ÁFRICA/EGITO - Na Igreja copta ortodoxa se discute sobre o impedimento das mulheres de receberem a eucaristia durante o ciclo menstrual

Quinta, 1 Dezembro 2016 mulher   igrejas orientais  

Wikipedia

Cairo (Agência Fides) – A Secretaria do Santo Sínodo da Igreja copta ortodoxa, com um comunicado difundido na quarta-feira, 30 de novembro, esclareceu que as controvérsias que surgiram em relação à possibilidade ou não de as mulheres receberem a Eucaristia durante os dias do ciclo menstrual não modificam a prática seguida estavelmente no âmbito copta ortodoxo durante os séculos. No comunicado, enviado à Agência Fides, se especifica que pareceres expressos também por eclesiásticos sobre tal prática através de livros e artigos, expressam somente as orientações pessoais do autor, devem ser considerados como contribuição ao aprofundamento e debate e não podem ser apresentados como expressão oficial do pensamento da Igreja e do Santo Sínodo.
As controvérsias iniciaram depois que Anba Pfnotios, Bispo copta ortodoxo de Samalut, publicou um livro intitulado “Mulheres no cristianismo” que afirma que as mulheres podem receber a Eucaristia também durante os dias do ciclo menstrual. O livro se tornou alvo de ataques violentos e denúncias da parte de setores mais rígidos da igreja copta ortodoxa.
Muitos Padres da Igreja dos séculos IV-V, tanto ocidentais quanto orientais, expressaram geralmente a convicção de que os fiéis tivessem de participar frequentemente, na medida do possível, da celebração do mistério eucarístico. Mas, a partir daqueles séculos a prática da comunhão cotidiana ou frequente tinha começado a se enfraquecer, também por causa de medidas, codificadas sobretudo nos ambientes monásticos, no temor de receber a Eucaristia sem ser dignos. Dentre as medidas exteriores, formuladas sobre as prescrições relativas à impunidade ritual de matriz judaica, o ciclo menstrual até agora era por alguns indicado como empecilho para receber a comunhão. Medida ainda seguida nas práticas das comunidades coptas ortodoxas e outras Igrejas orientais. (GV) (Agência Fides 1/12/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network