VATICANO - A solidariedade da Igreja com os doentes de hanseníase: 612 centros no mundo

Sábado, 28 Janeiro 2017 institutos missionários   doenças  

Aifo

Cidade do Vaticano (Agência Fides) - A Igreja tem uma longa tradição de assistência aos hansenianos, especialmente nos territórios de missão, que se expressa não apenas com a assistência médica e espiritual, mas também oferecendo-lhes a possibilidade de uma reinserção na sociedade.
Eloquentes a este respeito são os testemunhos de missionários santos que dedicaram suas vidas para aliviar o sofrimento dos doentes de hanseníase, como São Jozef Daamian De Veuster SSCC, universalmente conhecido como o apóstolo dos hansenianos de Molokai, e Santa Marianne Cope, OSF, que passou 35 anos em Molokai auxiliando com outras religiosas o trabalho do Pe. De Veuster; ou Santa Teresa de Calcutá, ou o Beato Jan Beyzym, S.I., que desempenhou seu ministério entre os leprosos de Madagascar, o venerável Marcello Candia e Raoul Follereau, escritor e jornalista francês ao qual se deve a criação, em 1954, do Dia Mundial dos Hansenianos, comemorado no último domingo de janeiro.
Segundo dados do último “Anuário Estatístico da Igreja”, a Igreja Católica administra no mundo 612 centros para pacientes com hanseníase. Esta é repartição por continente: na África 174, na América 43, na Ásia 313, na Europa 81 e na Oceania 1.
As nações que possuem o maior número de centros de assistência a hansenianos são: na África: República Democrática do Congo (27), Madagascar (26), Quênia (21); na América do Norte: Estados Unidos (2); México (5); na América Central: Honduras (2); na América Central-Antilhas: Haiti (2) e República Dominicana (2); na América do Sul: Brasil (14), Equador (4), Peru (4); na Ásia: Índia (234), Coreia (22), Vietnã (15); na Oceania: Papua Nova Guiné (1); na Europa: Portugal (63), Alemanha (16), Bélgica (1), Itália (1). (SL) (Agência Fides 28/01/2017)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network