ÁFRICA/EGITO - Bispo copta-ortodoxo: a comissão permanente do nosso Sínodo tinha aprovado a Declaração Conjunta do Papa Tawadros e o Papa Francisco

Segunda, 15 Maio 2017 igrejas orientais   batismo   ecumenismo   oriente médio   papa francisco  

ToscanaOggi

Maadi (Agência Fides) - 18 a 1. Estes são os resultados significativos de apoio e resistência que a Declaração Conjunta assinada pelo Patriarca da Igreja copta-ortodoxa, Tawadros II, e o Papa Francisco obteve no final de abril e que foram coletados dentro do organismo representativo do Sínodo copta-ortodoxo, antes de ser assinada. Foi o que revelou à mídia egípcia Anba Daniel, Bispo copta-ortodoxo da Diocese de Maadi.
Três dias antes da visita do Papa Francisco ao Egito - referiu Anba Daniel - o Patriarca Tawadros II se reuniu com os membros do Comitê Permanente do Santo Sínodo copta-ortodoxo para submeter a seu juízo o texto da declaração conjunta que mais tarde foi assinada com o Bispo de Roma. Na ocasião, 18 dos 19 bispos expressaram o seu apoio ao texto a ser assinado, que também contém a passagem relativa à prática dos chamados rebatizados.
Os detalhes do consenso quase unânime expresso pelo organismo sinodal copta-ortodoxo à Declaração, referido por Anba Daniel, demonstram o amplo apoio que o Papa Tawadros tentou e encontrou entre os seus coirmãos bispos antes de assinar a Declaração e fornecem um critério objetivo para dar o justo peso também às críticas expressas por alguns expoentes da Igreja copta-ortodoxa contra a assinatura deste texto. A Declaração comum, assinada na sexta-feira, 28 de abril, no Cairo pelo Papa Francisco e pelo Patriarca copta-ortodoxo Tawadros, contém no parágrafo n. 11 o trecho em que o Papa e o Patriarca declaram que tentarão, “com toda sinceridade, não repetir o Batismo ministrado em uma de nossas Igrejas a quem desejar aderir à outra”, em obediência “às Sagradas Escrituras e à fé expressa nos três Concílios Ecumênicos celebrados em Niceia, Constantinopla e Éfeso”. Este trecho, assassinado pelo Papa Tawadros em nome do Santo Sínodo da Igreja copta-ortodoxa, expressa a intenção concreta de superar a práxis dos chamados “re-batismos”, ministrados em alguns casos por sacerdotes da Igreja copta-ortodoxa que batizam novamente os fiéis provenientes de outras confissões cristãs.
Depois da difusão da Declaração, nos blogs e nas redes sociais começaram os primeiros ataques contra o Papa Tawadros, acusado por alguns expoentes coptas de querer submeter a Igreja copta-ortodoxa à Igreja Católica. (GV) (Agência Fides 15/5/2017).


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network