http://www.fides.org

Ciência e Medicina

2003-10-07

REPÚBLICA DE CABO VERDE/ILHA DO FOGO - OS FREIS CAPUCHINHOS CONCLUEM OS TRABALHOS NA ILHA DO PRIMEIRO CENTRO SÓCIO-SANITÁRIO DANDO PRIORIDADE AOS MAIS POBRES

Roma (Agência Fides) – Está para ser inaugurada a primeira estrutura sanitária na ilha Fogo, graças ao trabalho e ao empenho do Centro Missões Estrangeiras dos Freis Capuchinhos, da Associação Missionária Solidariedade e Desenvolvimento, do Grupo Medicina Solidária. A construção do centro sócio-sanitário S. Francisco teve início em 1998 por idéia do Fr. Ottavio Fasano, que recentemente voltou à Itália depois de uma visita aos trabalhos. Contatado telefonicamente pela Agência Fides, o sacerdote nos falou gentilmente e entusiasticamente desta sua “cria”.
O hospital da ilha Fogo (35.000 habitantes), onde foi construído o Centro Sócio-Sanitário S. Francisco, usufrui de uma área de 20.000 m². Os trabalhos de construção foram confiados a pedreiros e à mão-de-obra locais e no decorrer destes anos contou com a colaboração de centenas de voluntários. Em novembro de 2002, foram oficialmente inauguradas as alas dos ambulatórios e dos laboratórios, e o Centro iniciou parcialmente a sua atividade. Em janeiro de 2004, serão inauguradas as salas operatórias e o Centro se tornará plenamente operativo.
Todo o projeto foi concebido e realizado em estrita colaboração com o Instituto das Irmãs Franciscanas de Cabo Verde, fundado por um missionário capuchinho, Fr. Pio Gottin, que faleceu em 2000. No Centro estarão presentes três médicos residentes (um cirurgião, um dentista e um anestesista), uma laboratorista, um radiologista, duas enfermeiras instrumentadoras, seis enfermeiros profissionais e seis para serviços auxiliares. Estas pessoas vão seguir a atividade ordinária e coordenarão as equipes voluntárias, que todos os meses chegarão à ilha para visitas mais especializadas. As visitas ambulatoriais dos especialistas serão oferecidas à população em geral, com especial prioridade para as faixas mais pobres.
Em Cabo Verde existem somente dois verdadeiros hospitais: em Cidade de Praia, a capital situada na ilha S. Tiago, e em Mindelo, na ilha de S. Vicente. Nas outras ilhas há pequenos centros sanitários que não dispõem de salas operatórias, as estruturas são carentes e o pessoal é modesto. Na ilha Brava (6.000 habitantes) há somente um médico com uma enfermeira em um pequeno ambulatório.
Além disso, conclui Fr. Fasano, diante da carência de pessoal preparado profissionalmente, em particular de médicos especializados e de enfermeiros, nasceu a idéia de organizar um curso de formação profissional na Itália para três médicos cabo-verdianos, no final do qual voltarão à Ilha para trabalhar nos hospitais nacionais. No endereço www.fides.org uma ficha sobre o País e sobre as Missões Estrangeiras dos Freis Capuchinhos (AP) (Agência Fides 7/10/2003; Linhas:33 Palavras:394)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network