http://www.fides.org

Europa

2003-05-20

EUROPA/CROÁCIA - TERCEIRA VISITA DO PAPA À CROÁCIA: MAIS UM SINAL DA SOLICITUDE DO PAPA PARA COM UMA IGREJA E UM ESTADO AINDA JOVEM MAS EM CRESCIMENTO, NÃO OBSTANTE AS DIFICULDADES

Zagabria (Agência Fides) – De 5 a 9 de junho o Santo Padre João Paulo II estará na Croácia para a sua 100ª Viagem Apostólica: é a sua terceira visita àquela nação. A Agência Fides dirigiu algumas perguntas a monsenhor Tomo Petric, diretor nacional das Pontifícias Obras Missionárias na Croácia, sobre como se preparam para a chegada do Papa s sobre os elementos que diferenciam esta visita em relação às precedentes.

Por que o Papa vêm à croácia pela terceira vez?
O Papa vem visitar a Igreja Croata pela terceira vez após as visitas precedentes de 1994 e de 1998. O motivo principal desta vez é a beatificação da irmã Marija Petkovic, que ocorrerá durante a Santa Missa celebrada pelo Papa em 6 de junho em Dubrovnik. Marija Petkovic nasceu em 10 de dezembro de 1892 em Blato, na ilha de Korcula, na diocese de Dubrovnik. Já em idade bastante jovem dedicou-se aos pobres e em seguida fundou a Congregação das “Filhas da misericórdia”. morreu em odor de santidade em Roma, em 9 de julho de 1966. Além de Dubrovnik, o Santo Padre visitará também a cidade de Rijeka, Osijek, Dakovo e Zadar.

Como se espera a visita do Papa?
A nossa Igreja na Croácia, como todo o povo croata, está muito contente com esta nova visita do Papa. Há também o fato de ser a 100ª viagem apostólica do Santo Padre no exterior, portanto se tratará também de um reconhecimento jubilar importante. Com esta terceira visita o Papa quer dar um maior sinal de sua atenção e solicitude em direção à nossa igreja e o nosso estado, ainda “jovem”.

Existem diferenças que distinguem as três visitas de João Paulo II?
Quando o Santo padre veio pela primeira vez na Croácia, em 1994, era ainda o tempo da terrível guerra, e o Papa quer premiar-nos pela nossa fidelidade à Igreja e porque a nossa fé permaneceu intacta por 13 séculos, demonstrando-nos o seu reconhecimento. Naqueles anos as suas palavras de encorajamento foram muito importantes para nós. Em ocasião da segunda visita, em 1998, veio à Maria Districa, o Santuário mariano nacional perto de Zagabria, para beatificar o Cardeal Aloisius Stepinac, que esteve na direção da Arquidiocese de Zagabria nos anos terríveis da Segunda Guerra Mundial. se esforçou corajosamente pelos direitos dos homens, procurando proteger sobretudo os hebreus e quantos estavam privados de seus direitos por causa da guerra. O Cardeal Stepinac salvou a vida de muitos prisioneiros e deportados. logo após a guerra, quando em 1945 o regime comunista quis separar-nos da Igreja de Roma fundando uma Igreja nacional sob a sua direção, o Cardeal se opôs com todas as suas forças e pagou por esta resistência com a própria vida. Em 1946 foi condenado a 16 anos de prisão e morreu como prisioneiro em sua paróquia nativa em Krasic. Deu um grande testemunho de fidelidade ao Evangelho e à Igreja. Durante os decênios do regime comunista foi para nós como uma luz da qual a nossa igreja e o nosso povo adquiria coragem para poder resistir.
Com a sua visita, além da beatificação de Marija Petkovic, o Santo Padre quer também apoiar-nos nas dificuldades que encontramos como Igreja em um período de “transição”. Por 50 anos fomos excluídos do desenvolvimento da Igreja universal do ponto de vista teológico e pastoral e isto deixou traços evidentes. Em nosso esforço para uma rápida recuperação, as vezes tropeçamos, porque as novas estruturas não podem criar rapidamente o espírito e a consciência que faltam, tanto menos as podem suprir. A formação do espírito e da consciência requer tempo necessário para o crescimento e a maturidade, por vezes somos pouco pacientes.
A Igreja local está se preparando para o encontro com o Papa refletindo sobre a família. Por que este tema?
Em preparação à visita, os nossos Bispos dirigiram-se aos fiéis com uma carta pastoral denominada “Família – caminho da Igreja e da nação”. No documento os Bispos destacam a importância das famílias para a Igreja e para o Estado. Esta está no lugar onde nasce a vida do ponto de vista biológico, mas também o lugar onde amadurece a vida de fé. portanto os Bispos convidam a refletir sobre o papel da família na Igreja e na sociedade, a esforçar-nos juntos pelos valores da família. Na família são formados também as futuras forças da vida social e econômica. Portanto é importante saber quais valores são transmitidos nas famílias.
responsabilidade, seriedade, espírito de sacrifício, dedicação, altruísmo e por fim, tolerância e respeito para com quem é diferente são virtudes que em primeiro lugar se aprende em família. portanto, também a vida de fé na família há uma importância insubstituível. A oração, a escuta da palavras de deus, a participação à Missa dominical são os recursos espirituais para o crescimento de uma saudável vida de fé. Os Bispos exprimem também a preocupação pelos tantos males que hoje ameaçam a família, entre os quais as dificuldades econômicas do nosso país e a alta taxa de desocupação.
Por fim os Bispos indicam como modelos os dois novos beatos do povo croata: Marija Petkovic e Ivan Merz, um leigo do início do século XX (1896-1928) que o Santo Padre beatificará por ocasião de sua visita a Banja Luka (Bosnia-Erzegovina). Os novos beatos são a prova daquilo que é capaz a graça divina quando um homem se coloca a disposição do Senhor com todas as suas forças. Sob o seu exemplo, também nós devemos deixar-nos encorajar-nos pelas dificuldades e pelas crises que somos forçados a enfrentar. (MS) (Agência Fides 20/05/2003 – linhas: 72; palavras. 949)
CROÁCIA – DADOS ESTATÍSTICOS
Superfície: 62.206 km2; população: 4.650.000 habitantes. Católicos: 3.745.000; Circunscrições eclesiásticas: 15; Bispos: 27; Sacerdotes diocesanos: 1449, sacerdotes religiosos: 810; Religiosos não sacerdotes:98; religiosas:3.464; catequistas: 1.512; Seminaristas maiores: 385, Institutos de beneficência e assistência: 120. (Agência Fides 20/05/2003)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network