http://www.fides.org

Europa

2010-11-24

EUROPA - O escritor Guitton: “50 milhões de cristãos perseguidos no mundo”

Roma (Agência Fides) – "É difícil fazer estimativas precisas, mas de acordo com os relatórios internacionais, pode-se dizer que mais de 50 milhões de cristãos sofrem perseguição, desprezo e discriminação". Isto é o que diz, numa entrevista à Agência Fides o intelectual francês René Guitton, autor do texto "Cristofobia" em Roma para apresentar o Relatório 2010 sobre a Liberdade Religiosa no mundo da fundação "Ajuda à Igreja que Sofre". Fides o entrevistou.

O que significa cristofobia?

É um neologismo, mas é fácil de entender: indica a exclusão, a fobia contra os cristãos. Quer significar um ódio contra os cristãos como tais. Na minha vida eu lutei contra todas as formas de comunitarismo, que gera a exclusão de outros. Mas a cristofobia é um fenômeno que cresceu especialmente nos últimos 10 anos: é por isso, eu criei essa palavra.

Então, é um fenômeno novo?

Podemos dizer que é novo, mas existe de forma oculta há séculos. Começou a se expressar de forma clara após a independência alcançada pelos países que foram colonizados, mas aumentou muito desde 11 de setembro por causa das minorias extremistas que são de matriz islâmica, hinduísta ou cometem abertamente a hostilidade e a violência contra a comunidade cristã. Por isso, pode ser considerado "novo". A cristofobia explodiu mais uma vez, por exemplo, quando o Pastor Terry Jones na nos Estados Unidos ameaçou queimar o Alcorão. Até o Sínodo dos Bispos para o Oriente Médio foi considerado uma agressão aos grupos extremistas islâmicos. Qualquer coisa os cristãos façam ou dizem é um pretexto para a agressões. Podemos dizer que existe um ódio anti-cristão.

Você pode citar algumas cifras?

É muito difícil fazer isso, por causa das estimativas que são também bastante contraditórias sobre o mesmo número de minorias cristãs em vários países do mundo. No entanto, podemos dizer que os cristãos são vítimas de perseguições, desprezo e discriminações são mais ou menos 50 milhões no mundo inteiro.

O que são as raízes da “cristofobia”?

A cristofobia surgiu principalmente naqueles países que obtiveram a independência depois dos anos 50 do século passado. Os ocidentais, colonizadores, foram identificados como cristãos, num amálgama cultural-religioso. Ainda hoje, essas razões são citadas pelos grupos extremistas islâmicos contra o Ocidente e se justificam atos de violência como resposta aos sofrimentos sofridos no passado. É certamente um raciocínio esquemático e simplista, mas é isso que é usado para culpar os cristãos e justificar a violência.

Acredita que seja possível uma "aliança de civilização" entre o cristianismo e islamismo?

Tudo começa a partir de um dado: O Ocidente é definido cristão e o Oriente muçulmano. Para estabelecer uma aliança, é preciso superar esse esquema e enfrentar os problemas a nível global, por exemplo, a nível de Nações Unidas. Se os cristãos defendem somente os cristãos, judeus protegem os judeus, e os muçulmanos protegem os muçulmanos, os obstáculos permanecem. É preciso tratar o problema da violência como um ato desumano, é preciso tutelar as minorias e todas as comunidades religiosas, e assim contribuir a reduzir as distância entre as diferentes comunidades. A aliança é possível se todos aprendem a defender os direitos humanos e a lutar contra as perseguições cometidas contra qualquer comunidade religiosa, e defender todas as minorias, que são atacadas, no Oriente e no Ocidente.

Entrevê alguma esperança?

A esperança vem do novo mundo, feito de migração e globalização. Nos Emirados Árabes Unidos, por exemplo, são construídas igrejas por causa da presença de imigrantes cristãos (principalmente das Filipinas e África). Esperamos e desejamos uma globalização da liberdade de consciência e de religião, uma globalização dos direitos. (PA) (Agência Fides 24/11/2010)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network