http://www.fides.org

America

2003-05-10

AMÉRICA/MÉXICO - “ POR UMA CULTURA DA VIDA A PARTIR DA PASTORAL FAMILIAR”. O SEGUNDO ENCONTRO CONTINENTAL DE PASTORAL FAMILIAR

Toluca (Agência Fides) – Está em andamento no México o Segundo Encontro Continental das comissões Nacionais de Pastoral Familiar que tem por tema: “por uma cultura da vida a partir da pastoral familiar”. O encontro, iniciado segunda-feira, 5 de maio, este ano ocorre em Toluca e será concluído em 9 de maio. é promovido pelo Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM), com a colaboração da Comissão Episcopal de Pastoral Familiar da Conferência episcopal Mexicana.
O encontro, que reúne diversos Bispos e 17 delegações de Conferências Episcopais do continente americano persegue os seguintes objetivos: elaborar estratégias e linhas de ação pastoral para um renovado anúncio do Evangelho da vida em uma cultura globalizada, delinear uma proposta pedagógica-metodológica e de acompanhamento que a pastoral familiar e da vida deve considerar para fazer frente aos desafios da cultura de hoje, promover a formação e o desenvolvimento das diversas áreas de pesquisa nas Comissões nacionais de Pastoral Familiar e que dizem respeito aos temas da dignidade da vida humana; promover a troca de experiências e de materiais relativos a cultura da vida, etc.
Das primeiras reflexões emergentes, os participantes destacam algumas causas que ameaçam a vida: “ a ausência de Deus na vida do ser humano gera um grave deterioramento moral que leva à obscuridade da consciência de modo que não se percebe com clareza a distinção entre o bem e o mal; a inadequada distribuição das riquezas que condena milhões de seres humanos à miséria e á fome; o escandaloso comércio de armas, o desequilíbrio ecológico, a criminal difusão de drogas e de modelos de práticas sensuais que, além de serem moralmente inaceitáveis, colocam em risco a saúde; a contracepção e o aborto que em muitos casos possuem suas raízes em uma mentalidade hedonista...”
Com o passar do tempo, “ as ameaças contra a vida não diminuem, antes, assumem dimensões alarmantes, a vezes devido à difusão que os meios de comunicação fazem destes...o recursos aos anticoncepcionais, a esterilização, o aborto e a eutanásia são apresentados como sinais de progresso e conquista de liberdade enquanto que as escolhas em favor da vida como inimigas da liberdade e do progresso”.
“Enquanto se proclamam os direitos invioláveis da pessoa humana e publicamente se afirma o valor da vida, vem praticamente negado o próprio direito à vida justamente nos momentos mais significativos da existência: o nascimento e a morte”. Eis porque o encontro, além de analisar a realidade, se propõem também a uma séria reflexão á luz do Evangelho do matrimônio da família e da vida, para chegar a propostas concretas que ajudem as famílias a anunciarem, celebrar e servir este Evangelho”.(R.Z) (Agência Fides 8/5/2003; linhas: 37; palavras: 476)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network