ÁSIA/TERRA SANTA - No conflito e nas dificuldades, a arma da oração para tocar os corações

Terça, 16 Março 2010

Jerusalém (Agência Fides) – Diante dos conflitos que aumentam novamente em Jerusalém e do confronto que parece subtrair as esperanças da Terra Santa, “nossa resposta é a oração, a invocação ao Altíssimo, que toque os corações, dissolva o ódio e faça germinar a paz” – dizem à Agência Fides as Irmãs Carmelitas Descalças da Terra Santa. As religiosas possuem na Terra Santa quatro conventos de clausura em Jerusalém, Belém, Haifa e Nazaré, onde vivem seu carisma de “presença discreta e orante, chamada a estar diante Dele, para rezar e louvar o Senhor” – diz à Fides Irmã Maria Agnese, Superiora do Mosteiro de Nazaré, que em 2010 celebra o primeiro centenário de sua fundação.
“Vivemos a nossa fé na clausura, mas também na discrição; temos no coração a situação na Terra Santa e na Igreja Universal” – explica à Fides Irmã Maria Agnese. “Na Terra Santa, a população sofre há anos. Nossa oração se intensifica quando a situação se faz mais difícil. Nestes momentos, o Senhor se faz presente. A oração é importante porque Deus toca os corações dos homens e pode sensibiliza-los. Nossa vocação é interceder junto a Deus para que a paz retorne à Terra Santa. Pedimos que Ele ouça o grito de seu povo e rezamos para que os homens escutem a voz de Deus”.
Irmã Anna Francesca, do Mosteiro de Belém, é a coordenadora da Associação “Nossa Senhora do Carmelo da Terra Santa”, que reúne as religiosas dos quatro mosteiros: “Na Terra Santa – explica à Agência Fides – todos rezam: judeus, muçulmanos e cristãos; cada comunidade de sua maneira. A oração tem sempre a força de mudar os corações e é fonte de unidade. A oração não é inútil, ao contrário: torna-se mais importante nos momentos mais difíceis. Se olharmos ao conflito do ponto de vista humano, encontrar uma solução torna-se mais árduo. Se nos colocarmos diante de Deus em oração, ampliando nosso horizonte ao alto, tudo muda, e nosso olhar se abre ao amor”. “Graças à oração – conclui – existe ainda esperança de paz e de bem para a Terra Santa”.
As Carmelitas Descalças da Terra Santa “são um exemplo de multi-culturalismo e vivem com grande maturidade humana e espiritual esta delicada situação na Terra Santa” – destacou Pe. Saverio Cannistrà, Prepósito Geral dos Carmelitas Descalços em uma recente visita ao Oriente Médio. “A situação atual de conflito entre o mundo árabe e mundo judeu é o momento concreto que vocês hoje são chamadas a assumir, vivendo-o na oração e transformando em oferta de amor aquilo que são chamadas a sofrer em comunhão com os homens e as mulheres destes países” – disse, na mensagem dirigida às religiosas, convidando-as a participar da preparação do V Centenário de nascimento de Santa Teresa de Jesus. (PA) (Agência Fides 16/3/2010)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network