AMÉRICA/PERU - Tem início o projeto “Prevenção do tráfico de pessoas e tráfico de migrantes”

Sábado, 14 Maio 2016 tráfico de seres humanos   direitos humanos   bispos  

tráfico de pessoas e tráfico de migrantes

Lima (Agência Fides) – A Comissão para a Pastoral da Mobilidade Humana da Conferência Episcopal Peruana lançou o projeto " Prevenção do tráfico de pessoas e tráfico de migrantes no Peru: reforço das redes sociais para a prevenção e a assistência às vítimas em nível nacional e nas áreas de fronteira", em colaboração com a Ong "Projeto Mundo MLAL" (Movimento de Leigos da América Latina). A proposta do projeto é contribuir para a redução da vulnerabilidade social das possíveis vítimas do tráfico e do tráfico de migrantes em todo o território peruano, com especial atenção às áreas de fronteira e aquelas consideradas em risco.
Segundo informações enviadas à Fides, uma das áreas de intervenção do projeto é o Vicariato Apostólico de Jaén, onde se realizará, graças ao apoio de Dom Gilberto Vizcarra Mori, SJ., um seminário de formação para sacerdotes, religiosos, catequistas rurais e autoridades locais para definir as redes e os planos de ação em matéria de migração e tráfico de pessoas. Este encontro terá como temas: direitos humanos e migração, Doutrina Social da Igreja em matéria de migração e realidade do tráfico no Peru. Está previsto que seja o início de um trabalho pastoral constante e uma coordenação permanente com as instituições do Governo e da sociedade civil na área, para proteger os migrantes e suas famílias.
Segundo o último relatório da Comissão delegada pelo Congresso para seguir este problema, intitulado “Plano nacional de ação contra o tráfico de pessoas no Peru 2011- 2016", o Peru é considerado o lugar de origem e trânsito para o tráfico internacional. O primeiro grande problema é a falta de dados atualizados. De 2004 a 2011 a Polícia nacional registrou 974 vítimas (92% femininas e 8% masculinos). As áreas com mais vítimas são as do interior do país e a floresta amazônica. O governo informou que em 2011 as vítimas foram 58% menores. (CE) (Agência Fides, 14/05/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network