ÁSIA/FILIPINAS - Natal sem os muçulmanos em Mindanao: um passo para trás

Sexta, 16 Dezembro 2016 diálogo   islã   cristianismo   violência   terrorismo   natal   minorias religiosas   jihadistas  

N.G.V.

Zamboanga (Agência Fides) - "Em algumas partes das Filipinas, especialmente em Mindanao, alguns líderes muçulmanos desencorajaram os seus seguidores a se unir aos cristãos para a celebração do Natal. Este é um sinal alarmante. Ao mesmo tempo, os bons muçulmanos e bons cristãos sofrem por esta abordagem radical das relações entre muçulmanos e cristãos.
Isso modifica a tradicional modalidade de festejar juntos as festividades religiosas mais importantes e compartilhar a alegria de um grupo religioso específico": este é o alerta enviado à Agência Fides pelo movimento para o diálogo islã-cristão "Silsilah", ativo em Zamboanga do Sul (Mindanao), no sul das Filipinas, e iniciado 30 anos atrás pelo missionário do Pime pe. Sebastiano D’Ambra.
O movimento, numa nota enviada a Fides, recorda a longa tradição de diálogo inter-religioso, em que "os cristãos enviam uma mensagem aos muçulmanos por ocasião do Ramadã e estes mandam aos cristãos uma mensagem por ocasião do Advento e do Natal". Por isso, Silsilah convida todos os fiéis "a continuarem a festejar juntos o Natal e o Ramadã", reafirmando que "estas são ocasiões para demonstrar respeito e compartilhar a mesma alegria em sinal de amizade, enquanto cada um é encorajado a ser fiel à própria fé".
A mensagem de Silsilah releva também "as notícias de novos ataques a locais e igrejas cristãs em algumas áreas nas Filipinas", reiterando quanto seja importante "estar unidos como cristãos e muçulmanos para mostrar a todos que a verdadeira relação entre os cristãos e muçulmanos é uma relação de amizade sincera. Somos irmãos e irmãs em humanidade, mesmo que diferentes por nossa religião, e nós somos chamados a ser solidários nos momentos de alegria e nos momentos de sofrimento".
A presença dos grupos radicais, como o Estado Islâmico (IS), que hoje encontra seguidores nas áreas muçulmanas no sul das Filipinas, "é uma ocasião para todos nós para fazer um exame de consciência que, talvez, nos encontramos nesta situação porque não fomos capazes de apresentar a autêntica fé cristã e aquela islâmica: estas têm pontos e valores em comum que podem ser o ponto de partida para construir uma sociedade pacífica e harmoniosa", conclui o texto. (PA) (Agência Fides 16/12/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network
diálogo


islã


cristianismo


violência


terrorismo


natal


minorias religiosas


jihadistas