http://www.fides.org

Asia

2004-04-16

ÁSIA/IRAQUE - Hoje, 16 de abril, as crianças de Bagdá recebem a Primeira Comunhão. Dom Athanase Matti Shaba Mattoka, Arcebispo da Igreja siríaca de Bagdá declara: “A convivência entre os credos iraquianos é possível”

Bagdá (Agência Fides)- “Pedimos a oração de todos os cristãos pelo povo iraquiano, neste momento tão difícil para nosso país” - diz à Agência Fides Dom Athanase Matti Shaba Mattoka, Arcebispo da Igreja siríaca de Bagdá. “Todos os cristãos iraquianos rezam e se empenham para que a convivência entre todos os credos iraquianos, que dura há 1600 anos, não se deteriore” - continua. “Aqui, estamos todos preocupados por um possível ataque às cidades de Najaf e Falluja. Espero que isso não aconteça, porque estamos certos de que o diálogo é o caminho para sair da violência”.
Na Páscoa, Dom Mattoka se empenhou muito em recolher ajudas a enviar a Falluja, centro de combates. A Agência Fides o contatou enquanto estava indo visitar as famílias cujos filhos recebem a Primeira Comunhão.
“Estou indo a Bagdá encontrar as crianças que hoje recebem a Eucaristia pela primeira vez” - diz o Arcebispo. “É um gesto de paz e de confiança no futuro, além de ser uma forma para partilhar da alegria destas crianças e suas famílias”.
Hoje, 16 de abril, crianças de todas as confissões católicas de Bagdá recebem a Primeira Comunhão. “A Primeira Comunhão é celebrada hoje, porque sexta-feira no Iraque é um dia de festa. As famílias podem se reunir e apesar do clima de insegurança, tantos cristãos quiseram festejar este evento” - conclui o Arcebispo. “Neste momento, tão dramático, o Senhor Jesus nos aproxima, com a Eucaristia, das crianças iraquianas, que encarnam a esperança de um futuro melhor” - disse ele.
O fato que a convivência entre os credos é possível no Iraque nós pudemos constatar em Mosul, no norte do Iraque. No dia de Páscoa, circularam ameaças contra a comunidade cristã. O governador de Mosul, um muçulmano, foi pessoalmente às Igrejas cristãs tranqüilizar os fiéis, assegurando-lhes que não tinham nada a temer e participando das celebrações, com os cristãos. (L.M.) (Agência Fides 16/4/2004)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network