ÁFRICA/ÁFRICA DO SUL - Confrontos entre a Polícia e universitários: ferido um jesuíta, para os Bispos "é necessário um acordo"

Quarta, 12 Outubro 2016 estudantes  
Pe. Graham Pugin procura impedir a Polícia de entr

Pe. Graham Pugin procura impedir a Polícia de entrar na igreja

Johanesburgo (Agência Fides) - "O que os estudantes querem é maior igualdade no acesso à universidade. Apoiamos este pedido, mas não toleramos a violência, saques e destruição de propriedades por parte dos estudantes e o uso da força por parte da Polícia e do Exército", afirma uma declaração assinada em nome da Southern African Catholic Bishop’s Conference (SACBC), por Dom William Slattery, Arcebispo de Pretória, depois dos fatos ocorridos em 10 de outubro entre a Polícia e os estudantes que protestavam por causa das taxas universitárias elevadas.
No conflito na Universidade de Braamfontein ficou ferido um sacerdote jesuíta, Pe. Graham Pugin. "Pe. Graham recebeu um golpe direto no rosto com uma bala de borracha, enquanto oferecia refúgio aos estudantes espantados”, refere Dom Slattery.
O fato teve lugar na Igreja da Santíssima Trindade em Braamfontein, revelou num comunicado enviado a Fides por Pe. David Rowan, Superior dos Jesuítas na África do Sul. "Pe. Graham foi um dos mediadores, junto com outros sacerdotes e ex-líderes estudantis, para alcançar um acordo entre os estudantes, management e outras autoridades da Universidade de Witwatersrand. A igreja da Santíssima Trindade em Braamfontein serviu como um espaço sagrado e seguro para as negociações, e esperamos que continuará assim", disse Pe. Rowan.
O balanço dos confrontos é de 20 feridos e 15 pessoas presas. "Pensamos que, nesta fase, é pouco aquilo que as autoridades universitárias podem fazer. Na verdade, se mostraram em geral, compreensivas em relação às questões dos estudantes", disse Dom Slattery. "Mas as soluções exigidas pelos estudantes no momento superam as capacidades financeiras e organizacionais das autoridades universitárias. Por outro lado, devem permanecer em nossa agenda como prioridade para o futuro", sublinha o Arcebispo de Pretória.
"Cabe ao governo garantir que o ano letivo seja concluído em paz. O governo e os alunos agora têm de resolver suas dificuldades. É preciso considerar um acordo, pois não se pode encontrar instantaneamente os enormes fundos pedidos para o ensino universitário gratuito", conclui Dom. Slattery. (L.M.) (Agência Fides 12/10/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network