ÁFRICA/BURUNDI - Expectativa para a chegada da delegação da União Africana, mas a população tem poucas esperanças

Terça, 9 Fevereiro 2016 grupos armados  

O Presidente de Burundi Pierre Nkurunziza

Bujumbura (Agência Fides)- “Aguardamos a chegada da delegação da União Africana (UA), que deve se encontrar com o Presidente Pierre Nkurunziza para tentar convencê-lo a aceitar a missão de paz que a UA pretende enviar a Burundi, à qual se opôs até agora”, dizem à Agência Fides fontes locais de Bujumbura, capital de Burundi. “Infelizmente, não nutrimos muitas esperanças quanto ao sucesso da iniciativa da UA”, acrescentam as nossas fontes.
A delegação é composta pelos Chefes de Estado e de governo de 5 Estados africanos. Os Presidentes Mohamed Ould Abdel Aziz da Mauritânia, Ali Bongo do Gabão, Macky Sall do Senegal, Jacob Zuma da África do Sul e o Primeiro-Ministro da Etiópia, Hailemariam Desalegn. Segundo as nossas fontes, a delegação africana poderia chegar a Burundi daqui dois dias.
Enquanto isso, não diminuem as violências ligadas à crise política provocada pelo terceiro mandato presidencial de Nkurunziza. “Todas as noites, em Bujumbura, se ouvem tiros e, pela manhã, se encontram os corpos de pessoas assassinadas nas horas noturnas”, referem as fontes de Fides. Às violências e aos desaparecimentos, obra das forças de segurança e das milícias ligadas ao poder, se acrescentaram os atentados perpetrados por grupos da oposição armada, que reivindicaram algumas dessas ações contra militares e a polícia, mas não contra a população civil. Governo e oposição armada se acusam reciprocamente pelas mortes de civis inocentes. Desde abril de 2015 (quando Nkurunziza anunciou sua candidatura para o terceiro mandato) até hoje, mais de 400 burundineses perderam a vida e pelo menos 230.000 se refugiaram nos países limítrofes. (L.M.) (Agência Fides 9/2/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network