http://www.fides.org

Intenção Missionária

2008-09-01

INTENÇÃO MISSIONÁRIA - “Para que toda família cristã, fiel ao sacramento do matrimônio, cultive os valores do amor e da comunhão, de modo a ser uma pequena comunidade evangelizadora, aberta e sensível às necessidades materiais e espirituais dos irmãos”. Comentário à Intenção Missionária indicada pelo Santo Padre para o mês de setembro de 2008

Cidade do Vaticano (Agência Fides) - Sem dúvida, o matrimônio é uma das realidades mais afetadas na nossa sociedade. Em uma cultura relativista e destituída da idéia do Criador, o homem tende a se tornar centro e medida de todas as coisas. Não se reconhece mais como criatura, está convicto de que a sua vida e o seu corpo lhe pertencem como dom absoluto. Não procura uma finalidade última para a sua existência, uma meta que transcenda aquilo que é imediato, tangível e prazeroso.
O Papa João Paulo II, na Familiaris consortio, ressaltava os sinais da preocupante decadência de alguns valores fundamentais da família: “uma errônea concepção teórica e prática da independência dos cônjuges entre si; as graves ambigüidades na relação de autoridade entre pais e filhos; as dificuldades concretas, que a família freqüentemente experimenta na transmissão dos valores; o número crescente de divórcios; a ferida do aborto; o recurso cada vez mais freqüente da esterilização; o estabelecimento de uma verdadeira e autêntica mentalidade contraceptiva” (FC, 6).
Difundiu-se uma falsa idéia de liberdade, que visa apresentar os compromissos assumidos para toda a vida como algo que, longe de ser uma realização plena de liberdade mediante a doação de si mesmo, torna-se um encargo não desejado.
Cada homem tem uma vocação para o amor pelo fato de ser homem, criado a imagem e semelhança de Deus. Esta vocação para o amor, para a maioria dos homens e das mulheres, encontra a sua plenitude no matrimônio. Outros são chamados para a plenitude do amor no celibato ou na virgindade.
O casal deve viver o seu doar recíproco dando a vida pelo outro, à imagem de Cristo, que amou a Igreja e se ofereceu para ela (Cfr.Ef 5, 25). A caridade conjugal é o modo pelo qual o casal vive a mesma caridade de Cristo que se doa na cruz.
A verdadeira vida pode germinar somente onde existe o amor. Do amor mútuo do casal nascem os filhos, que não desejam ser amados de modo diferente pelo pai e pela mãe, mas sim pertencerem a esse único amor que faz deles “uma carne”, uma só realidade. “A experiência de ser acolhido e amado por Deus e pelos nossos pais é o fundamento sólido que favorece sempre o crescimento e o desenvolvimento autêntico do homem e que tanto nos ajuda a amadurecer durante o caminho rumo à verdade e o amor, como também a sair de nós mesmos para entrar em comunhão com os outros e com Deus”. (Bento XVI, Homilia, Valencia, 9 de julho de 2006).
O amor verdadeiro pode somente ser exclusivo, único e para toda a vida. E somente esta forma de amor é digna da pessoa humana para estabelecer esta relação tão especial escrita no projeto do Criador: “macho e fêmea os criou” (Gen 1, 27).
Por meio do Sacramento do Matrimônio, Deus abençoa e eleva o amor humano fortalecendo e melhorando a vontade do casal, para que possam se amar e vencer a ameaça do egoísmo, da ruptura e da falta de perdão. Este amor verdadeiro, elevado por meio da graça do Sacramento, converte-se em fonte de comunhão para todos os membros da família, tornando-os sensíveis para as necessidades de cada um deles.
Uma verdadeira comunhão está sempre aberta, sabe criar elos e ampliar sempre as suas dimensões. Cada família deve ser acolhedora, atenta às necessidades daqueles que Deus põe no nosso caminho. O amor é sempre dinâmico, e nunca fica à parte. Cada família deve se tornar uma comunidade missionária onde se vive e se transmite o amor de Cristo, que está na base da relação mútua. “Animada pelo espírito missionário já no seu interior, a Igreja doméstica é chamada a ser um sinal luminoso da presença de Cristo e do seu amor também para os «distantes», para as famílias que ainda não crêem para as próprias famílias cristãs que não vivem mais em coerência com a fé recebida: é chamada «com o seu exemplo e com o seu testemunho» a iluminar «aqueles que buscam a verdade»” (FC.54).
(Agência Fides 1/9/2008)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network