http://www.fides.org

Africa

2004-05-07

ÁFRICA/ANGOLA - Angola, República Democrática do Congo e Congo Brazzaville se reúnem para enfrentar o drama da expulsão dos cidadãos estrangeiros de Angola

Luanda (Agência Fides)- Os Ministros do Exterior de Angola, Congo-Brazzaville e República Democrática do Congo realizaram no dia 5 de maio uma reunião do “Mecanismo Tripartidário de cooperação e segurança”, um órgão que os três países instituíram para resolver de maneira conjunta problemas que interessam as fronteiras que os três país compartilham, e discutir problemas de segurança interna comuns a cada um dos três países.
Para o encontro, foi convidado o representante da ONU para os Grandes Lagos, Ibrahim Fall. O comunicado final da reunião, divulgado pela imprensa pelo porta-voz angolano, João Pedro, diz respeito, sobretudo, a uma questão: a repatriação forçada de milhares de cidadãos da República Democrático do Congo, que entraram ilegalmente em Angola principalmente para explorar o comércio clandestino de diamantes da Lunda Norte e Sul.
Segundo o comunicado, Angola e Congo-Kinshasa concordam que sucessivas operações de repatriação de clandestinos congoleses deverão ser comunicadas um mês antes, para que os órgãos consulares da RDC possam proceder a uma identificação dos próprios cidadãos e estabelecer mecanismos de assistência diplomática. Segundo notícia divulgada no dia 5 de maio, pelo programa português da Voice of America, existiriam também cidadãos de outras nacionalidades, presos na operação de expulsão dos imigrantes ilegais das áreas de diamantes. São cerca de 800 senegaleses, provenientes dos municípios de Cambulo, Lucapa e Chitato, e concentrados agora na cidade de Lucapa, e mais de 2000 pessoas, de nacionalidades senegalesa, malinesa, guineense, marfinense, concentrados na cidade de Cafunfo. Todos esperam para ser transportados para Luanda, de onde deveriam ingressar em seus países de origem. Voice of America relata que as condições de detenção são péssimas, e que já teriam sido registrados alguns casos de morte. (L.M.) (Agência Fides 7/5/2004)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network