http://www.fides.org

News

2014-01-14

ÁFRICA/MOÇAMBIQUE – Os confrontos entre o exército e a RENAMO provocam graves consequências nos civis

Maputo (Agência Fides) – Os combates entre forças de segurança e guerrilheiros da RENAMO (Resistência Nacional Moçambicana), obrigaram à fuga mais de 4 mil pessoas na província de Sofala, no centro-sul de Moçambique.
Nesta província, na floresta de Gorongosa, em Satunjira, se localizava a sede geral da RENAMO, conquistada pelo exército em 21 de outubro. A área circunstante foi evacuada pela população que se transferiu para a cidade de Gorongosa.
Outros combates foram assinalados no sul de Moçambique (veja Fides 10/1/2014), o que faz temer um agravamento do conflito entre a RENAMO e o governo dirigido pela FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique). Os dois movimentos combateram numa guerra que devastou o país de 1975 (ano da independência) a 1992, quando em Roma, as duas partes assinaram acordos de paz, que permitiram à RENAMO tornar-se um partido político.
Em 13 de janeiro, o governo anunciou que a RENAMO não se apresentou em uma sessão de negociações prevista para aquele dia. As duas partes ainda não conseguiram chegar a um acordo para prosseguir a tratativa. A RENAMO pediu, de modo especial, que dentre os mediadores constem personalidades estrangeiras (como o Bispo auxiliar de Roma Dom Matteo Zuppi) e que observadores de EUA, China, Portugal, Cabo Verde, Quênia e Botsuana participem das tratativas. O pedido foi rechaçado pelo governo.
As condições de segurança foram agravadas também pela chaga dos sequestros de estrangeiros e de moçambicanos abastados. O último é um empresário de origem indiana sequestrado em 10 de janeiro no centro de Maputo.
As importantes jazidas de gás (e carvão) de Moçambique estão despertando interesse em vários países, como o Japão, cujo Premiê, Shinzo Abe, foi recebido em Maputo em 12 de janeiro. (L.M.) (Agência Fides 14/1/2013)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network