ÁSIA/IRÃ - Diretor nacional das POM: agradecemos o Presidente Rohani e o Aiatolá Khamenei pelo fim do embargo

Segunda, 25 Janeiro 2016 diplomacia  

Teerã (Agência Fides) – O fim do embargo contra o Irã “representa para todos nós, que pertencemos ao povo iraniano, um evento histórico. Sente-se um clima de felicidade que envolve todo o povo, muçulmanos e cristãos. Como sacerdote, eu vejo isso tudo como um sinal das bençãos do Senhor, neste Jubileu da Misericórdia”. Assim, o sacerdote iraniano Hormoz Aslani Babroudi, da diocese de Urmias e Salmas dos Assírio-caldeus, Diretor nacional no Irã das Pontifícias Obras Missionárias (POM), descreve o clima que se sente também entre os cristãos do país, depois dos primeiros afeitos do acordo nuclear alcançado em Viena, em 14 de julho passado, que entrou em vigor em 16 de janeiro.
Às vésperas do encontro entre o Presidente Hassan Rohani e o Papa Francisco, o sacerdote caldeu ressalta os méritos que tiveram o Chefe de Estado iraniano e o Aiatolá Ali Khamenei ao favorecer a guinada que abre uma nova fase nas relações entre o Irã e a comunidade internacional: “É preciso agradecer todos os responsáveis”, informa à Agência Fides pe. Hormoz “que trabalharam duro para que se alcançasse este progresso, tão importante para o Irã e também para o mundo inteiro, o Presidente Rohani e todos os seus colaboradores. Não podemos esquecer o Líder Espiritual, que desde o início apoiou e encorajou os políticos a cumprirem seu dever no melhor dos modos, para que o mundo soubesse da boa vontade e do valor do povo iraniano”.
Os longos anos de “injusto embargo” acrescenta o Diretor das POM no Irã “criaram dificuldades na vida de todo o povo, mas não eliminaram a esperança. Não obstante o embargo e a pressão exercida injustamente contra o Irã, o povo permaneceu unido e prosseguiu no desenvolvimento da tecnologia, da ciência e da cultura”. No parecer do sacerdote iraniano, o fim do embargo representa também a derrota das ações de propaganda atuadas para desacreditar o país: “Durante anos”, frisa pe. Hormoz “o Irã documentou diante do mundo inteiro suas intenções pacíficas em relação à questão da produção de energia nuclear. Creio que o fim do embargo seja também um efeito das muitas orações elevadas pelo povo para pedir que fosse reconhecido como um povo pacífico e amante da paz, diferentemente das falsas opiniões difundidas em várias partes do mundo”.
O sacerdote Hormoz Aslani Babroudi desempenha sua atividade pastoral na Catedral caldeia de Urmias e Salmas.
(GV) (Agência Fides 25/1/2016)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network