EUROPA/ESPANHA - Há 10 anos, uma mão estendida às mulheres obrigadas à prostituição

Terça, 29 Novembro 2016 mulher   direitos humanos   violência  

O centro "Al Alba" foi inaugurado em 21 de dezembro de 2006

Sevilha (Agência Fides) – "Al Alba", o centro de acolhimento e apoio para as mulheres que se encontra em Sevilha, completa 10 anos, durante os quais acolheu 2.107 mulheres. O centro trabalha segundo os objetivos que levaram à sua fundação pelas Irmãs Oblatas do Santíssimo Redentor: dar um amparo às mulheres que foram levadas à prostituição como meio de subsistência e reinseri-las na sociedade. Ainda hoje são inúmeras as mulheres vítimas de prostituição forçada, do tráfico de seres humanos e de situações de desigualdades e de exclusão social. Neste centro, são ajudadas a recuperar, em primeiro lugar, a sua dignidade, formando-as à autonomia, à independência e ao mercado de trabalho, dando-lhes confiança e esperança, além de alternativas concretas.
O centro "Al Alba" foi inaugurado em 21 de dezembro de 2006 por um grupo de mulheres espanholas e latino-americanas. "No decorrer dos anos, não mudou o seu perfil, mas a origem das mulheres: agora, a maior parte é de nigerianas, mas são oriundas também da Europa oriental, da América Latina e da própria Espanha", diz a superiora na nota enviada a Fides. O seu trabalho se realiza em quatro fases: o primeiro passo é a formação, com o ensino do espanhol, mais a realização de trabalhos sociais e a manutenção da casa. O segundo é a conscientização, "para conseguir ir à escola ou universidade, e a encontros com os assistentes sociais".
A terceira fase ocorre nos locais onde se exercita a prostituição: duas equipes se aproximam das mulheres para tentar um contato.... A quarta é uma "intervenção socioeducativa com as crianças, oferecendo às mulheres um espaço para assistir seus filhos, de modo especial os menores em idade escolar".
(CE) (Agência Fides, 29/11/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network