VATICANO - "Evangelizar é encontrar Cristo, anunciá-lo e ser renovados por Ele": Cardeal Filoni aos sacerdotes e religiosos

Sexta, 4 Novembro 2016 filoni   igrejas locais   animação missionária  

Lilongwe (Agência Fides) - A Exortação apostólica Evangelii Gaudium do Papa Francisco, “este precioso documento, deveria ser um ponto de referência para a Igreja no Maláui, chamada a permanecer no caminho da conversão e abraçar a obrigação da evangelização”. Foi o que reiterou o Cardeal Fernando Filoni, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos ao clero, religiosos e religiosas que encontrou na tarde de 3 de novembro, depois da celebração da missa na Catedral de Lilongwe (veja Fides 03/11/2016).
Depois de agradecer aos sacerdotes e religiosos “pela dedicação na obra de evangelização”, o Cardeal sublinhou que “o chamado a evangelizar nos vem do Evangelho e se renova continuamente em nosso encontro pessoal com Cristo. Evangelizar é encontrar Cristo, anunciá-lo e ser renovados por Ele”. Evidenciou que “para manter aceso em nós a chama da caridade, é preciso estar atentos a três aspectos: a nossa vida espiritual, a nossa vida moral e a nossa vida ministerial”. Deteve-se nestas três dimensões. Sacerdotes e religiosos têm “um chamado particular à santidade” que vem de sua consagração ao Senhor. “Os sacerdotes são chamados a viver radicalmente o Evangelho na sequela de Jesus: casto, pobre e obediente. O sacerdócio é sobretudo um chamado a se configurar a Cristo, Sumo e Eterno Sacerdote. Em outras palavras, devemos amar como Jesus amou, pensar como Jesus pensou, agir como Jesus agiu, e servir como Jesus serviu em todo momento de nossa vida”. Portanto, sublinhou, “o sacerdócio não é uma profissão ou um função burocrática”.
Dirigindo-se aos religiosos e religiosas, disse: “a sua santificação consiste também na ligação íntima com Jesus. Vocês foram particularmente chamados a segui-lo de perto através da profissão dos conselhos evangélicos. Ele os procurou e convidou a uma relação profundamente pessoal. Em relação à vida moral, o Cardeal Filoni se deteve em particular no tema do celibato: “Esta escolha na vida deve ser considerada no contexto do elo que se forma na ordenação ou na profissão religiosa”, destacou, recordando que “a Igreja, esposa de Jesus Cristo, precisa ser amada pelo sacerdote do mesmo modo, total e exclusivo, com o qual Jesus Cristo a amou”. Os religiosos e as religiosas, recordou ainda, “estão unidos a Cristo num elo esponsal gerado através de sua consagração. O voto de castidade traz consigo o convite e a obrigação de viver exclusivamente para Ele, numa vida de celibato livremente abraçada”.
O último aspecto tocado pelo Prefeito do Dicastério Missionário foi o do empenho ministerial em paróquias, hospitais, escolas e nos diversos campos da evangelização, com uma atenção especial pelos marginalizados, pelos migrantes e pelos escravos do nosso tempo. O Cardeal citou as palavras do Papa Francisco na Evangelii Gaudium (n.81) a propósito, e evidenciou: “Para dedicar todo o nosso tempo e as nossas energias a serviço da Igreja, precisamos da caridade pastoral e ministerial de Jesus, que deu a sua vida por suas ovelhas. Devemos imitar Jesus no seu dom de si e no seu serviço aos outros”.
Por fim, o Card. Filoni agradeceu ainda aos sacerdotes e religiosos, “seu zelo e seu empenho incansável são um grande dom para a Igreja”, exortando-os a permanecer sempre no amor ao Senhor e à Igreja. (SL) (Agência Fides 04/11/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network