http://www.fides.org

Vaticano

2007-05-07

VATICANO - O Papa ao Conselho superior das Pontifícias Obras Missionárias e ao Congresso mundial dos Missionários Fidei donum: “Se tantos são os desafios à evangelização nesta nossa época, tantos são também os sinais de esperança que em todas as partes do mundo testemunham uma encorajadora vitalidade missionária do povo cristão”

Cidade do Vaticano (Agência Fides) - “Especialmente à África… acenava Pio XII quando, com intuição profética, pensou naquele novo ‘sujeito’ missionário, que das primeiras palavras da Encíclica extraiu o nome "Fidei donum". Entendia encorajar, ao lado das formas tradicionais, um ulterior tipo de cooperação missionária entre as Comunidades cristãs chamadas ‘antigas’ e aquelas recém-nascidas ou nascentes nos territórios de recente evangelização: ou seja, as primeiras eram convidadas a enviar em auxílio das Igrejas ‘jovens’, e em promissor crescimento, alguns sacerdotes, para que estes colaborassem com os Ordinários locais por um tempo determinado.” Com essas palavras, o Santo Padre Bento XVI recordou os 50 anos (21 de abril de 1957) da publicação da encíclica “Fidei donum” do Servo de Deus Papa Pio XII, durante a audiência de sábado, 5 de maio, concedida aos participantes do Encontro do Conselho superior das Pontifícias Obras Missionárias e do Congresso mundial dos Missionários "Fidei donum", para comemorar os 50 anos da Encíclica.
O Papa Bento XVI recordou o dúplice fim que Pio XII pretendia perseguir: “Suscitar em cada componente do povo cristão uma renovada ‘chama’ missionária e promover uma mais consciente colaboração entre as dioceses de antiga tradição e as regiões de primeira evangelização”. Nestas cinco décadas, o convite de Pio XII foi mais vezes reiterado por autoridades, portanto, “foi se multiplicando o número dos sacerdotes "fidei donum" que partiram com religiosos e voluntários leigos em missão para a África e para outras regiões do mundo, às vezes à custa de não poucos sacrifícios para suas dioceses de pertença”. O Santo Padre então agradeceu em particular a todos esses irmãos e irmãs, “alguns dos quais derramaram seu sangue para difundir o Evangelho”. No arco deste período de tempo, “os contatos e os intercâmbios missionários se intensificaram graças também ao desenvolvimento e ao multiplicar-se de meios de comunicação, de modo que a Igreja teve contato praticamente com todas as civilizações e culturas. De outro lado, o intercâmbio de dons entre as Comunidades eclesiais de antiga e de recente fundação constitui um enriquecimento recíproco e favoreceu o crescimento da consciência de sermos todos ‘missionários, ou seja, todos envolvidos, mesmo que de modo diferente, no anúncio e no testemunho do Evangelho”.
Ao dar graças ao Senhor pelo compromisso missionário em ato, o Santo Padre evidenciou ainda as dificuldades emergentes, em primeiro lugar a diminuição e o envelhecimento do clero nas dioceses que antigamente enviavam missionários a regiões distantes. “Se não podemos ignorar os problemas e as sombras - prosseguiu o Pontífice -, é preciso, todavia, dirigir o olhar para o futuro com confiança, conferindo renovada e mais autêntica identidade aos missionários "Fidei donum", em um contexto mundial certamente transformado em relação aos anos 50 do século passado. Se tantos são os desafios à evangelização nesta nossa época, tantos são também os sinais de esperança que em todas as partes do mundo testemunham uma encorajadora vitalidade missionária do povo cristão. Mas, sobretudo, nunca deve faltar a consciência de que o Senhor, antes de deixar os discípulos para ir ao Céu, ao enviá-los a anunciar o seu Evangelho em todos os ângulos do mundo garantiu: "E eis que estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos" (Mt 28,20).”
Por fim, o Santo Padre exortou: “Esta certeza nunca deve nos abandonar”. Retomando o convite à oração que Pio XII dirigiu aos fiéis de então, o Papa Bento XVI declarou-se certo de que “o Senhor, vindo ao encontro das nossas incessantes solicitações, continuará a abençoar com abundantes frutos apostólicos o compromisso missionário da Igreja”. (S.L.) (Agência Fides 7/5/2007)

Compartilhar: Facebook Twitter Google Blogger Altri Social Network