ÁFRICA/SUDÃO DO SUL - Alarme cólera: “pelo menos 300 casos suspeitos numa área vasta e muito pobre”, afirma Cuamm

Segunda, 20 Fevereiro 2017

Medici con l’Africa Cuamm

Juba (Agência Fides) – São cerca de 300 os casos suspeitos de cólera registrados em poucos dias em fevereiro nas regiões de Yirol East e de Awerial, mas o número é destinado a crescer porque “são alarmantes os relatos de quem chega aos centros de saúde dos vilarejos mais distantes”. É o que afirma um comunicado enviado à Agência Fides por Médicos com a África Cuamm. Os dados coletados provêm das regiões de Yirol East e Awerial (ex-Estado dos Lagos), onde Cuamm trabalha e coordena as atividades de 16 centros de saúde periféricos, que têm como referência o hospital de Yirol. Trata-se de uma área que apresenta várias complexidades, a partir das dificuldades para alcançar as comunidades que vivem espalhadas ao longo do Nilo e distantes dos centros de saúde, assim como a problemática para oferecer serviços adequados a uma população que, desde dezembro de 2013, cresceu impulsionada por milhares de deslocados.
“Não temos ainda a confirmação oficial de que se trata de cólera, mas nós que estamos ali pensamos que seja muito provável”, disse Giovanni Dall'Oglio, responsável pela operação de Cuamm na área. Em novembro de 2016, a intervenção de Cuamm no ex Estado dos Lagos se estendeu até cobrir todos os 8 municípios (incluindo os afetados pela epidemia de cólera), chegando a apoiar três hospitais e 90 centros de saúde periféricos, para uma população beneficiária de pouco menos de 1 milhão de habitantes, cerca de 250 mil crianças menores de cinco anos e 58 mil mulheres grávidas. Trata-se de uma área enorme, que também inclui as margens do Nilo e suas ilhas, áreas completamente desprovidas de qualquer tipo de centro de saúde. (L.M.) (Agência Fides 20/2/2017)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network