AMÉRICA/GUATEMALA - Bispos centro-americanos: “Continuamos a nos empenhar em construir sociedades mais justas e pacíficas”

Sábado, 26 Novembro 2016 igrejas locais   migrantes   justiça   jovens  

Sedac

Cidade da Guatemala (Agência Fides) – “Os centro-americanos que deixaram nossos países como imigrantes e os irmãos estrangeiros que migram às terras da América Central ou transitam nelas, ocupam um lugar especial em nosso coração de Pastores e no coração de nossa Igreja”. É esta a primeira preocupação pastoral dos Bispos da América central, reunidos na Assembleia anual do Secretariado Episcopal da América Central (SEDAC), de 21 a 25 de novembro na Guatemala (veja Fides 23/11/2016), expressa em mensagem publicada ao final dos trabalhos e enviada à Fides.
Inspirados pelo Papa Francisco, os Bispos exortam os governos da região a criar “projetos nacionais e regionais de atenção humanitária em favor de nossos imigrantes e migrantes que chegam a nossos países, reforçando os projetos já existentes”. O auspício expresso é que “a nossa região seja uma casa digna e habitável, de onde ninguém seja obrigado a ir embora e uma casa bastante grande para acolher outros irmãos estrangeiros que aguardam a nossa solidariedade”.
Dentre os aspectos positivos relevados no encontro, os Bispos observaram com satisfação os progressos no campo da justiça realizados em alguns países; a presença solidária da Igreja nos casos de denúncia da exploração da Criação; a profunda espiritualidade dos povos centro-americanos, que lhes permite não perder a esperança nas dramáticas situações de dor e de pobreza; o testemunho de amor de muitos casais; o compromisso missionário de sacerdotes e agentes pastorais e o empenho animado dos jovens.
“Todavia – prossegue o texto – continuamos a notar com grande preocupação o progressivo avanço do relativismo ético, o doloroso drama do tráfico de seres humanos, a violência gerada pelo tráfico de drogas, a irrefreável desigualdade econômica que fere nossas sociedades, gerando novas formas de pobreza espiritual e material”. Além disso, é preocupante a estagnação de alguns países no campo dos direitos humanos, da governabilidade e democracia. “Diante de realidades complexas e difíceis, convidamos todos a não perder a esperança e a testemunhar com a vida o poder da ressurreição de Jesus... Continuamos a nos empenhar em construir sociedades mais justas e pacíficas”.
Dentre os motivos de esperança, os Bispos citam a Jornada Mundial da Juventude de 2019, no Panamá, convidando os jovens a se preparar. “É também a grande oportunidade para os jovens centro-americanos oferecer ao mundo o seu testemunho de fiéis que fazem parte de uma Igreja principalmente jovem, alegre e missionária, enriquecida da sabedoria dos pobres e dos sangue de seus mártires”.
Na mensagem, os Bispos reiteram a sua profunda “comunhão de fé e de amor com o Papa Francisco”, a quem expressam a sua profunda gratidão por seus gestos evangélicos e por seu esforço de renovação da Igreja sob a ação do Espírito. “Por esta razão, dedicamos muito tempo para refletir sobre a Encíclica Laudato Si' e a Exortação Apostólica Amoris Laetitia, tentando colher a novidade evangélica e procurando juntos os modos concretos para atualizá-los na América Central”. (SL) (Agência Fides 26/11/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network