções , ainda não se vê uma solução para o problema dos professores na região.<br />Comentando o comunicado, enviado a Fides, o Bispo de Nogales, Dom José Leopoldo González González, Presidente da Comissão, e o Arcebispo de Acapulco, Dom Carlos Garfias Merlos, destacam que o diálogo público deve incluir representantes das famílias, das escolas, dos educadores, dos empresários, dos dirigentes, da mídia e das Igrejas.<br />Nesta troca de opiniões, é necessário colocar “sempre a pessoa humana e a sua dignidade como o fundamento e a finalidade de cada política e ação educativa". Segundo os Bispos, para a definição de um projeto educativo é essencial criar alianças, construir redes e despertar sinergias entre todos os setores envolvidos. <br />Os professores protestam pela reforma da instrução que, segundo a imprensa, foi preparada sem ouvi-los, sem diálogo ou negociação com o sindicato. O ponto mais crítico é a avaliação dos professores e dos resultados obtidos, a fim de aumentar a qualidade educativa e a meritocracia. Segundo os professores, esta avaliação não considera as diferenças sociais entre os Estados. Por exemplo, sobre o conhecimento da língua espanhola e das técnicas modernas, em Estados rurais e em regiões indígenas o espanhol é pouco usado e os meios técnicos modernos não existem, portanto os professores que trabalham naquelas regiões não podem ser considerados no mesmo nível que os da capital e ou de outros Estados.<br /> <br /><br />Fri, 24 Jun 2016 21:26:22 +0200AMÉRICA/COLÔMBIA - Os Bispos: “Um evento histórico, primeiro passo para construir a paz tão aguardada”http://www.fides.org/pt/news/60309-AMERICA_COLOMBIA_Os_Bispos_Um_evento_historico_primeiro_passo_para_construir_a_paz_tao_aguardadahttp://www.fides.org/pt/news/60309-AMERICA_COLOMBIA_Os_Bispos_Um_evento_historico_primeiro_passo_para_construir_a_paz_tao_aguardadaBogotá – A Conferência Episcopal Colombiana reconhece o acordo definitivo de Paz entre o governo colombiano e as FARC como "um evento histórico para o país, que se prevê possa ser o primeiro passo para construir a paz tão aguardada pelos colombianos, com a garantia do respeito pelos direitos humanos e a promoção da justiça em todos os ângulos do país", se lê no comunicado publicado em 23 de junho, enviado a Fides. Os Bispos convidam o governo a "oferecer uma pedagogia para a paz, uma informação clara e autêntica para superar as dúvidas diante desta decisão".<br /> "A Igreja Católica, que esteve ao lado das vítimas por todo o tempo da guerra, acompanha também este momento histórico da Colômbia, a fim de continuar a oferecer o seu serviço para que os governantes construam uma nação que respeite a democracia, a liberdade e os direitos humanos e favoreça os processos de perdão, de reconciliação e de paz", conclui o texto.<br />Depois de quatro anos de negociações, o governo colombiano e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia assinaram em 23 de junho um acordo de paz que põe fim a mais de 50 anos de conflito. Estavam presentes na cerimônia em Havana o Presidente colombiano Santos, o Secretário-Geral da Organização das Nações Unidas, Ban Ki-moon, os Presidentes Michelle Bachelet do Chile, Raul Castro de Cuba, Nicolas Maduro da Venezuela, e o Ministro das Relações Exteriores da Noruega, Borge Brende.<br />Entre os pontos mais importantes desse acordo está a tabela para o definitivo cessar fogo bilateral e o abandono das armas por parte do grupo guerrilheiro, que será verificado pelas Nações Unidas através do seu Conselho de Segurança. <br /> <br />Fri, 24 Jun 2016 21:25:30 +0200ÁFRICA/ÁFRICA DO SUL - Perplexidade da Igreja sobre as novas medidas sobre a migraçãohttp://www.fides.org/pt/news/60315-AFRICA_AFRICA_DO_SUL_Perplexidade_da_Igreja_sobre_as_novas_medidas_sobre_a_migracaohttp://www.fides.org/pt/news/60315-AFRICA_AFRICA_DO_SUL_Perplexidade_da_Igreja_sobre_as_novas_medidas_sobre_a_migracaoJohannesburg – Nota-se uma abertura em rever a política migratória e para os refugiados, mas deve ser realizada concretamente, considerando que o diabo se esconde nos detalhes. É o sentido da nota recebida pela Agência Fides, publicada pela Southern African Catholic Bishops’ Conference e pelo Jesuit Refugee Service , depois de um encontro com o Ministro do Interior da África do Sul, Malusi Gigaba, por ocasião do recente Dia Mundial do Refugiado. <br />O Ministro reconheceu a contribuição positiva levada ao país pelos refugiados e a necessidade de que os sul-africanos tomem consciência disto. Ao mesmo tempo, condenou a xenofobia e a tentação de atribuir aos refugiados a responsabilidade pelos males do país.<br />O que suscita mais perplexidade na Igreja é “o desejo de uma realística separação das políticas para migrantes e os refugiados, de modo especial os migrantes de países mais pobres que buscam melhores oportunidades e que são vistos como ‘quase-refugiados’ em seu perfil socioeconômico, mas a natureza de suas exigências é diferente. Este é um desafio formidável do ponto de vista político e operacional”, sublinha a nota. <br />A distinção entre refugiados e migrantes econômicos será feita através de duas atitudes. A primeira é a criação de um “status indefinido de refugiado que encerra a possibilidade de se obter a residência permanente ou cidadania” e outra “é a criação de uma forma de documento de identidade SADC para facilitar a movimentação entre os países da comunidade e a política de separar os migrantes econômicos das preocupações humanitárias mais imediatas para os refugiados”.<br />O temor da Igreja é que com tais medidas, ao invés de promover a integração dos refugiados, se cria uma “classe permanente de “outros”, distinta do resto da população. <br />La SADC é formada por Angola, Botsuana, República Democrática do Congo, Lesoto, Madagascar, Malavi, Madagascar, Maurício, Moçambique, Namíbia, África do Sul, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue. Muitos habitantes dos outros países da SADC vão à África do Sul em busca de oportunidades profissionais.<br /> <br />Fri, 24 Jun 2016 20:06:45 +0200ÁSIA/SÍRIA - Arcebispo sírio: o Papa tem razão, é enganosa a definição de ‘genocídio’ aplicada à condição dos cristãos no Oriente Médiohttp://www.fides.org/pt/news/60312-ASIA_SIRIA_Arcebispo_sirio_o_Papa_tem_razao_e_enganosa_a_definicao_de_genocidio_aplicada_a_condicao_dos_cristaos_no_Oriente_Mediohttp://www.fides.org/pt/news/60312-ASIA_SIRIA_Arcebispo_sirio_o_Papa_tem_razao_e_enganosa_a_definicao_de_genocidio_aplicada_a_condicao_dos_cristaos_no_Oriente_MedioHassakè - “O que o Papa disse sobre a definição de ‘genocídio’, aplicada aos sofrimentos dos cristãos no Oriente Médio é belo e útil, porque nos leva à realidade e ajuda a não perder o olhar cristão sobre a experiência do martírio, que acompanha todo o caminho da Igreja neste mundo”. Assim, o Arcebispo sírio Jacques Behnan Hindo, que administra a Arquieparquia sírio-católica de Hassakè Nisibi, à luz de sua experiência pessoal no cenário da guerra síria confirma a lúcida consideração expressa pelo Papa Francisco em 18 de junho passado, durante seu encontro com os alunos do Colégio universitário Vila Nazaré, em Roma. <br />“Quando eu não gosto, e quero dizê-lo claramente”, disse, na ocasião, o Bispo de Roma, “quando se fala de um genocídio de cristãos no Oriente Médio”, acrescentando que se usa um “reducionismo sociológico” quando se utiliza a categoria de genocídio para indicar “aquilo que é um mistério da fé, um martírio” e se fazem campanhas para definir como “genocídio” a experiência da perseguição, “que leva aos cristãos à plenitude de sua fé”. Também para o Arcebispo sírio Hindo, falando com a Agência Fides - as campanhas e mobilizações políticas para que se reconheça como Genocídio as tragédias que tocam os cristãos representam uma forma de secularização e terminam por dissipar na consciência de muitos a percepção própria do martírio, assim como sempre foi vido e reconhecido na Igreja. Os mártires participam dos sofrimentos de Cristo, e o próprio Cristo os leva a si, no momento de seu sofrimento, como acontecia nas grandes perseguições dos primeiros tempos”.<br />Em alguns casos, as chamadas “milícias cristãs”, atuantes seja na Síria seja no Iraque setentrional, visam obter, em pouco tempo, financiamentos e abastecimentos militares do Congresso dos Estados Unidos. Tais financiamentos – observa a mídia estadunidense – representariam um efeito potencialmente concreto da declaração com a qual o próprio Congresso dos EUA definiu como “genocídio” as violências sofridas pelos cristãos por parte dos militantes do autoproclamado Estado Islâmico . “Precisamente este possível desdobramento”, frisa a respeito o Arcebispo Jacques Behnan Hindo, “confirma a natureza instrumental e os efeitos negativos de certas campanhas usadas como justificação para criar as chamadas milícias cristãs. Assim, também o cristianismo é reduzido à ideologia de guerra usada por grupos tribais, enquanto os cristãos, no caminho da história, e mesmo em meio a tantas contradições, reconheceram que é preciso deixar nas mãos do Estado e das instituições civis o uso da força para defender o povo, a partir dos mais fracos. Então, as palavras do Papa sobre isto também são uma ajuda para voltar sempre à verdadeira natureza do cristianismo, liberando-nos de todas as suas limitações ideológicas”.<br /> . <br /><br />Fri, 24 Jun 2016 20:01:21 +0200ÁFRICA/NIGÉRIA - Bispos em visita de solidariedade à diocese de Maiduguri, marcada pelas violências de Boko Haramhttp://www.fides.org/pt/news/60310-AFRICA_NIGERIA_Bispos_em_visita_de_solidariedade_a_diocese_de_Maiduguri_marcada_pelas_violencias_de_Boko_Haramhttp://www.fides.org/pt/news/60310-AFRICA_NIGERIA_Bispos_em_visita_de_solidariedade_a_diocese_de_Maiduguri_marcada_pelas_violencias_de_Boko_HaramAbuja - “Estamos em visita de solidariedade ao povo e à Igreja de Borno para conhecer de perto as devastações provocadas pela ação de Boko Haram” disse Dom Gabriel Leke Abegunrin, Arcebispo de Ibadan e Administrador Apostólico de Osogbo, que liderou uma delegação de dioceses nigerianas em visita de solidariedade, em 21 de junho, à diocese de Maiduguri, capital do estado de Borno, profundamente penalizada pelas violências da seita islâmica Boko Haram.<br />Segundo informa à Agência Fides pe. Gideon Obasogie, Diretor de Comunicações Sociais da diocese de Maiduguri, a delegação era composta por Dom Gabriel Leke Abegunrin, Dom Emmanuel A. Badejo, Bispo de Oyo, pe. Michael Okodua, Vigário Geral de Osogbo e pe. Martin De Cross C.M.F.<br />Em sua homilia, Dom Badejo enalteceu a coragem evangélica dos cristãos de Maiduguri, notando que se o Ordinário local, Dom Oliver Dashe Doeme parece tranquilo, encorajado e cheio de esperança, inclusive nos momentos mais dolorosos, isto se deve a seus fiéis, que o apoiaram e encorajaram com o seu exemplo.<br />Dom Doeme agradeceu a visita frisando que é uma demonstração concreta da solidariedade cristã. Uma solidariedade que se concretizou no encontro com os desalojados internos hospedados nos campos perto de Maiduguri, como o administrado pela Caritas católica ou pela Christian Association of Nigeria . Além de doar gêneros de primeira necessidade e uma quantia de dinheiro recolhida em suas dioceses, os Bispos puderam ver de perto as condições dos desalojados. “O que ouvimos sobre a condição dos desalojados pelo rádio e a TV é diferente das suas condições reais”, destacou Dom Abegunrin. <br /><br />Fri, 24 Jun 2016 20:00:21 +0200ÁFRICA/ETIÓPIA - Surge uma nova comunidade católica em Kokossa: catecúmenos dos pobres entre os pobreshttp://www.fides.org/pt/news/60308-AFRICA_ETIOPIA_Surge_uma_nova_comunidade_catolica_em_Kokossa_catecumenos_dos_pobres_entre_os_pobreshttp://www.fides.org/pt/news/60308-AFRICA_ETIOPIA_Surge_uma_nova_comunidade_catolica_em_Kokossa_catecumenos_dos_pobres_entre_os_pobresKokossa – Domingo, 19 de junho, solenidade de Pentecostes segundo o calendário litúrgico da Igreja Etíope, surgiu em Kokossa, na Etiópia, na região Oromia, uma nova comunidade cristã católica. Quem o conta à Agência Fides é o Bispo emérito de Pádua, Dom Antonio Mattiazzo, missionário na Etiópia . “O primeiro anúncio do Evangelho em Kokossa ocorreu graças ao padre Angelo Antolini, atual Prefeito Apostólico de Robe, quando era pároco de Kofele. Sua obra foi levada avante pelo padre Bernardo Coccia, sempre de Kofele. Eu recebi deles o testemunho em setembro de 2015, ajudado por um catequista de Kofele e pelo irmão capuchinho Matteo” relata pe. Mattiazzo. <br />“Depois de tentar conhecer a condição de cada pessoa que frequentava os encontros de oração e catequese, admitimos aqueles que apresentavam os requisitos ao catecumenato e outros ao pré-catecumenato. Catecúmenos e pré-catecúmenos provinham dos mais pobres entre os pobres, do ponto de vista econômico. Alguns não tinham nem dinheiro para comprar um par de sandálias e vinham descalços aos encontros, apesar do frio e da chuva. Assim, iniciamos uma forma de microcrédito e, dentre outras iniciativas, providenciamos sapatos para os descalços. O anúncio do Evangelho deve sempre se acompanhar, ou ser precedido, pela caridade e a promoção humana”. “Tínhamos a disposição uma pequena casa não utilizável, nem mesmo pelos padrões locais – prossegue o Bispo. Pensamos de torná-la habitável e enquanto se realizavam as obras, colocamos uma tenda maior no espaço disponível, mesmo porque a maior sala da casa era insuficiente para acolher catecúmenos e pré-catecúmenos”.<br />“A solenidade de Pentecostes e a celebração dos sacramentos foram preparadas com uma espécie de tríduo, sexta-feira e sábado, de modo especial, com orações e catequeses. Na manhã de sábado, celebrei três ritos: o rito effata, o exorcismo e a admissão na Igreja católica de pessoas provenientes de outras confissões cristãs. Em outros encontros de sexta-feira e sábado participaram muitos membros de conselhos pastorais de Kofele e das comunidades cristãs de Gode, Denda e Cacia, pertencentes à paróquia de Kofele, que foram hospedados em Kokossa. Eles mesmos puderam ver como nasce uma comunidade cristã, assumindo o compromisso de continuar a apoiar a comunidade nascente e realizar uma obra de evangelização. A alguns deles, eu conferi um ‘mandato missionário’. Se não chegam mais missionários dos países cristãos mais antigos, nós nos propomos a formar leigos que sejam discípulos missionários, como nos pede o Papa Francisco”. “A comunidade cristã católica é formada hoje por 36 pessoas; uma pequena semente que precisa ser reforçada com a misericórdia para crescer, dar frutos e expandir-se”, conclui Dom Mattiazzo. <br />Fri, 24 Jun 2016 19:59:07 +0200ÁFRICA/QUÊNIA - Pelo menos três mortos em confrontos por furtos de gado no noroestehttp://www.fides.org/pt/news/60307-AFRICA_QUENIA_Pelo_menos_tres_mortos_em_confrontos_por_furtos_de_gado_no_noroestehttp://www.fides.org/pt/news/60307-AFRICA_QUENIA_Pelo_menos_tres_mortos_em_confrontos_por_furtos_de_gado_no_noroesteNairóbi -Permanece alta a tensão ao longo da fronteira entre a conteia de Kisumu e a de Nandi, no noroeste do Quênia, onde nos últimos dias pelo menos três pessoas morreram em confrontos entre as comunidades Luo e Nandi. <br />Várias pessoas de ambos os lados da fronteira, em especial mulheres, idosos e crianças, abandonaram suas casas com medo de ulteriores ataques.<br />Cerca de 425 pessoas se refugiaram na Africa Inland Church de Achego e são assistidas pela Cruz Vermelha queniana.<br />Os confrontos são causados por furtos de gado, mas a possibilidade de que episódios deste gênero possam ser alimentados e explorados para fins eleitorais foi denunciada pelos Bispos católicos e por outros líderes religiosos do Quênia, que advertiram para os discursos que incitam ao ódio pregados por alguns políticos em vista das eleições de 2017 . Em particular, em março, o Inter-Religious Council of Kenya lançou um alerta sobre a formação de milícias em alguns partidos políticos “que semeiam a violência” em vista das eleições , enquanto em abril os Bispos denunciaram o tribalismo e a radicalização dos jovens “em grupos perigosos, que criam insegurança” . <br />Thu, 23 Jun 2016 23:09:03 +0200ÁFRICA/SUDÃO DO SUL - A ONU reconhece a responsabilidade dos capacetes-azuis no massacre de Malakalhttp://www.fides.org/pt/news/60306-AFRICA_SUDAO_DO_SUL_A_ONU_reconhece_a_responsabilidade_dos_capacetes_azuis_no_massacre_de_Malakalhttp://www.fides.org/pt/news/60306-AFRICA_SUDAO_DO_SUL_A_ONU_reconhece_a_responsabilidade_dos_capacetes_azuis_no_massacre_de_MalakalAbuja - Confusão no comando e controle e falta de conhecimento das regras por parte dos capacetes-azuis, ou seja, das ordens sobre como se comportar diante de um ataque, estão entre as causas que provocaram o massacre ocorrido na noite de 18 de fevereiro no campo de refugiados de Malakal, no Sudão do Sul . Foi o que estabeleceu o inquérito das Nações Unidas que evidenciou o comportamento dos capacetes-azuis da Missão da ONU no Sudão do Sul .<br />Segundo o relatório, quem efetuou o ataque usava uniformes do SPLA e utilizou armas relativamente sofisticadas, inclusive projeteis e granadas, para atingir os civis refugiados na estrutura da ONU, que abriga cerca de 50.000 pessoas. Pelo menos 30 civis morreram e 123 ficaram feridos. <br />Segundo Médicos Sem Fronteiras “MSF”, a UMISS não respeitou o próprio mandato de proteger os civis, como estabelecido pelo Conselho de Segurança: antes do ataque, faliu em impedir que no campo entrassem armas; decidiu não intervir quando tiveram início os primeiros confrontos e quando ocorreu o ataque de fora, foi extremamente lenta em responder ao ato”.<br />A ONU anunciou que as tropas que não responderam ao ataque serão repatriadas. <br />Thu, 23 Jun 2016 23:08:18 +0200