AMÉRICA/CHILE - A prisão não é um lugar onde se perde a esperança, se pode aprender com os próprios erros

Quinta, 28 Julho 2016 direitos humanos   mulher   igrejas locais  
Penitenciária de Coyhaique

Penitenciária de Coyhaique

Aysén (Agência Fides) - "A prisão não é um lugar onde se perde a esperança, mas é um tempo que pode fortalecer os projetos de vida de uma sociedade mais justa e fraterna; a falta de liberdade não significa falta de dignidade, coragem e confiança, as pessoas podem aprender com seus próprios erros e projetar suas vidas de uma forma mais social." São as palavras do Vigário Apostólico de Aysén, Dom Luigi Infanti della Mora, OSM após a visita à penitenciária de Coyhaique, onde se encontrou com uma detenta para entregá-la uma carta do Papa.
De acordo com a nota enviada a Fides, a carta, assinada pelo Santo Padre Francisco, respondendo a uma carta escrita pela jovem na prisão, foi enviada ao Papa há um ano através do Núncio Apostólico. A resposta do Papa chegou à Nunciatura um mês depois, mas por várias razões, foi possível entregá-la somente agora.
"Peço a Deus para conceder-lhe a luz da fé e a força da esperança, e que você consiga sentir o consolo do Deus misericordioso na proximidade das pessoas que ama", escreve o Papa, assegurando a sua oração. Ela agradeceu a resposta e muito emocionada disse que continuará a escrever-lhe para contar ao Papa que se casou e teve seu segundo filho, uma menina que vive com ela na prisão.
"De um ponto de vista espiritual é reconfortante saber que o Papa se preocupa em responder às pessoas que estão numa situação complexa. É uma alegria e uma esperança para nós, e não só para a pessoa que escreveu, saber que pode esperar uma resposta de Sua Santidade", disse o diretor regional da Gendarmeria à imprensa. (CE) (Agência Fides, 28/07/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network