ÁSIA / SÍRIA - Arcebispo Hindo: em Hassaké aumentam a violência e a intimidação dos milicianos curdos contra cristãos

Terça, 20 Setembro 2016 guerras   sectarismos   igrejas orientais  

Hassaké (Agência Fides) - Na cidade de Hassake, nordeste da Síria, e na vizinha região de Jazira, as milícias curdas que disputam o controle do território com o exército do governo estão multiplicando os atos de violência e intimidações contra os cristãos: é o que refere à Agência Fides o arcebispo sírio católico Jacques Behnan Hindo, mencionando uma longa lista de acidentes e abusos que em sua opinião constituem uma verdadeira estratégia destinada a expulsar da cidade a pequena população cristã remanescente.
"Sempre que a milícia curda entra em ação para reafirmar sua hegemonia militar sobre a cidade", explica o arcebispo, que dirige a arqui-eparquia sírio-católica de Hassaké Nisibi, "o epicentro de seus ataques e vandalismos é sempre o bairro das seis igrejas, onde vive a maioria dos cristãos. Em muitos casos, expulsaram os cristãos de suas casas sob ameaça de kalashnikovs. E onde eles entram, saqueiam tudo". O Arcebispo Hindo confessa que ele próprio foi vítima de um ato de intimidação ocorrido nas últimas semanas, quando alguns tiros foram disparados contra a janela de sua casa, e uma bala passou perto de sua cabeça. "Naquele momento", acrescentou o arcebispo, "a área estava ocupada por milicianos curdos, e não havia outras pessoas armadas por perto".
Também uma expedição humanitária feita há alguns dias pelos voluntários da Arquidiocese para distribuir alimentos aos habitantes muçulmanos de Haddadi e dezesseis aldeias vizinhas, antes sob o controle dos jihadistas do Estado Islâmico (Daesh), foi atacada por tiros de artilharia. "É certo" assinala o Arcebispo Hindo "que não se tratava de tiros disparados por jihadistas, cujas bases mais próximas se localizavam a mais de vinte quilômetros de distância". Segundo o Arcebispo, as iniciativas dos milicianos curdos têm como intenção afirmar o próprio controle sobre toda a cidade de Hassaké, para em seguida, consolidar a sua supremacia sobre toda a região, em detrimento das forças armadas governamentais. Mas um detalhe citado pelo Arcebispo sugere que a situação no campo é confusa e discordante com certos estereótipos que circulam no Ocidente sobre o conflito sírio: "Em Shaddadi, que já foi um reduto dos jihadistas" refere Dom Hindo "agora a situação está nas mãos de milicianos curdos. Mas sob o seu comando se alinham também muitos moradores locais que antes se recrutaram com as milícias jihadistas do Daesh ". (GV) (Agência Fides Agência Fides


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network