Fides News Portuguêshttp://www.fides.org/As notícias da Agência Fidesen-usÁFRICA/RUANDA – Nomeação do Bispo de Gikongorohttp://www.fides.org/pt/news/38833-AFRICA_RUANDA_Nomeacao_do_Bispo_de_Gikongorohttp://www.fides.org/pt/news/38833-AFRICA_RUANDA_Nomeacao_do_Bispo_de_GikongoroCidade do Vaticano – O Santo Padre Francisco, em 26 de novembro de 2014, nomeou Bispo da Diocese de Gikongoro o Rev. Célestin Hazikimana, do clero de Kigali, Secretário-Geral da Conferência Episcopal de Ruanda. O novo Bispo nasceu em 14 de agosto de 1963, na paróquia da Sagrada Família da Arquidiocese de Kigali. Frequentou o Seminário menor St. Vincent de Rulindo e depois o de Ndera . Em 1985 entrou para o Seminário propedêutico de Rulindo e completou os estudos de Filosofia e de Teologia no Seminário maior Interdiocesano de Nyakibanda, em Butare. Foi ordenado sacerdote em 21 de julho de 1991. Depois da ordenação, desempenhou os seguintes cargos: 1991-1992: Vigário paroquial em Rutongo; 1992-1994: Representante diocesano para a educação católica; 1994-1996: Diretor do Centro nacional São Paulo de Kigali; 1997-1998: Representante diocesano para a Educação Católica; 1998-2003: Diretor de GEMECA-Ruanda; 2003-2010: Estudos superiores de Teologia em Nápoles, onde obteve um Doutorado em Teologia Dogmática na Faculdade São Tomás. Desde 2011 é Secretário-Geral da Conferência Episcopal de Ruanda. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100AMÉRICA/NICARÁGUA – Comunicação na cultura do encontro: reunião dos Bispos da América Centralhttp://www.fides.org/pt/news/38832-AMERICA_NICARAGUA_Comunicacao_na_cultura_do_encontro_reuniao_dos_Bispos_da_America_Centralhttp://www.fides.org/pt/news/38832-AMERICA_NICARAGUA_Comunicacao_na_cultura_do_encontro_reuniao_dos_Bispos_da_America_CentralManágua – Desde segunda-feira, 24 de novembro, 60 bispos estão reunidos em Manágua para a Assembleia anual do Secretariado Episcopal da América Central . No âmbito deste encontro, se realiza um breve curso de comunicação ministrado por especialistas do Pontifício Conselho das Comunicações Sociais e do Departamento das comunicações do Conselho Episcopal Latino-Americano . Na nota enviada à Agência Fides, o Presidente do SEDAC, Dom José Domingo Ulloa Mendieta, Arcebispo de Cidade do Panamá, agradece a presença do Presidente do Pontifício Conselho das Comunicações Sociais, Dom Claudio Maria Celli, e do Presidente do Departamento para as Comunicações do CELAM, Mons. Adalberto Martínez, com a equipe de especialistas. "Para nós, é importante este curso de comunicação para nos formar nesta cultura do encontro e da cultura digital e no exercício do nosso ministério episcopal", disse o Arcebispo Ulloa. Como resultado, se prevê a elaboração de um modelo de escritório de comunicação que pode ser adaptado a diversas Conferências Episcopais da região centro-americana. No seu primeiro discurso, o Arcebispo Celli refletiu sobre a "comunicação a serviço da comunhão” e sobre os desafios pastorais, recordando o magistério dos Papas, desde o Vaticano II até hoje, no campo da comunicação. São vários os desafios indicados: como habitar na internet, como evangelizar aquele ambiente na nova cultura da comunicação em que a internet e a cultura digital guiam o comportamento familiar e social. O encontro se encerra em 29 de novembro. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100AMÉRICA/COLÔMBIA – A violência contra as mulheres: uma emergência de saúde pública esquecidahttp://www.fides.org/pt/news/38831-AMERICA_COLOMBIA_A_violencia_contra_as_mulheres_uma_emergencia_de_saude_publica_esquecidahttp://www.fides.org/pt/news/38831-AMERICA_COLOMBIA_A_violencia_contra_as_mulheres_uma_emergencia_de_saude_publica_esquecidaBogotá – A violência sexual deve ser tratada como um caso de saúde pública. “Se quisermos que os sobreviventes recebam todos os tratamentos de que necessitam, para o governo deve ser uma prioridade garantir que isso esteja disponível e acessível a todos”, declarou a organização Médicos Sem Fronteiras , por ocasião do Dia Internacional para a eliminação da violência contra as mulheres. Na Colômbia, 80% das vítimas de violência sexual assistidas por MSF entre junho de 2012 e agosto de 2013 não buscou ajuda em estruturas de saúde locais. Os obstáculos que encontraram na busca de um apoio médico e psicológico são, entre outras coisas, o desconhecimento da necessidade de efetuar uma consulta em um hospital, a falta de consciência de ter sofrido violência sexual, o recebimento de ameaças por parte do agressor e a timidez. Se o sobrevivente se dirige a um médico nas primeiras 72 horas da violência, é possível oferecer-lhe a profilaxia para HIV/AIDS e os antibióticos que ajudam a prevenir algumas infecções. Além das consequências físicas, a violência sexual tem um impacto psicológico devastador sobre as vítimas. Quase todos os sobreviventes demonstram sintomas que são o resultado da agressão, como agressividade, tristeza, medo excessivo, irritabilidade ou raiva, ânsia ou estresse. Todavia, menos de um mulher a cada três das que foram consultadas por MSF receberam apoio psicológico depois da violência. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100AMÉRICA/COLÔMBIA - As negociações de paz em Cuba devem continuarhttp://www.fides.org/pt/news/38830-AMERICA_COLOMBIA_As_negociacoes_de_paz_em_Cuba_devem_continuarhttp://www.fides.org/pt/news/38830-AMERICA_COLOMBIA_As_negociacoes_de_paz_em_Cuba_devem_continuarBogotá - Apesar de suas declarações recentes, as FARC mostram uma vontade de continuar as negociações de paz em andamento em Havana: foi o que disse o Arcebispo de Tunja, Presidente da Conferência Episcopal da Colômbia , Dom Luis Augusto Castro Quiroga. “Dizem tantas coisas que às vezes a gente não gosta, mas o importante é que quando se referem ao processo de paz e aos pontos marcados na ordem do dia em Havana, demonstram confiabilidade e seriedade no compromisso”, disse Dom Castro Quiroga, segundo a nota enviada à Fides pela CEC. Poucos dias atrás, as FARC afirmaram publicamente: “o que acontece na Colômbia deve ser resolvido na Colômbia, enquanto o diálogo em Cuba deve continuar”. Dom Castro Quiroga encontrou-se com o Presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos Calderón, junto com o Pe. Dario Echeverry, secretário da Comissão para a Reconciliação Nacional, em 24 de novembro. Participaram também da reunião o negociador-chefe da equipe do Governo, Humberto de la Calle, os ministros conselheiros da Presidência e o general reformado Oscar Naranjo. No final do encontro, o prelado reiterou o apoio da Igreja Católica em continuar o processo de paz. Nos últimos dias, a Colômbia passou por eventos significativos relacionados com o caminho para a paz: o sequestro feito pelas FARC de um general do Exército, junto com quatro soldados e um civil ; a suspensão, da parte do Presidente Santos Calderón, dos diálogos para a paz em andamento em Cuba ; a declaração das FARC, em 18 de novembro, de quer continuar o diálogo para uma paz duradoura; a libertação de 2 soldados seqüestrados junto com o general, como sinal do compromisso de prosseguir as negociações de paz. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁSIA/TURCOMENISTÃO - “Construamos uma Igreja de pedras vivas”, disse o Superior da Missio sui iurishttp://www.fides.org/pt/news/38829-ASIA_TURCOMENISTAO_Construamos_uma_Igreja_de_pedras_vivas_disse_o_Superior_da_Missio_sui_iurishttp://www.fides.org/pt/news/38829-ASIA_TURCOMENISTAO_Construamos_uma_Igreja_de_pedras_vivas_disse_o_Superior_da_Missio_sui_iurisAshgabat - “Compartilhando a alegria da fé em Cristo, estamos felizes de doar a todos a graça e a alegria que vem da fé. Esta alegria chegou ao Turcomenistão há 18 anos como um grande presente. Não temos ainda uma igreja feita de tijolos ou madeira, mas construímos a nossa Igreja de pedras vivas”, afirmou numa nota enviada à Agência Fides, Pe. Andrzej Madej, OMI, Superior da Missio sui iuris no Turcomenistão, criada em 1997 pelo Papa João Paulo II. Pe. Madej vive e trabalha ali, com uma comunidade de confrades e como representante da Santa Sé em Ashgabat. “Vivemos no país que somente vinte anos atrás fazia ainda parte do império soviético. Neste país – explica o missionário – tentou-se construir uma sociedade sem Deus, ou até mesmo uma sociedade que se opõe a Deus. Hoje, a Igreja local é administrada pela Oblatos de Maria Imaculada e cuida de uma comunidade católica de cerca de 150 pessoas. Participam da missa em russo e em inglês. São necessários três anos para preparar os nossos catecúmenos para o Batismo”. “A nossa comunidade reza num prédio alugado, mas o entusiasmo não falta, enquanto o número de pessoas que vêm para a Igreja continua crescendo. A nossa Igreja procura sempre ser uma fonte de alegria e luz no deserto de Kara-Kum, espalhando a mensagem de amor, de solidariedade e de esperança de Jesus, procurando sempre respeitar a cultura e as tradições deste lindo país”, continua o Superior. “Fomos testemunhas de como esses anos de vida sem Deus tenham deixado muitas feridas: famílias desestruturadas, violência doméstica, humanidade ferida, perda do sentido da vida e laços sociais fragmentados. Muitas valas comuns foram encontradas. A nação vive nas ruínas de ideologias sem Deus. Agora é o momento da reconciliação, o início da renovação, de vida nova, de novos laços e novas esperanças. Cerca de 18 anos atrás, uma comunidade católica renasceu na terra do Turcomenistão. A Boa Nova fascina e atrai as pessoas para Jesus. A Palavra de Deus tem o poder de reunir aqueles que foram dispersos ‘como ovelhas sem pastor’. Hoje, a Igreja é uma comunidade de reconciliação, que cura as feridas da separação, cura os corações, doando nova paz e fazendo reviver a confiança”, conclui Pe. Madej. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁSIA/LÍBANO - Para o Patriarca Rai o diálogo entre Hezbollah e sunitas do Movimento “Futuro” pode levar para fora do túnelhttp://www.fides.org/pt/news/38828-ASIA_LIBANO_Para_o_Patriarca_Rai_o_dialogo_entre_Hezbollah_e_sunitas_do_Movimento_Futuro_pode_levar_para_fora_do_tunelhttp://www.fides.org/pt/news/38828-ASIA_LIBANO_Para_o_Patriarca_Rai_o_dialogo_entre_Hezbollah_e_sunitas_do_Movimento_Futuro_pode_levar_para_fora_do_tunelBeirute – Segundo o Patriarca maronita Bechara Boutros Rai, “se começasse agora o diálogo entre Hezbollah e o Movimento 'Futuro', o Líbano começaria a sair do túnel”. O Primaz da Igreja maronita falou de sua expectativa com as novas perspectivas abertas no cenário político libanês, respondendo às perguntas que jornalistas da imprensa local lhe dirigiram terça-feira, 25 de novembro, no aeroporto de Beirute, retornando de Roma. A abertura de um possível diálogo entre a facção xiita de Hezbollah e a sunita, liderada por Saad Hariri, representa uma chance para sair da paralisação de meses na vida política a institucional libanesa e que até agora impediu a eleição de um novo Presidente, depois que em maio, o ex-Chefe de Estado Michel Sleiman terminou seu mandato.<br />O sistema libanês reserva o cargo de presidente a um cristão maronita, mas os partidos e os líderes cristãos membros das diversas coalizões que dominam o cenário político libanês não conseguiram até o momento encontrar um acordo para um candidato comum, e com seus vetos recíprocos contribuíram para a paralisação institucional. Agora, a possibilidade de desbloquear a situação está no diálogo entre as forças muçulmanas antagonistas. O xiita Nabih Berri, presidente do Parlamento libanês, fez saber por meio de seus colaboradores que um apoio importante no início da nova fase de diálogo entre as facções xiita e sunita foi expresso por canais diplomáticos: o dos EUA e da Arábia Saudita, que exerce forte influência sobre o Movimento “Futuro”. .Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁSIA/ÍNDIA - Os missionários cristãos etiquetados como “inimigos dos hindus”http://www.fides.org/pt/news/38827-ASIA_INDIA_Os_missionarios_cristaos_etiquetados_como_inimigos_dos_hindushttp://www.fides.org/pt/news/38827-ASIA_INDIA_Os_missionarios_cristaos_etiquetados_como_inimigos_dos_hindusNova Délhi – Os missionários cristãos são identificados como um dos cinco maiores inimigos dos hindus: é o que afirma um panfleto distribuído no World Hindu Congress 2014, recém-concluído em Délhi. Como apurado pela Fides, outros “inimigos jurados dos hindus” indicados no texto são: o islã, o marxismo, o materialismo, o “Macaulayismo” . No Congresso estes conceitos, expressão da ideologia Hindutva , encontraram espaço, vista a maciça presença de organizações militantes e radicais. “A combinação das forças anti-hindus está debilitando a sociedade indiana” foi dito, e assim, os fiéis são chamados a contrastar o sistema cultural vigente. O panfleto define o islã como “venenoso”, critica o pluralismo cultural e religioso e a abordagem dos missionários cristãos que “perfidamente introduzem o sistema de valores da própria sociedade ocidental”. No World Hindu Congress 2014 participaram mais de 1.500 delegados provenientes de 40 países. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁFRICA/MADAGASCAR - Quase dois milhões de crianças abandonaram os estudos para trabalharhttp://www.fides.org/pt/news/38826-AFRICA_MADAGASCAR_Quase_dois_milhoes_de_criancas_abandonaram_os_estudos_para_trabalharhttp://www.fides.org/pt/news/38826-AFRICA_MADAGASCAR_Quase_dois_milhoes_de_criancas_abandonaram_os_estudos_para_trabalharAntananarivo - Em Madagascar 1 milhão e 800 mil crianças abandonaram os estudos para trabalhar. Para tentar sensibilizar os habitantes da ilha africana sobre a dura realidade que priva os menores de seus direitos fundamentais, como a instrução, a Fundação Agua de Coco acaba de inaugurar a exposição de fotos “Trabalho infantil: a realidade das crianças em Madagascar”, no Museu López Villaseñor de Villa Real, na Espanha. Agua de Coco é uma Fundação que se dedica há mais de dez anos à cooperação internacional, à sensibilização e à educação ao desenvolvimento. O objetivo é contribuir para melhorar a qualidade de vida dos grupos mais marginalizados dos países do sul do mundo, com atenção especial à infância e a seu ambiente familiar. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁFRICA/RD CONGO - Os massacres de Beni são obra de uma rede criminosa constituída por guerrilheiros e militares corruptoshttp://www.fides.org/pt/news/38825-AFRICA_RD_CONGO_Os_massacres_de_Beni_sao_obra_de_uma_rede_criminosa_constituida_por_guerrilheiros_e_militares_corruptoshttp://www.fides.org/pt/news/38825-AFRICA_RD_CONGO_Os_massacres_de_Beni_sao_obra_de_uma_rede_criminosa_constituida_por_guerrilheiros_e_militares_corruptosKinshasa – São cerca de 120 as vítimas de massacres perpetradas no território de Beni, no Kivu do Norte, no mês de outubro. Os massacres são presumivelmente atribuíveis às Forças Democráticas Aliadas , grupo armado de origem ugandesa ativo no leste da República Democrática do Congo, como recorda uma nota enviada à Agência Fides pela Rede Paz pelo Congo sobre os últimos episódios de violência na região .<br />O documento, citando estudos recentes, ilustra um cenário mais complexo, no qual as ADF são usadas como escudo pelos outros atores. “Segundo a jornalista Caroline Hellyer – afirma o relatório – é possível que os recentes massacres cometidos no território de Beni sejam obra das ADF, mas podem também ter sido cometidos por milicianos Mai-Mai , que têm relações com as ADF. Quando têm interesses comuns, as ADF e certos grupos armados Mai-Mai podem trabalhar juntos e se separam quando os interesses não existem mais. Segundo a jornalista, é preciso se lembrar que as ADF vivem no leste da RDC há mais de 25 anos e que criaram e mantiveram fortes conexões locais”.<br />“Por isso - continua a nota - as ADF não são um grupo armado com um perfil bem definido. Os seus membros se misturaram com a população. Alguns deles podem ser vizinhos de casa; outros pode ser ativos por um tempo. Ou seja, as ADF fazem parte de uma rede muito ampla constituída por políticos e oficiais militares locais, por homens fortes e grupos de interesse econômico. Esta rede criminosa frequentemente dominou alguns setores do comércio, da economia local, da sociedade, do exército, da política e da administração”.<br />Para resolver esta situação, é preciso abrir inquéritos sobre a verdadeira origem dos ataques e massacres realizados no território de Beni contra as populações civis e perseguir na justiça os autores e cúmplices destes massacres; indagar sobre o desvio dos salários dos militares por parte de oficiais do exército e sobre a atividade comercial ilegal em que outros militares oficiais são implicados; efetuar as mudanças necessárias na rede de comando da zona operativa de Beni, a fim de dispor de um comando militar acima de qualquer suspeita. Os patrocinadores internacionais devem condicionar também o apoio financeiro e técnico à obrigação, por parte do governo congolês, de respeitar os direitos humanos e lutar contra a impunidade no âmbito das forças de segurança. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100VATICANO – Primeira Jornada internacional de oração e reflexão contra o tráfico de pessoashttp://www.fides.org/pt/news/38824-VATICANO_Primeira_Jornada_internacional_de_oracao_e_reflexao_contra_o_trafico_de_pessoashttp://www.fides.org/pt/news/38824-VATICANO_Primeira_Jornada_internacional_de_oracao_e_reflexao_contra_o_trafico_de_pessoasRoma – A primeira “Jornada internacional de oração e reflexão contra o tráfico de pessoas” será celebrada em todas as dioceses e paróquias do mundo, em grupos e nas escolas, no próximo dia 8 de fevereiro de 2015, dia de Santa Josefina Bakhita, escrava sudanesa libertada, religiosa canossiana, canonizada no ano 2000. A iniciativa é promovida pelo Pontifício Conselho da Pastoral para os Migrantes, pelo Pontifício Conselho da Justiça e da Paz e pelas Uniões internacionais, femininas e masculinas, dos Superiores/as Gerais .<br />O comunicado enviado à Agência Fides, evidencia que o objetivo da Jornada é “antes de tudo criar, uma maior consciência sobre o fenômeno e refletir sobre a situação global de violência e injustiça que atinge tantas pessoas que não têm voz, que não contam, que não são ninguém: são simplesmente escravas. Ao mesmo tempo, dar resposta a esta forma moderna de tráfico de seres humanos, através de ações concretas”. <br />O fenômeno se registra no mundo inteiro. Segundo dados oficiais, cerca de 21 milhões de pessoas, quase sempre pobres e vulneráveis, são vítimas do tráfico para a exploração sexual ou do trabalho forçado, retirada de órgãos, mendicância forçada, servidão doméstica, casamentos obrigados, adoção ilegal e outras formas de exploração. A cada ano, cerca de 2,5 milhões de pessoas são vítimas do tráfico de seres humanos e reduzidas à escravidão. Tal atividade criminosa lucra um total de 32 bilhões de dólares por ano a traficantes e exploradores, e é o terceiro ‘negócio’ mais rentável depois do tráfico de drogas e o de armas. Wed, 26 Nov 2014 00:00:00 +0100AMÉRICA/NICARÁGUA – Canal transoceânico: o Card. Brenes pede transparênciahttp://www.fides.org/pt/news/38823-AMERICA_NICARAGUA_Canal_transoceanico_o_Card_Brenes_pede_transparenciahttp://www.fides.org/pt/news/38823-AMERICA_NICARAGUA_Canal_transoceanico_o_Card_Brenes_pede_transparenciaManágua – O Cardeal Leopoldo Brenes Solórzano, Arcebispo de Manágua e recém-eleito Presidente da Conferência Episcopal da Nicarágua, somou-se aos que pedem ao governo do Presidente Daniel Ortega que responda a todos os interrogativos surgidos com a notícia que dentro de um mês terá início a construção do Canal transoceânico entre o Pacífico e o Atlântico .<br />A nota enviada à Agência Fides por fontes locais traz as palavras do Cardeal: “Quanto receberão de salário aqueles que vêm fazer escavações? Nem eles, nem o governo, disseram quanto ganharão. Não deve haver nada a esconder, deveria ser tudo transparente , porque se o canal vai realmente trazer benefícios a todos, todos devem ser bem informados”. <br />O Card. Brenes destacou que o Canal é uma preocupação comum dos Bispos da Conferência Episcopal, porque interessa diretamente os territórios do Vicariato apostólico de Bluefields, da diocese de Chontales e da diocese de Granada.<br />Segundo notícias publicadas pela imprensa local, algumas vozes estão favoráveis e outras contrárias ao megaprojeto. Durante o último fim de semana, centenas de pessoas manifestaram em Manágua a favor do Canal. Outras organizaram cortejos e reuniões nos lugares interessados pelas obras, manifestando a sua oposição à sua realização. Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100AMÉRICA/PARAGUAI - A Igreja não se desencoraja diante do narcotráfico e continuará a lutar pela justiça e a pazhttp://www.fides.org/pt/news/38822-AMERICA_PARAGUAI_A_Igreja_nao_se_desencoraja_diante_do_narcotrafico_e_continuara_a_lutar_pela_justica_e_a_pazhttp://www.fides.org/pt/news/38822-AMERICA_PARAGUAI_A_Igreja_nao_se_desencoraja_diante_do_narcotrafico_e_continuara_a_lutar_pela_justica_e_a_pazCaacupé – O Bispo da diocese de Caacupé , Dom Catalino Claudio Giménez Medina, também Presidente da Conferência Episcopal, pediu ao ministério público para conduzir um inquérito detalhado sobre os parlamentares ligados a narcotraficantes e condenou duramente esta atividade criminosa que causa somente morte e luto às famílias do Paraguai. Segundo a nota recebida pela Agência Fides, o Bispo também ressaltou que as pessoas escolhidas para cargos de decisão têm uma maior responsabilidade diante de Deus e do povo para desempenhar o dever que lhes é atribuído.<br />Durante a celebração da festividade de Cristo Rei, muito vivida no Paraguai, Dom Giménez Medina foi enérgico ao declarar que, não obstante a violência e a morte geradas pelo tráfico de drogas, a Igreja católica não se desencoraja e continuará a sua luta pela justiça e a paz, ao lado dos oprimidos e das vítimas destes crimes. Também elogiou o trabalho de grupos e pessoas corajosas que lutam pela paz e a justiça em todos os modos.<br />Dom Giménez evidenciou que existem pessoas que optam pela verdade e a justiça com convicção. Elas são realmente admiráveis, doam até a própria vida em defesa destes valores. O bispo se referia ao jornalista de "ABC Color" Pablo Medina, assassinado por ter denunciado a corrupção e o tráfico de drogas na região de Canindeyú, próxima do confim com o Brasil .<br />Outras fontes da Fides apontam que o assassinato de Pablo Medina e de sua companheira, Antonia Almada, ocorrido em 16 de outubro, desencadeou uma série de inquéritos que permitiram identificar melhor os longos tentáculos do narcotráfico, extensos também ao governo. Quinta-feira passada, 20 de novembro, o Senado autorizou o inquérito sobre três membros do congresso acusados de fortes relações com o narcotráfico. A Conferência Episcopal, em sua última Assembleia plenária, reiterou o pedido de “deterá corrupção e a consequente narcopolítica” . Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁSIA/MIANMAR – No processo de reformas em andamento, incluída a libertação das crianças-soldadohttp://www.fides.org/pt/news/38821-ASIA_MIANMAR_No_processo_de_reformas_em_andamento_incluida_a_libertacao_das_criancas_soldadohttp://www.fides.org/pt/news/38821-ASIA_MIANMAR_No_processo_de_reformas_em_andamento_incluida_a_libertacao_das_criancas_soldadoNaypyidaw – Segundo o jornal independente birmanês Irrawaddy, em 2014 foram libertados pelas Forças Armadas um total de 553 crianças-soldado. Recentemente, o Exército libertou outros 80, recrutados ilegalmente, após um acordo assinado com o Unicef em 2012 para iniciar a sua inserção na sociedade. Além de uma concordata com o Governo, o Unicef anunciou que quer abrir um diálogo com os guerrilheiros de minorias étnicas para erradicar o recrutamento de menores em suas tropas. Depois de quase meio século de ditadura militar, em 2011 Mianmar iniciou um processo de reformas políticas, econômicas e sociais. Todavia, segundo as Nações Unidas, o Exército Democrático Karen Buddista, o Exército pela Independência Kachin, o Exército Nacional de Libertação Karen, o Exército Karenni, o Exército do Estado Shan e o da União do Estado Wa, ainda possuem crianças-soldado em suas tropas. Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁSIA/ÍNDIA – Extremistas hindus: missionários católicos nas escolas não sejam chamados “padre”http://www.fides.org/pt/news/38820-ASIA_INDIA_Extremistas_hindus_missionarios_catolicos_nas_escolas_nao_sejam_chamados_padrehttp://www.fides.org/pt/news/38820-ASIA_INDIA_Extremistas_hindus_missionarios_catolicos_nas_escolas_nao_sejam_chamados_padreRaipur – Os missionários das escolas católicas do estado indiano de Chhattisgarh que trabalham no ensinamento, como reitores ou professores, não devem mais ser chamados de “padre”, mas de “senhor”. Como apurado pela Agência Fides, esta é a imposição de grupos extremistas hindus em 22 escolas católicas do distrito de Bastar, frequentadas em maioria por alunos não-cristãos. Depois de um encontro com os representantes de grupos hindus e de autoridades civis, os representantes das escolas católicas, para evitar tensões e conflitos, concordaram em usar o título “senhor”, utilizado em todas as outras escolas particulares. Os missionários católicos do distrito concordaram em expor nas escolas fotografias de grandes personalidades de todas as religiões que trabalharam pelo interesse nacional no campo da educação. Nos dias precedentes ao acordo, houve tensões na área devido às acusações aos cristãos de “usarem a educação como arma para a conversão”. No serviço de instrução, reiteraram os expoentes católicos, “devem ser respeitados os sentimentos dos estudantes hindus”. É amplamente reconhecido, em todos os níveis, que a comunidade católica oferece na Índia um serviço de alta qualidade técnico-científica no campo do ensino, estimado por políticos, intelectuais, acadêmicos e famílias pertencentes a diversas comunidades religiosas. O esforço da comunidade católica, desempenhado de forma gratuita, é apreciado na Índia também porque no país, como informa o Unicef, 60 milhões de crianças não frequentam colégios nenhum dia de suas vidas. 25/11/2014)Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁSIA/IRAQUE - Em Mossul os jihadistas do Estado Islâmico devastam com bombas o convento das Irmãs do Sagrado Coraçãohttp://www.fides.org/pt/news/38819-ASIA_IRAQUE_Em_Mossul_os_jihadistas_do_Estado_Islamico_devastam_com_bombas_o_convento_das_Irmas_do_Sagrado_Coracaohttp://www.fides.org/pt/news/38819-ASIA_IRAQUE_Em_Mossul_os_jihadistas_do_Estado_Islamico_devastam_com_bombas_o_convento_das_Irmas_do_Sagrado_CoracaoMossul – Segundo fontes locais consultadas pela Agência Fides, segunda-feira, 24 de novembro, os milicianos jihadistas do Estado Islâmico que controlam a cidade de Mossul recorreram a explosivos para danificar gravemente o convento das irmãs caldeias do Sagrado Coração, por eles ocupado anteriormente e utilizado como alojamento e base logística. A mídia ligada à comunidade caldeia refere que o bombardeamento teria acontecido em duas fases: a primeira tentativa não teve sucesso, mas em seguida, recorreram a doses mais potentes de explosivo, provocando danos graves principalmente na Igreja, com a intenção de eliminar a cruz que domina o local de culto. Antes de colocar na prática a sua obra devastadora, os milicianos do Estado Islâmico alertaram os moradores da região, sugerindo-lhes de manter abertas as janelas para evitar que os vidros se despedaçassem com o deslocamento de ar. Fontes locais consideram que o convento tenha sido abandonado por ser um iminente alvo dos ataques aéreos realizados também em Mossul pela coalizão anti-Califado, liderada pelos EUA. No momento, não resulta que tenha sido danificado o adjacente mosteiro de São Jorge, pertencente à ordem antoniana de Sant'Ormisda dos caldeus. O convento das irmãs caldeias do sagrado Coração, conhecido como convento da Vitória, foi construído graças a uma doação de Saddam Hussein, Presidente iraquiano enforcado em 30 de dezembro de 2006. .Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁSIA/PAQUISTÃO - Cristãos torturados e mortos enquanto estavam sob custódia da políciahttp://www.fides.org/pt/news/38818-ASIA_PAQUISTAO_Cristaos_torturados_e_mortos_enquanto_estavam_sob_custodia_da_policiahttp://www.fides.org/pt/news/38818-ASIA_PAQUISTAO_Cristaos_torturados_e_mortos_enquanto_estavam_sob_custodia_da_policiaLahore - Um cristão de 35 anos, Rakha Shahzad, foi encontrado morto depois de ter sido torturado enquanto estava sob custódia da polícia em Lahore. O homem foi preso sob a acusação de "venda de álcool e drogas". Conforme relatado por sua família, “Shahzad morreu por causa de torturas da polícia", enquanto os oficiais falam de um "ataque cardíaco" durante o interrogatório.<br />Pe. Francis Nadeem, Provincial dos Capuchinhos no Paquistão, informou à Agência Fides sobre o espanto da comunidade cristã "por causa de mais um homicídio extrajudicial". Os familiares do homem morto fizeram fortes protestos em Lahore, tentando também entrar à força na delegacia. Três agentes foram denunciados e um inquérito foi aberto. O cadáver do homem foi transferido ao hospital onde será feita a autopsia para estabelecer a causa da morte. O irmão de Shahzad declara que ele “foi preso sem motivos” e pede ao Estado que se ocupe de sua família. O advogado cristão Mushtaq Gill comenta à Fides: “O mundo inteiro ainda está profundamente chocado e escandalizado com o linchamento do casal cristão em Kasur, mas as violências prosseguem. É urgente ab-rogar as leis habitualmente utilizadas para perseguir os cristãos e garantir justiça e legalidade, a partir da atuação e do comportamento da polícia e dos funcionários públicos”. Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁSIA/JORDÂNIA - "A Declaração de Amã": roteiro de 12 pontos para o futuro dos cristãos árabeshttp://www.fides.org/pt/news/38817-ASIA_JORDANIA_A_Declaracao_de_Ama_roteiro_de_12_pontos_para_o_futuro_dos_cristaos_arabeshttp://www.fides.org/pt/news/38817-ASIA_JORDANIA_A_Declaracao_de_Ama_roteiro_de_12_pontos_para_o_futuro_dos_cristaos_arabesAmã - Os participantes da segunda conferência sobre os cristãos e o impacto da "Primavera Árabe", realizada em Amã, em 22 e 23 de novembro, estenderam no final dos trabalhos um documento configurado como uma exposição detalhada dos problemas, emergências e perigos que marcam hoje a condição das comunidades cristãs no Oriente Médio. A "Declaração de Amã" - este é o título do documento aprovado por 80 políticos, intelectuais e clérigos presentes na conferência organizada pela Fundação Konrad Adenauer, pelo al-Quds Center for Political Studies e pela Danmission Foundation – se apresenta como um precioso roteiro de 12 pontos para favorecer "um futuro melhor dos cristãos nos países árabes".<br />No documento se observa as dificuldades e os fracassos até agora registrados pela tentativa de consolidar a democracia no Oriente Médio capaz de garantir para todos a partilha do mesmo direito de cidadania. Nas últimas décadas, muitos países viram se arraigar regimes tirânicos e corruptos, e os cristãos foram muitas vezes injustamente acusados de subserviência às nomenclaturas que os guiaram.<br />Neste contexto – refere um dos pontos da declaração – o aumento da intolerância nas sociedades árabes ocorreu sobretudo por causa do emergir de uma interpretação extremista dos ensinamentos do Islã. Um processo que ocorreu sob o olhar de grande parte dos governos da região, e em alguns casos com o seu apoio, que encontrou respostas inadequadas nas classes dirigentes do Oriente Médio. <br />A declaração de Amã reconhece a necessidade de distinguir entre expressões e tendeências do Islã político, e de envolver as componentes mais sábias da galáxia islamita numa clara e firme posição contra todo tipo de discriminação jurídica, social e política em relação aos cristãos árabes. As Igrejas e comunidades no Oriente Médio – reitera a Declaração de Amã - representam uma realidade autóctone e não podem, de forma alguma, serem identificadas como um "corpo estranho" importado do Ocidente.<br />A Declaração de Amã também adverte as comunidades cristãs do Oriente Médio sobre o risco de cair no particularismo e isolação, e da tentação de responder ao extremismo islâmico com um fundamentalismo igual e contrário. Além disso, no documento se pede que todas as formas e iniciativas de apoio e solidariedade internacionais dirigidas aos cristãos árabes ajudem as diversas comunidades cristãs a permanecerem arraigadas em suas próprias terras, evitando favorecer involuntariamente também o êxodo dos batizados das terras onde o cristianismo nasceu e se espalhou desde os tempos apostólicos. .Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁFRICA/MALI - Outros sequestros de crianças num clima de instabilidade por causa da presença de grupos armadoshttp://www.fides.org/pt/news/38816-AFRICA_MALI_Outros_sequestros_de_criancas_num_clima_de_instabilidade_por_causa_da_presenca_de_grupos_armadoshttp://www.fides.org/pt/news/38816-AFRICA_MALI_Outros_sequestros_de_criancas_num_clima_de_instabilidade_por_causa_da_presenca_de_grupos_armadosBamako - No norte do Mali poucos dias atrás foram seqüestradas dez crianças, duas das quais morreram enquanto tentavam fugir. Segundo fontes locais militares e da polícia local, os sequestros foram realizados por homens armados nas periferias da cidade de Kidal e Aguelhoc, na região de Azawad. Embora não tenha havido nenhuma reivindicação, os suspeitos são todos os grupos islâmicos que ainda estão ativos no território. Este último fato recorda o sequestro coletivo de mais de 276 meninas perpetrado pelo grupo nigeriano Boko Haram em Chibok, que ainda permanece em aberto. Toda a metade oriental do norte de Mali, conhecida como Azawad, ainda está sujeita a uma grande instabilidade por causa da presença de grupos armados tuaregues, além de outros grupos islâmicos que esporadicamente atuam contra as forças de paz das Nações Unidas. Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁFRICA/RD CONGO - “A violência contra as mulheres é um crime contra a humanidade”, afirmam os Bisposhttp://www.fides.org/pt/news/38815-AFRICA_RD_CONGO_A_violencia_contra_as_mulheres_e_um_crime_contra_a_humanidade_afirmam_os_Bisposhttp://www.fides.org/pt/news/38815-AFRICA_RD_CONGO_A_violencia_contra_as_mulheres_e_um_crime_contra_a_humanidade_afirmam_os_BisposKinshasa - “No nosso país, tomado por intermináveis rebeliões, as mulheres e as crianças são as primeiras vítimas desta barbárie humana”, escrevem os Bispos da República Democrática do Congo, numa mensagem para o Dia Mundial para a eliminação da violência contra as mulheres, que se celebra hoje, 25 de novembro. <br />“A violência contra as mulheres – continua o documento enviado à Agência Fides - é uma violação dos direitos do homem e tem consequências duras, a partir do momento que pode impedir os progressos em alguns âmbitos, como a eliminação da pobreza, a estabilidade das famílias, a paz, a segurança e a luta contra a AIDS”.<br />“Proteger a mulher significa proteger a nação”, afirma ainda a mensagem. “Enquanto mãe, a mulher contribui para o desenvolvimento e para o florescimento de uma nova sociedade”. “O nosso país, além dos esforços já realizados neste campo, deverá antes de tudo amparar as mulheres e acompanhá-las em sua luta pela instauração de uma sociedade onde seus direitos sejam não somente reconhecidos, mas aplicados efetivamente”, concluem os Bispos.<br />“As mulheres são o alvo da guerra que se arrasta há 20 anos no leste da RDC”, explicava em 2010 à Agência Fides Ir. Teresina Caffi, das Missionárias de Maria , que atua em Bukavu, capital do Kivu do Sul . “Os estupros são um modo para destruir um povo. Não se trata de um soldado que, tomado pelos instintos mais brutais, violenta uma jovem, mas de um uso sistemático da violência sexual para destruir psicologicamente a população”, continuava a missionária. “Quando as mulheres são violentadas diante dos filhos ou obrigam os membros de uma mesma família ao incesto, estamos diante de atos deliberados para aniquilar a humanidade das pessoas. Devemos contribuir para difundir o recente relatório da ONU que denuncia esses fatos”. Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100ÁFRICA/REP. CENTRO AFRICANA - Dom Nzapalainga e a Igreja em auxílio aos ex-rebeldes Seleka: um gesto de perdão e de reconciliaçãohttp://www.fides.org/pt/news/38814-AFRICA_REP_CENTRO_AFRICANA_Dom_Nzapalainga_e_a_Igreja_em_auxilio_aos_ex_rebeldes_Seleka_um_gesto_de_perdao_e_de_reconciliacaohttp://www.fides.org/pt/news/38814-AFRICA_REP_CENTRO_AFRICANA_Dom_Nzapalainga_e_a_Igreja_em_auxilio_aos_ex_rebeldes_Seleka_um_gesto_de_perdao_e_de_reconciliacaoBangui - “Para mim, enquanto homem de Deus, lá onde se encontrem homens, mulheres e crianças, eles são filhos de Deus, criados à sua imagem, e eu tenho a obrigação de ir ao seu encontro”: foi o que disse em 24 de novembro Dom Dieudonné Nzapalainga, Arcebispo de Bangui e Presidente da Conferência Episcopal, explicando o significado da iniciativa humanitária criada pela Igreja no campo Beal, que acolhe 874 membros da ex-coalizão rebelde Seleka. <br />Segundo as informações enviadas à Agência Fides, Dom Nzapalainga guiou uma delegação de cristãos, homens e mulheres, com ajudas alimentares coletadas pela Cáritas Centro-africana, que foram distribuídas no local por mulheres de várias associações de voluntariado católico. Integravam a delegação uma equipe médica composta por 5 freiras enfermeiras e por uma leiga.<br />Na República Centro-Africana, está em andamento um difícil processo de desarmamento e de reagrupamento dos ex-rebeldes Seleka e de seus adversários, as milícias anti-balaka, em campos provisórios onde as condições de vida são muito precárias. O drama humanitário foi acentuado pela fato que, ao lado dos ex-combatentes, há também suas famílias, com mulheres e crianças.<br />Os Seleka foram responsáveis por danos e graves ataques a igrejas cristãs, inclusive católicas, durante o período no qual tomaram o poder .<br />O gesto de Dom Nzapalainga, que sempre lutou pela paz e pela reconciliação nacional com o Pastor Nicolas Grékoyamé-Gbangou, Presidente das Igrejas Evangélicas, e do Imã de Bangui Oumar Kobine Layama, foi apreciado pelo comandante do campo Beal, Rodrigue Yamendji. “Agradeço calorosamente à equipe da Igreja Católica que veio nos visitar”, disse Yamendji, considerando a visita como parte dos planos de Deus. “Faço votos – prosseguiu – que esta vontade de reconciliação continue, para que todos os centro-africanos possam reconstruir o nosso país”.<br />Pe. Patrick Mbea, superior regional dos Espiritanos, anunciou que está avaliando a criação de uma escola no campo Beal, assim como em outros campos de acolhimento. Dom Nzapalainga, por fim, manifestou a sua intenção de visitar também os campos onde são acolhidos os milicianos anti-balaka. Tue, 25 Nov 2014 00:00:00 +0100