ÁFRICA/COSTA DO MARFIM - Ataque em Gran Bassam: centenas de pessoas se refugiam na catedral, o testemunho do pároco

Segunda, 14 Março 2016 terrorismo  

Abidjan (Agência Fides) - “O Sagrado Coração de Jesus protegeu a nós e centenas de pessoas que se refugiaram em nossa paróquia”, disse Pe. Armand Zanou, pároco da Catedral do Sagrado Coração de Gran Bassam, onde em 13 de março, um grupo de terroristas atacou alguns resorts de turistas na praia, matando 16 pessoas. “A catedral, igreja mais antiga da Costa do Marfim, se encontra perto das praias atacadas”, disse Pe. Armand que conta à Agência Fides como se realizaram os fatos.
“Iniciamos uma procissão fora de nossa igreja por volta do meio-dia. Por volta das 13h, ouvimos tiros de armas de fogo e logo depois vimos várias pessoas fugirem da parte da praia e vir em nossa direção. Perguntamos a elas o que estava acontecendo e nos responderam que homens armados estavam atirando nas pessoas. Enquanto o barulho dos tiros se intensificava, aumentava o número de quem buscada refúgio na Catedral.
A seguir, depois de cerca de uma hora, chegaram os militares das forças especiais que levaram consigo cinquenta reféns que foram libertados dos resorts atacados. Eles nos protegeram até que a área foi declarada segura, por volta das 19h30”.
“Os tiroteios dos terroristas seguidos pelo confronto com o Exército duraram cerca de 45 minutos, talvez uma hora. A troca de tiros foi muito violenta. Todas as pessoas que se refugiaram no presbitério da igreja se jogaram ao chão, porque o confronto foi muito perto de nós. Tínhamos três grupos de pessoas refugiadas no presbitério: os paroquianos que estavam ali para as nossas atividades e que permaneceram bloqueados pelos acontecimentos; a primeira onde de turistas que escapou dos terroristas e a segunda, formada por reféns libertados pelas forças especiais que foram levados para a igreja. No total cerca de uma centena de pessoas entre marfinenses, franceses, belgas, libaneses e outras nacionalidades. Como se diz aqui havia muitos 'brancos'. Havia também muitas crianças”.
Pe. Armand Zanou sublinha que, infelizmente, a Catedral sofreu alguns danos por causa do acontecimento. De fato, quando os ex-reféns foram levados pelos militares diante da porta da igreja, um dos militares, que evidentemente não recebeu ordens a respeito, chamou o seu comando para perguntar onde deixar os reféns salvos e foi-lhe dito para levá-los para a nossa igreja. “Como a igreja estava fechada, pois decidi usar o presbitério como refúgio”, recorda o pároco, “os militares iniciaram a romper as janelas para fazer os civis entrar. Então eu cheguei correndo para guiar os civis para dentro. De qualquer forma, os militares nos protegeram até o final da emergência”. (L.M.) (Agência Fides 14/3/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network