http://www.fides.org

America

2003-12-18

AMÉRICA/BRASIL - “SER MISSIONÁRIO SIGNIFICA IGNORAR OS CONFINS, IR ALÉM: ESTE É O NOSSO CARISMA” – UMA METODOLOGIA PARA REFORÇAR A PRESENÇA DA INFÂNCIA MISSIONÁRIA NO BRASIL

Brasília (Agência Fides) – O exame, a reflexão e a programação das atividades relacionadas à Pontifícia Obra das Infância Missionária (POIM) para o ano de 2004 estiveram no centro dos trabalhos da Assembléia nacional anual das POIM, que se realizou em Brasília de 3 a 6 de dezembro, na Sede Nacional das POM. Pe. Daniele Lagni, Diretor Nacional das Pontifícias Obras Missionárias no Brasil, em comunicado de imprensa enviada à Agência Fides, destaca que os 25 representantes das diversas regiões da Igreja brasileira aprovaram o documento intitulado “Doze passos para implantar a Infância Missionária” (a Semente, o Terreno, a Equipe, o Preparo, o Convite, a Seleção, o Grupo, a Metodologia, a Coordenação, a Formação dos Coordenadores, a Formação permanente, e Transbordar). No documento, se informam os requisitos e as etapas a serem respeitadas na instituição de novos grupos da Infância Missionária, para que seja realmente uma obra inserida na pastoral das dioceses, das paróquias, das comunidades locais e das escolas, e principalmente para que satisfaça “à sua função de difundir o ideal missionário no meio do Povo de Deus”.
O documento reitera a importância de cuidar sempre do crescimento daqueles que pertencem à Infância Missionária, na solidariedade espiritual e material com todos os povos do mundo. Nesta perspectiva, destaca-se que a Obra da Infância Missionária, “mesmo tendo como carisma a atenção para o que existe além-fronteiras, não descuida das necessidades locais, com preferência pelas situações missionárias que existem dentro da paróquia e comunidade.”.
Há categorias de pessoas, situações sociais e humanas que ficam além das fronteiras das pastorais normais ou dos cuidados de seus agentes: “A Infância Missionária deveria ser a Obra que assume as tarefas que ninguém quer enfrentar, porque perigosas, difíceis, esquecidas”. Destaca-se ainda que os Responsáveis da Infância Missionária devem estabelecer relações de colaboração com pessoas, grupos e instituições, mesmo não-eclesiais, que trabalham com crianças e adolescentes em situações de risco. “Ser Missionário significa ignorar os confins, significa ir além fronteiras. Este é nosso carisma”, afirma Pe. Savio Corinaldesi, SX, Secretário Nacional da Infância Missionária no Brasil.
(R.Z.) (Agência Fides 18/12/2003; Linhas 29; Palavras 344)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network