EUROPA/ITÁLIA - O Card. Filoni: a África necessita de encorajamento e solidariedade, não de migrações, de compra de armas e de saques

Segunda, 16 Março 2015

Roma (Agência Fides) – “Em Cristo, este amado continente de Comboni, onde quis terminar a sua vida, necessita de líderes políticos corajosos e proféticos, que sabem se inspirar no Evangelho; Bispos e sacerdotes segundo o coração de Cristo; leigos generosos e responsáveis, filhos devotos que olham para a própria terra não como local problemático e avaro, mas rico de bem e de esperança, onde se semeia e se constrói.” São as palavras com as quais o Card. Fernando Filoni, Prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, concluiu a homilia da Celebração Eucarística que presidiu no domingo, 15 de março, no encerramento do Congresso “África, continente a caminho” (veja Fides 14/03/2015).
O Prefeito do Dicastério Missionário citou os dois Sínodos Especiais que “analisaram de maneira aprofundada a África”, em 1994 e em 2009, que produziram as Exortações apostólicas “Ecclesia in Africa” e “Africae Munus”. Em especial, esta última focalizou a atenção sobre a necessidade da reconciliação, da promoção da paz e da justiça, na verdade. “Palavras mais do que nunca oportunas – comentou o Cardeal – no contexto de um Continente afligido por numerosas guerras, violências e ódios, especialmente no norte (Líbia), e na Região Subsaariana (Nigéria, Níger, Chade, Camarões, República Centro-Africana, norte da República do Congo e Sudão do Sul). E que dizer de outras guerras: ebola, malária, dengue, AIDS e as inúmeras doenças endêmicas que atingem a população em todos os lugares? Depois há ainda as divisões tribais, os saques das riquezas naturais e minerais, a pobreza de muitos que contrasta com as riquezas de poucos e a corrupção em vários níveis”.
“Africae Munus” pediu à África que tivesse coragem de levantar-se e empreender o caminho. “Trata-se de um apelo à re-generação do Continente – disse o Card. Filoni -, como um eco àquele ‘Plano para a regeneração da África’ que foi concebido por Comboni em 1864, 150 anos atrás. A ideia central: ‘regenerar a África com a África’, hoje podemos dizer que é mais do que uma ‘ideia’ se, como é verdade, este Continente hoje conta cerca de 536 circunscrições eclesiásticas por uma população estimada em 1.066.140.000 habitantes, com 200 milhões de católicos… o sonho de Comboni, graças à obra de religiosos, religiosas e leigos nesses 150 anos de missionariedade, tomou consistência e se tornou realidade”. Comentando então as leituras do dia, o Card. Filoni destacou que a África “necessita de encorajamento e de solidariedade. Não precisa de migrações, de compra de armas e de saques. Necessita de solidariedade: este é o novo sonho!” E concluiu: “Cristo permanece a fonte da sua regeneração espiritual e moral. A África não dever ser um ‘problema’, como por exemplo às vezes pensam as sociedades opulentas ocidentais, mas uma terra capaz de crescer e se desenvolver, e de participar ao bem e à vida internacional”. (SL) (Agência Fides 16/03/2015)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network