AMÉRICA/MÉXICO - A criação de um novo modelo educacional não pode ser deixada somente aos especialistas

Quinta, 21 Julho 2016 instrução  

Chiapas (Agência Fides) - "Estamos convencidos de que uma reforma educacional integral é necessária" reiterou o Bispo de San Cristóbal de las Casas, Dom Felipe Arizmendi Esquivel, acrescentando que isso envolve, entre outros aspectos, "analisar o conteúdo dos livros de texto; melhorar as matérias que foram subestimadas, como a educação cívica que leva a formar bons cidadãos; rever a educação sexual de modo que não seja apenas uma informação genital e incitamento à libertinagem; rever as responsabilidades dos pais, dos professores e outros protagonistas sociais; ter em conta as diferentes culturas que compõem o país, em particular as modalidades indígenas de educar para a vida. No âmbito desta revisão, é óbvio considerar a metodologia, a pedagogia, as infraestruturas escolar, os direitos e deveres dos trabalhadores, etc".
Comentando ainda a polêmica discussão sobre a Reforma educativa aprovada pelo Congresso Federal (veja Fides 24/06/2016; 12/7/2016), o Bispo cita o documento do Episcopado mexicano do ano de 2012, intitulado “Educar para uma nova sociedade”, em que era apresentada uma séria análise da educação no México e os critérios para melhorá-la. E cita, entre os outros trechos do documento, o n.18: “Se a educação não formar pessoas íntegras, que amam o bem, a beleza, a verdade e a justiça, todo o resto será fundado num terreno frágil e pouco profundo".
O Bispo de San Cristobal de las Casas conclui seu pronunciamento, enviado a Fides, com o convite a pais, professores e sociedade civil a fazer o melhor que podem para chegar a um novo modelo educativo: “Não deixemos esta tarefa somente aos especialistas convocados pelas autoridades, alguns dos quais têm uma ideologia contrária à nossa cultura. Da educação depende o país. Além dos protestos, devemos fazer propostas”. (SL) (Agência Fides 21/7/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network