ÁSIA/SÍRIA - O Patriarca sírio-ortodoxo: os cristãos orientais que emigram no Ocidente devem preservar sua identidade

Sexta, 11 Março 2016

ancawa.com

Damasco (Agência Fides) - A cultura em que cresceram os cristãos no Oriente “é, sem dúvida, diferente daquela que encontram no Ocidente. Esta diferença se nota na dificuldade que os prófugos encontram em se integrar nas sociedades ocidentais”. Levando isso em consideração, convém que os batizados orientais impulsionados a emigrar para os países ocidentais preservem a própria identidade de cristãos do Oriente, evitando que esta seja dissipada no impacto com a cultura ocidental. Estas são algumas das sugestões eloquentes contidas na Carta Encíclica dirigida aos fiéis pelo Patriarca Mar Ignatius Aprhrem II, Primaz da Igreja sírio-ortodoxa, por ocasião do início da Quaresma.
No texto, o Patriarca sírio-ortodoxo insiste que “nós temos também a necessidade de trabalhar sobre como conciliar muitos aspectos da nossa cultura com aquela da sociedade ocidental, sem ser contagiados pelo ateísmo e pelo laicismo ocidental, que podem entrar em conflito com os nossos valores cristãos”. Na Encíclica patriarcal, enviada à Agência Fides, Mar Ignatius I Aphrem II, examina com cuidado os mecanismos de fechamento e as reações demagógicas com tons xenófobos que estão prevalecendo em vários países ocidentais diante da emergência global dos fluxos migratórios. “Funcionários e líderes políticos”, adverte o Patriarca, colocaram as mãos na “lei e vínculos para organizar e controlar a emigração. Eles o fazem porque a imigração se tornou um instrumento para exercer pressão nos países que recebem os imigrantes. Alguns refugiados estão criando problemas nos países que os hospedam e isso é usado para alimentar o extremismo étnico e um crescente sentido de fanatismo nacional. Alguns miram em politizar a questão e a transformá-la num instrumento de pressão sobre os países, esquecendo o caráter humanitário deste problema e a necessidade de enfrentar os refugiados e os imigrantes como pessoas que precisam de ajuda, acolhimento e atenção”. Em sua Carta Encíclica, o Patriarca sírio-ortodoxo denuncia também os “maus-tratos e discriminações” contra os refugiados, e disse saber dos “casos de perseguições baseados nas diferenças religiosas dentro dos campos de refugiados na Europa”. (GV) (Agência Fides 11/3/2016).


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network