ÁSIA/FILIPINAS - Apelo aos novos líderes: uma governance enriquecida pela misericórdia

Quarta, 13 Abril 2016 política   jubileu da misericórdia   corrupção  

EAPI

A formação dos leigos, propedêutica à política

Manila (Agência Fides) – Para garantir um bom governo e uma ação política orientada ao bem comum, os novos líderes das Filipinas deveriam adotar a abordagem da misericórdia: é o que afirma, a menos de um mês das eleições gerais de 9 de maio, o Redentorista pe. Amado Picardal, Secretário executivo da Comissão Episcopal para as Comunidades Eclesiais de Base, da Conferência Episcopal das Filipinas. Como informa uma nota recebida pela Fides, “o que o país precisa é uma governance enriquecida da misericórdia”. Recordando os tempos do Jubileu, “seria oportuno olhar à misericórdia como uma das qualidades principais a se buscar nos candidatos políticos”, releva.
Mas o que significa para os líderes políticos “ser misericordiosos”? Pe. Picardal, engajado há muito tempo na pastoral na ilha de Mindanao, responde indicando pessoas que “fazem o máximo para que prevaleçam a justiça e a paz”.
“Líderes duros e afoitos emergiram em vários momentos do passado, com resultados desastrosos” observa, referindo-se aos tempos da ditadura. “Se os líderes eleitos não tiverem piedade, o povo vai acabar em uma sociedade na qual reina o terror, são violados os direitos humanos e ignorado o estado de direito”, prossegue.
“Os líderes compassivos estão conscientes e preocupados com a situação do povo, especialmente os pobres e marginalizados. Asseguram que a economia não exclua ninguém e não beneficie grandes capitalistas e multinacionais estrangeiras, que não se destrua o meio ambiente” acrescentou. “Os líderes animados pela misericórdia – conclui – não são corruptos e não toleram a corrupção”. (PA) (Agência Fides 13/4/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network