ÁSIA/IRAQUE - Patriarcado caldeu: as comunidades da diáspora se encarreguem da escassez de vocações sacerdotais

Segunda, 20 Março 2017 igrejas orientais   sacerdotes  

saintadday.com

Bagdá (Agência Fides) – Muitas comunidades caldeias da diáspora, espalhadas nos países ocidentais, pedem ao Patriarcado o envio urgente de sacerdotes para a pastoral. No entanto, o Patriarcado caldeu não pode enviar ao exterior sacerdotes que trabalham nas dioceses no Iraque, pois a atenção pastoral às comunidades nos territórios de presença histórica da Igreja caldeia é prioritária. Por isso, as comunidades na diáspora, com seus Bispos, são solicitadas a tomar iniciativas para enfrentar o problema da carência de vocações sacerdotais, incentivando inclusive as ordenações sacerdotais de homens casados. São estas as indicações contidas em um comunicado que acaba de ser difundido por canais oficiais do Patriarcado caldeu, em resposta aos pedidos de envio de sacerdotes dirigidas ao Patriarcado por comunidades caldeias espalhadas em todo o mundo.
O Patriarcado, lê-se no texto patriarcal, enviado à Agência Fides, sabe bem que seriam necessários sacerdotes para as comunidades caldeias “que se encontram na Austrália, Canadá, Estados Unidos, Europa e vários países do Oriente Médio”. Mas a falta de vocações torna impossível satisfazer tantos pedidos e tendo que escolher, o Patriarcado refere que considera prioritária a permanência de um número côngruo de sacerdotes nas dioceses que administram os territórios iraquianos.
O fenômeno do êxodo dos cristãos caldeus, lê-se no documento, se intensificou nos últimos quinze anos por causa de vários fatores: falta de segurança, fundamentalismo, terrorismo de matriz sectária e instabilidade política. Para causa de todos estes fenômenos, “os cristãos sofreram muito, junto com outros cidadãos”, ressalta o documento do Patriarcado. Mas agora não há um número suficiente de sacerdotes caldeus para ser enviado a todas as cidades onde se criam novas comunidades caldeias, devido aos fluxos migratórios. A emergência, obviamente, diz respeito também a outras Igrejas do Oriente. Mas diante dessa situação, não se pode reduzir ulteriormente o número de sacerdotes que trabalham no Iraque, se não se deseja piorar a condição da comunidade já em risco de extinção nas terras em que essas Igrejas autóctones, muitas vezes de origem apostólica, floresceram.
O Patriarca caldeu, Louis Raphael I Sako, contatado pela Agência Fides, chama em causa a responsabilidade de cada bispo, incluindo aqueles que guiam as comunidades caldeias na diáspora. O comunicado difundido pelo Patriarcado caldeu convida todos eles a buscar soluções para favorecer o aumento do número de sacerdotes nas respectivas dioceses, incluindo um maior recurso à ordenação sacerdotal de homens casados, contemplada na disciplina canônica das Igrejas católicas orientais. (GV) (Agência Fides 20/3/2017).


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network