ÁSIA/IRAQUE - Parlamento iraquiano contrário a qualquer modificação no status da Província de Níneve para reservar ‘áreas protegidas’ para as minorias religiosas

Terça, 27 Setembro 2016 minorias religiosas   política internacional   sectarismos  

Wikipedia

Bagdá (Agência Fides) - O Parlamento iraquiano votou ontem, segunda-feira, 26 de setembro, uma moção para impedir qualquer hipótese de modificar os confins e o status jurídico da Província setentrional de Nínive. A moção, apresentada pelo parlamentar sunita Ahmed Jarba, obteve amplo apoio da Assembleia parlamentar, recebendo também o apoio das forças xiitas e de muitos parlamentares sunitas. O povo iraquiano – declarou Jarba, depois do voto – rechaça qualquer hipótese preventiva de repartição e reconfiguração jurídica da Planície de Nínive. Segundo os promotores da moção, qualquer modificação dos confins e do atual status administrativo e jurídico da província no momento presente representaria uma violação da Constituição iraquiana. A seu ver – afirmam fontes locais consultadas pela Agência Fides -, as questões relativas ao futuro institucional da área serão abordadas apenas quando houver a plena libertação daquelas terras do domínio dos jihadistas do autoproclamado Estado Islâmico (Daesh). E em todo caso, os projetos de redesenhar a área com base étnica ou sectária representam tentativas – promovidas por forças externas – para condicionar os futuros cenários políticos da região “com o pretexto de socorrer as minorias religiosas”:
O pronunciamento do Parlamento iraquiano é um alto lá em todas as hipóteses - cultivadas dentro e fora do Iraque - para dividir a província de Nínive e encontrar "áreas protegidas" reservadas a grupos minoritários étnicos e religiosos, dotadas de ampla autonomia política e administrativa. Nos últimos tempos (veja Fides 16/9/2016), campanhas e iniciativas políticas lançadas sobretudo nos EUA tinham reproposto projetos - periodicamente renascidos - de transformar a Planície de Nínive numa área autônoma, reservada às populações cristãs caldeias, sírias e assírias. No último dia 9 de setembro, doze membros da Câmara dos Representantes dos EUA - 9 eleitos no Partido Republicano, e 3 eleitos no Partido Democrata – apresentaram à Comissão de Assuntos Externos da Câmara uma resolução para pedir ao Congresso dos Estados Unidos e à comunidade internacional a promoção do reconhecimento de uma província iraquiana correspondente à Planície de Nínive e organizada de acordo com critérios jurídicos em linha com a "autodeterminação dos povos indígenas".
A resolução, apresentada pelo republicano Jeff Fortenberry em nome de seus colegas, argumentava o pedido com uma lista de 16 considerações. Muitas delas faziam referência às campanhas realizadas nos últimos meses para impulsionar o Governo dos EUA e outras instituições políticas ocidentais a aplicarem a definição de "genocídio" às diversas formas de brutalidade e opressão perpetradas por militantes do autoproclamado Califado islâmico (Daesh) contra os cristãos e outros grupos minoritários. (GV) (Agência Fides 27/9/2016).



Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network