http://www.fides.org

Intenção Missionária

2008-11-25

INTENÇÃO MISSIONÁRIA - “Para que os cristãos, principalmente nos Países de missão, por meio de gestos concretos de solidariedade, mostrem que o Menino nascido na caverna de Belém é a luminosa Esperança do mundo” - Comentário à Intenção Missionária indicada pelo Santo Padre para o mês de dezembro de 2008

Cidade do Vaticano (Agência Fides) – estamos assistindo à perda das raízes cristãs da Europa e dos países de antiga tradição cristã. O conselho comunal da cidade inglesa de Oxford decidiu suprimir a festividade de Natal e substituí-la pela “Festividade da luz invernal”. Diante desta decisão, o Arcebispo Gianfranco Ravasi afirmou: “Enquanto que, no passado, se combatia a presença dos símbolos religiosos, faziam-no com argumentos, até mesmo com o desejo de se opor a um sistema alternativo, agora, ao contrário, muitas vezes, esse avanço da negação é uma espécie de nuvem negra, de neblina, característica da secularização atual”.
“A luz brilha nas trevas, mas as trevas não a compreenderam” (Jo 1, 5). O homem do nosso tempo continua a precisar de luz e esperança. É triste que sejam assumidas posições de rejeição à luz, mas como dizia S. Agostino: “A luz que é amável aos olhos saudáveis, é odiosa aos olhos doentes”.
Diante do fim dos argumentos racionais da verdade, são necessários outros argumentos que possam chegar a todos: a força da caridade. Papa Bento XVI, na sua primeira encíclica Deus Caritas est, fala da atividade caritativa da Igreja e faz referência ao testemunho de Tertuliano, destacando como a solicitude dos cristãos para com os necessitados de todo o tipo, gerava surpresa nos pagãos (cfr. DCE, 22).
Diante da muralha que as trevas levantaram diante da luz, os cristãos têm o desafio de apresentar Jesus Cristo aos homens, por meio de gestos concretos de solidariedade e de amor, como “a Luz verdadeira que ilumina cada homem” (Jo 1,9).
Para aqueles que ainda não conhecem Cristo, o testemunho da caridade converte-se numa revelação. É certo que a caridade não deve ser praticada com fins de proselitismo, para incorporar novos adeptos a uma religião, mas é também verdade que o amor conquista e leva.
O homem foi criado por amor e para o amor. Cada homem experimenta a necessidade de amare e de ser amado, e quando encontra um amor verdadeiro, gratuito, incondicional, descobre nele a verdade, encontra Deus.
O exercício da caridade não pode deixar Deus de lado. Muitas vezes o maior sofrimento do coração humano deve-se à ausência de Deus. “Quem exerce a caridade em nome da Igreja nunca tentará impor aos outros a fé da Igreja. Ele sabe que o amor na sua pureza e na sua gratuidade é o melhor testemunho de Deus, no qual acreditamos e pelo qual somos levados a amar. O cristão sabe quando é hora de falar com Deus e quando é justo se calar diante d’Ele e deixar falar somente o amor. Ele sabe que Deus é amor (cfr 1 Jo 4, 8) e se faz presente exatamente nos momentos em que nada mais é feito além de amar amare”. (DCE, 31c).
Quanta beleza traz consigo o Natal! Contemplar o Amor que se fez carne, motiva. N’Ele podemos constatar que o amor de Deus por nós não são só palavras. “Deus, de fato, amou tanto o mundo a ponto de dar o seu Filho único, para que quem nele crê não morra, mas tenha a vida eterna”. (Jo 3, 16). Deus manifesta o seu amor com a entrega, com o dom de si mesmo.
A Igreja deve ser missionária com o testemunho da sua caridade. O amor de Deus entra na história através daquele pequeno Menino. Deus deseja que por meio do testemunho da nossa caridade, nós homens possamos conhecer a esperança, a força do amor que salva.
Enquanto alguns preferem celebrar a “Festividade da luz invernal”, há uma só Luz que pode iluminar o coração do homem, dando significado e esperança às questões mais profundas, ao sofrimento e à morte: Jesus Cristo, “Deus de Deus, Luz da Luz” que manifesta o seu amor na pobreza de Belém. (Agência Fides 25/11/2008)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network