ÁSIA/INDONÉSIA - Condenado por blasfêmia o ex-governador cristão de Jacarta: os cristãos confiam na Pancasila

Terça, 9 Maio 2017 islã   islã político   diálogo   democracia   sociedade civil   cristianismo   minorias religiosas   liberdade religiosa   direitos humanos   sectarismos  

Jacarta (Agência Fides) - “Um tribunal de Jacarta declarou culpado e condenou a dois anos de cárcere por blasfêmia o réu Basuki Tjahaja Purnama, conhecido como “Ahok”, cristão de etnia chinesa, ex-governador da capital, Jacarta. O tribunal, no veredicto de hoje, 9 de maio, dispôs uma sentença mais dura do que a pedida pelo ministério público (que havia pedido dois anos de liberdade condicional). Os advogados de Ahok anunciaram que apelarão.
É grande a desilusão em meio aos aliados de Ahok em Jacarta, enquanto alguns grupos muçulmanos desceram às ruas da capital para comemorar depois da sentença.
“É um episódio muito triste. Os grupos islâmicos influenciaram este veredicto e todo o episódio, incluindo a recente campanha eleitoral. Podemos dizer somente que não acabou: a defesa vai apresentar recurso enquanto nós cristãos nos dispomos sempre à justiça de Deus, que é o ‘Senhor da história’”, observa à Agência Fides pe. Agustinus Ulahayanan, Secretário da Comissão para o diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal da Indonésia.
O sacerdote afirma: “Podemos aprender uma lição desta história: a parte positiva é ver que não obstante o desapontamento dos cristãos e de muitos setores da sociedade, as reações são pacíficas e permanecem no âmbito democrático. Os cristãos indonésios creem no bem comum e nutrem profundo respeito pela Pancasila, a carta dos cinco princípios que é fundamento da Indonésia democrática. O aspecto negativo, ao contrário, é que “hoje, percebemos a fragilidade do sistema judiciário”, sublinha pe. Agustinus Ulahayanan, “e do impacto que obtiveram os grupos radicais. Nos últimos meses, houve uma evidente instrumentalização da religião islâmica com fins políticos e este fenômeno pode repercutir também nas próximas eleições nacionais. Será preciso monitorar e agir com sabedoria”.
Benny Susetyo, outro padre católico, Secretário do renomado think-tank “Setara Institute”, destaca à Fides: a condenação de Ahok é uma derrota para o estado de direito. Os grupos islâmicos radicais “venceram e isto é perigoso para o futuro desta nação”.
Os juízes de uma corte distrital de Jacarta do Norte declararam Ahok culpado de blasfêmia por ter citado impropriamente um versículo do Alcorão. Ahok foi acusado de blasfêmia segundo o artigo 156 do Código penal. No entanto, o Ministério Público, no final do processos, observando a escassez das provas e considerando várias atenuantes, sugeriu uma sentença de condenação mais leve, que a Corte ignorou.
Alguns dias atrás, milhares de balões vermelhos e brancos foram entregues a Ahok por seus aliados, cristãos e muçulmanos e mais de 5 mil coroas de flores foram enviadas à City Hall de Jacarta, sede do gabinete do governador, como saudação a Ahok, em sinal de afeto e solidariedade. Com efeito, o governador perdeu, na segunda rodada, as eleições de 19 de abril e estava se preparando para deixar o cargo ao novo governador eleito, o muçulmano Anies Baswedan, que deve assumir em outubro. Agora, Ahok foi levado a um cárcere de Jacarta. (PCP- PA) (Agência Fides 9/5/2017)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network
islã


islã político


diálogo


democracia


sociedade civil


cristianismo


minorias religiosas


liberdade religiosa


direitos humanos


sectarismos