ÁSIA/PAQUISTÃO - Cristão morto na prisão: investigação urgente

Sexta, 29 Janeiro 2016 minorias religiosas   violência  

Islamabad (Agência Fides) - Proceder com uma inverstigação séria e independente a fim de encontrar e punir os responsáveis da morte do cristão Liaqat Masih, 35 anos, morto depois de sofrer torturas e maus-tratos no período em que estava detido no cárcere paquistão. É o que pedem os cristãos, líderes civis e religiosos, ativistas e associações da sociedade civil no Paquistão.
Liaqat Masih, que trabalhou como motorista para Raza Hameed, filho de um político em Gujranwala, no Punjab, foi preso em 15 de novembro de 2015 com seu filho, Khurram Sunil, acusado por furto e denunciado pelo seu chefe no trabalho.
Como apurado pela Fides, Masih e o filho foram detidos em prisão cautelar na delegacia de Gujranwala sem provas nem processo, apesar de se declararem inocentes. Em 8 de janeiro, Khurram Sunil foi libertado sob caução, mas foi novamente preso em 10 de janeiro como “cúmplice no furto”.
Liaquat Masih morreu na prisão, em 14 de janeiro. Embora a autopsia afirme que se tratou de “ataque cardíaco”, o filho sustenta que o pai foi brutalmente agredido na noite antes da morte e pendurado a uma corda, de cabeça para baixo. A polícia restituiu o corpo de Liaquat Masih à família em 15 de janeiro. “A morte de Liaquat Masih faz parte de um modelo de execuções extrajudiciais de cristãos, constantemente discriminados no Paquistão”, afirma uma nota enviada à Fides pela Ong Christian Solidarity Worldwide (CSW). Junto com a “Cecil Chaudhry & Iris Foundation”, CSW pede um inquérito independente sobre o episódio e a realização de uma nova autopsia, relevando “a deterioração da situação para as minorias religiosas no Paquistão”.

(PA) (Agência Fides 29/1/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network