VATICANO - Santa Marianne Cope, por 35 anos, sinal de esperança entre os leprosos de Molokai

Sábado, 20 Outubro 2012

Cidade do Vaticano (Agência Fides) - Dentre os beatos canonizados no domingo 21 de outubro, Dia Mundial das Missões, está a figura da religiosa Marianne Cope (1838-1918), que, juntamente com a Ascensión Nicol Goñi, foi a primeira serva de Deus a ser beatificada pelo Papa Ratzinger, em 14 de maio de 2005, em São Pedro. Marianne nasceu em 23 de janeiro de 1838 em Heppenheim, na Alemanha. A sua família emigrou para os Estados Unidos estabelecendo-se na cidade de Utica (Nova York). Em 19 de novembro de 1862, aos 24 anos, ele entrou para a Congregação das Irmãs da Ordem Terceira de São Francisco de Syracuse, onde, por causa de suas dádivas humanas e espirituais, foi chamada a desempenhar cargos importantes. Eleita madre geral em 1877 e confirmada em 1881, durante seu mandato, recebeu o pedido de religiosas para ir ajudar os leprosos na ilha de Molokai, no Havaí.
Padre Damiano de Veuster (1840-1889), beatificado pelo Papa João Paulo II em 4 de junho de 1995 e canonizado por Bento XVI em 11 de outubro de 2009, tinha escolhido viver entre os leprosos de Molokai, mas a situação era tão ruim que sentiu a necessidade da presença de algumas religiosas para atender as muitas necessidades. Madre Marianne respondeu imediatamente ao apelo e acompanhou pessoalmente seis irmãs de sua congregação. Para incentivá-las a realizar esta missão difícil, na ausência de alimentos, remédios e todo tipo de assistência, Madre Marianne decidiu ficar na ilha, onde entre várias dificuldades serviu os leprosos até sua morte, em 9 de agosto de 1918. (SL) (Agência Fides 20/10/2012)


Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network