ÁFRICA/MALAVI - Cárcere: de armadilha mortal a lugar de esperança, graças a uma iniciativa missionária

Terça, 13 Dezembro 2016 presos   solidariedade  

Lilongwe (Agência Fides) – “A prisão de Zomba, armadilha mortal”, escreve o Sunday Times de 4 de dezembro de 2016. “Há anos este cárcere faz parte da história de Malavi. Construído em 1937 em um então campo de refugiados, deveria acolher um máximo de 800 detentos. Hoje, com 2.400, é o “cárcere da morte”, escreve de Malavi à Agência Fides pe. Piergiorgio Gamba, missionário monfortano. “Esta prisão é como uma síntese de todas as cerca de 30 prisões, pequenas e grandes, do país, aonde estão confinados cerca de 15.000 detentos” explica o missionário, que recorda que “em 2014 a Inspetoria das Prisões enviou um relatório ao Parlamento apontando as terríveis situações de saúde, a comida inimaginável, a superpopulação, o abusos contra detentos, a falta de ventilação nas celas, pessoas detidas além de 48 horas da prisão sem alguma acusação provada, corrupção do pessoal carcerário e a insuficiência de programas de reabilitação e aprendizagem”.
É precisamente em relação à aprendizagem que surgiu a “experiência da Casa no Meio da Estrada, para transformar as prisões em centros reformadores de pessoas que se encontram dentro e fora dos muros”. Uma das iniciativas lançadas, “graças ao apoio de Patrizia Lavaselli e do Grupo de San Marino, é a escola maternal da prisão de Zomba, que se tornou uma escola de corte e costura que oferece auto-sustento e formação profissional com exames reconhecidos pelo ministério do trabalho”, explica pe. Gamba. “A sessão feminina é um canto de serenidade e o início de um caminho de recuperação de mulheres e mães fora dos muros”, sublinha pe. Gamba, porque “os guardas carcerários e as presas vivem em um novo modo de convivência na prisão. A prisão-armadilha de morte pode se tornar uma grande experiência de vida”, conclui o missionário. (L.M.) (Agência Fides 13/12/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network