http://www.fides.org

Vaticano

2003-11-10

VATICANO - O PAPA BEATIFICA CINCO SERVOS DE DEUS, “PEDRAS PRECIOSAS” DO TEMPLO ESPIRITUAL QUE É A IGREJA: NELES, RESPLANDECE “A SANTIDADE, FRUTO DA OBRA INCESSANTE DO ESPÍRITO DE DEUS”

Cidade do Vaticano (Agência Fides) – “Todo lugar reservado ao culto divino é sinal daquele templo espiritual, que é a Igreja, composto de pedras vivas, ou seja, os fiéis, unidos na única fé, na participação dos sacramentos, e no vínculo da caridade. Pedras preciosas de tal templo espiritual são particularmente os Santos. A santidade, fruto da obra incessante do Espírito de Deus, resplandece nos novos Bem-aventurados.” Com essas palavras, o Santo Padre João Paulo II iniciou a homilia durante a Celebração Eucarística no Domingo, 9 de novembro. Na festa da Dedicação da Patriarcal Basílica Lateranense, o Papa presidiu a Santa Missa no sagrado da Basílica Vaticana, durante a qual proclamou bem-aventurados cinco Servos de Deus: Juan Nepomuceno Zegrí y Moreno, presbítero; Valentin Paquay, presbítero; Luigi Maria Monti, religioso; Bonifacia Rodríguez Castro, virgem; Rosalie Rendu, virgem.
Ao delinear brevemente, nas respectivas línguas, a personalidade e o carisma dos novos bem-aventurados, o Papa destacou “a profunda piedade eucarística” de Juan Nepomuceno Zegrí, que inspirou a sua espiritualidade profundamente “orientada à caridade para com os mais necessitados”. O “apóstolo da misericórdia”, o sacerdote Valentin Paquay, que transcorreu grande parte da sua vida confessional: tinha um dom particular “para conduzir os pecadores sobre o justo caminho, recordando aos homens a grandeza do perdão divino”. O Papa em seguida evidenciou a atualidade da mensagem do bem-aventurado Luigi Maria Monti: “um exemplo de fidelidade ao chamado de Deus e de anúncio do Evangelho da caridade; um modelo de solidariedade para com os necessitados e de confiança na Virgem Imaculada”.
As palavras do Evangelho proclamadas neste Domingo (“Não fazeis da Casa de meu Pai lugar de mercado”) “interpelam a sociedade contemporânea, que às vezes se sente atraída a converter tudo em mercadoria e lucro, deixando de lado os valores e a dignidade que não têm preço”, disse ainda o Papa referindo-se a Bonifacia Rodríguez Castro, que bem compreendeu os riscos desta condição social da sua época, e por isso promoveu uma espiritualidade do trabalho que considerava a dignidade da pessoa e transformava toda atividade profissional em uma oferta a Deus. Em uma época marcada por duros conflitos sociais, Rosalie Rendu fez-se “serva dos mais pobres para doar a cada um a sua dignidade” por meio de uma “caridade criativa”, que encontrava alimento em uma intensa vida de oração que fazia com que visse “em cada homem a face de Cristo”.
O Papa concluiu a sua homilia recordando o evangelho do dia: “A Jesus crucifixo e ressuscitado devem se conformar todos os membros da Igreja. Nesta empenhativa tarefa, Maria, Mãe de Cristo e nossa Mãe, nos apóia. Que os novos bem-aventurados, que hoje contemplamos na glória do céu, intercedam por nós. Que seja permitido também a nós de nos encontrarmos, todos, um dia no Paraíso, para saborearmos juntos a alegria da vida sem fim Amém!”.
VATICANO

O PAPA BEATIFICA CINCO SERVOS DE DEUS, “PEDRAS PRECIOSAS” DO TEMPLO ESPIRITUAL QUE É A IGREJA: NELES, RESPLANDECE “A SANTIDADE, FRUTO DA OBRA INCESSANTE DO ESPÍRITO DE DEUS”

Cidade do Vaticano (Agência Fides) – “Todo lugar reservado ao culto divino é sinal daquele templo espiritual, que é a Igreja, composto de pedras vivas, ou seja, os fiéis, unidos na única fé, na participação dos sacramentos, e no vínculo da caridade. Pedras preciosas de tal templo espiritual são particularmente os Santos. A santidade, fruto da obra incessante do Espírito de Deus, resplandece nos novos Bem-aventurados.” Com essas palavras, o Santo Padre João Paulo II iniciou a homilia durante a Celebração Eucarística no Domingo, 9 de novembro. Na festa da Dedicação da Patriarcal Basílica Lateranense, o Papa presidiu a Santa Missa no sagrado da Basílica Vaticana, durante a qual proclamou bem-aventurados cinco Servos de Deus: Juan Nepomuceno Zegrí y Moreno, presbítero; Valentin Paquay, presbítero; Luigi Maria Monti, religioso; Bonifacia Rodríguez Castro, virgem; Rosalie Rendu, virgem.
Ao delinear brevemente, nas respectivas línguas, a personalidade e o carisma dos novos bem-aventurados, o Papa destacou “a profunda piedade eucarística” de Juan Nepomuceno Zegrí, que inspirou a sua espiritualidade profundamente “orientada à caridade para com os mais necessitados”. O “apóstolo da misericórdia”, o sacerdote Valentin Paquay, que transcorreu grande parte da sua vida confessional: tinha um dom particular “para conduzir os pecadores sobre o justo caminho, recordando aos homens a grandeza do perdão divino”. O Papa em seguida evidenciou a atualidade da mensagem do bem-aventurado Luigi Maria Monti: “um exemplo de fidelidade ao chamado de Deus e de anúncio do Evangelho da caridade; um modelo de solidariedade para com os necessitados e de confiança na Virgem Imaculada”.
As palavras do Evangelho proclamadas neste Domingo (“Não fazeis da Casa de meu Pai lugar de mercado”) “interpelam a sociedade contemporânea, que às vezes se sente atraída a converter tudo em mercadoria e lucro, deixando de lado os valores e a dignidade que não têm preço”, disse ainda o Papa referindo-se a Bonifacia Rodríguez Castro, que bem compreendeu os riscos desta condição social da sua época, e por isso promoveu uma espiritualidade do trabalho que considerava a dignidade da pessoa e transformava toda atividade profissional em uma oferta a Deus. Em uma época marcada por duros conflitos sociais, Rosalie Rendu fez-se “serva dos mais pobres para doar a cada um a sua dignidade” por meio de uma “caridade criativa”, que encontrava alimento em uma intensa vida de oração que fazia com que visse “em cada homem a face de Cristo”.
O Papa concluiu a sua homilia recordando o evangelho do dia: “A Jesus crucifixo e ressuscitado devem se conformar todos os membros da Igreja. Nesta empenhativa tarefa, Maria, Mãe de Cristo e nossa Mãe, nos apóia. Que os novos bem-aventurados, que hoje contemplamos na glória do céu, intercedam por nós. Que seja permitido também a nós de nos encontrarmos, todos, um dia no Paraíso, para saborearmos juntos a alegria da vida sem fim Amém!”. O texto integral da homilia do Santo Padre e do Angelus, em várias línguas, está disponível no nosso site

(S.L.) (Agência Fides 10/11/2003 – Linhas 33; Palavras 483)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network